Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 30 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar tem terceira queda seguida e recua para R$ 5,35

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


29/04/2020 | 17:50


O dólar teve o terceiro dia seguido de queda, período em que recuou 20 centavos, embalado pelo mercado externo mais favorável, com notícias de avanço de um tratamento para o coronavírus, que tem contribuído para enfraquecer a moeda americana internacionalmente, e pelo clima menos tenso na política doméstica.

Na tarde desta quarta-feira, 29, a disposição mostrada pelo presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, de fazer mais se necessário para conter a crise da economia americana e ainda não sinalizar pressa em retirar as medidas já adotadas, ajudou a sustentar a queda do dólar lá fora e aqui. A moeda americana terminou em baixa de 2,90% no mercado à vista, cotada em R$ 5,3552, a menor cotação desde o dia 20. No mercado futuro, o dólar maio, que vence amanhã, estava em R$ 5,34 perto do fechamento na B3.

Um indício da maior calmaria no câmbio é que, desde ontem, o Banco Central não faz intervenções extraordinárias no mercado. Somente entre sexta-feira, dia da saída do ex-Juiz Sergio Moro do governo, e segunda, foram 12 intervenções, considerando injeção de dinheiro novo e rolagens de swap cambial.

A influência principal para o comportamento do dólar hoje veio do exterior. Primeiro, o dólar começou a se enfraquecer no mercado mundial após a divulgação da primeira leitura do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA, que teve contração de 4,8% no primeiro trimestre. "A trajetória de descida da economia americana começou", ressaltam os analistas do grupo financeiro ING, prevendo que a queda do PIB no segundo trimestre pode chegar a 40%.

Pela tarde, o dólar acelerou o ritmo de queda após a reunião do Fed e as declarações de seu presidente, Jerome Powell. O dirigente disse que a piora da atividade será sem precedentes, mas o Fed "não tem pressa" de retirar os estímulos e está pronto para fazer mais, se for necessário.

"Em suma, Powell sinalizou que o Fed está pronto para dar mais apoio", disse a economista-chefe para os EUA da High Frequency Economics, Rubeela Farooqi. O índice DXY, que mede o dólar ante divisas fortes, como o euro e a libra, passou a tarde em queda, abaixo do nível de 100 pontos.

O economista da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto, revisou suas previsões para o dólar, por conta da maior incerteza política e perspectiva de mais cortes de juros pelo Banco Central. Com isso, ele espera para o final do ano a moeda americana em R$ 4,90, acima dos R$ 4,50 previstos anteriormente.

Em análise publicada no Broadcast, ele observa que a manutenção dos rumos econômicos e da agenda do ministro Paulo Guedes "permitiria ao real acompanhar a esperada melhora externa", cenário contemplado na previsão de R$ 4,90 para o final do ano. Por outro lado, uma eventual saída do ministro resultaria em um ambiente distinto, e o potencial alcance do patamar de R$ 6,00.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar tem terceira queda seguida e recua para R$ 5,35


29/04/2020 | 17:50


O dólar teve o terceiro dia seguido de queda, período em que recuou 20 centavos, embalado pelo mercado externo mais favorável, com notícias de avanço de um tratamento para o coronavírus, que tem contribuído para enfraquecer a moeda americana internacionalmente, e pelo clima menos tenso na política doméstica.

Na tarde desta quarta-feira, 29, a disposição mostrada pelo presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, de fazer mais se necessário para conter a crise da economia americana e ainda não sinalizar pressa em retirar as medidas já adotadas, ajudou a sustentar a queda do dólar lá fora e aqui. A moeda americana terminou em baixa de 2,90% no mercado à vista, cotada em R$ 5,3552, a menor cotação desde o dia 20. No mercado futuro, o dólar maio, que vence amanhã, estava em R$ 5,34 perto do fechamento na B3.

Um indício da maior calmaria no câmbio é que, desde ontem, o Banco Central não faz intervenções extraordinárias no mercado. Somente entre sexta-feira, dia da saída do ex-Juiz Sergio Moro do governo, e segunda, foram 12 intervenções, considerando injeção de dinheiro novo e rolagens de swap cambial.

A influência principal para o comportamento do dólar hoje veio do exterior. Primeiro, o dólar começou a se enfraquecer no mercado mundial após a divulgação da primeira leitura do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA, que teve contração de 4,8% no primeiro trimestre. "A trajetória de descida da economia americana começou", ressaltam os analistas do grupo financeiro ING, prevendo que a queda do PIB no segundo trimestre pode chegar a 40%.

Pela tarde, o dólar acelerou o ritmo de queda após a reunião do Fed e as declarações de seu presidente, Jerome Powell. O dirigente disse que a piora da atividade será sem precedentes, mas o Fed "não tem pressa" de retirar os estímulos e está pronto para fazer mais, se for necessário.

"Em suma, Powell sinalizou que o Fed está pronto para dar mais apoio", disse a economista-chefe para os EUA da High Frequency Economics, Rubeela Farooqi. O índice DXY, que mede o dólar ante divisas fortes, como o euro e a libra, passou a tarde em queda, abaixo do nível de 100 pontos.

O economista da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto, revisou suas previsões para o dólar, por conta da maior incerteza política e perspectiva de mais cortes de juros pelo Banco Central. Com isso, ele espera para o final do ano a moeda americana em R$ 4,90, acima dos R$ 4,50 previstos anteriormente.

Em análise publicada no Broadcast, ele observa que a manutenção dos rumos econômicos e da agenda do ministro Paulo Guedes "permitiria ao real acompanhar a esperada melhora externa", cenário contemplado na previsão de R$ 4,90 para o final do ano. Por outro lado, uma eventual saída do ministro resultaria em um ambiente distinto, e o potencial alcance do patamar de R$ 6,00.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;