Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Cuidados com os pneus dos caminhões: saiba como rodar de maneira tranquila

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do Garagem360

27/04/2020 | 13:18


Considerado atividade essencial, o transporte de cargas é um dos setores que não pode parar durante o período atual de distanciamento social, com uma frota de caminhões que continua rodando para garantir o abastecimento de produtos em todo o País. Nesse cenário, é ainda mais importante que os condutores desses veículos se mantenham muito atentos à manutenção dos caminhões.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Cuidados com os pneus dos caminhões

No caso dos pneus, que junto com o combustível representam os maiores investimentos de manutenção de uma frota, o Garagem 360 e a Goodyear separaram algumas dicas que contribuem para uma performance otimizada e uma viagem sem contratempos.

Escolhendo o pneu certo

Na hora de comprar um pneu novo, o ideal é escolher um modelo desenhado para o tipo de serviço que o caminhão irá desempenhar, para garantir performance e segurança elevados.

Em algumas empresas, como na Goodyear, os pneus são produzidos de acordo com o perfil de cada serviço: rodoviários, regional, regional severo, urbano, misto e severo.

LEIA MAIS: Tanques, jipes e caminhões: conheça as características dos veículos militares brasileiros
Caminhões e ônibus: amortecedores em dia garantem mais segurança durante viagens

Outro ponto importante para garantir maior durabilidade dos pneus é o rodízio, aconselhável a ser feito, em média, a cada 10.000 km. Porém, é importante consultar o manual do veículo, pois, em alguns casos, é possível ocorrer exceções para esse número, sendo recomendável o rodízio com menos ou mais quilometragem.

Neste caso, é importante ficar atento aos desgastes irregulares e as diferenças de profundidade de borracha que possam ocorrer entre os eixos.

Quais são os danos de pressão baixa em um pneu?

A pressão de inflação dos pneus interfere diretamente na segurança, durabilidade e desempenho do produto. A baixa pressão impacta negativamente na dirigibilidade do veículo, performance, no aumento do consumo de combustível, aquecimento excessivo e redução da vida útil.

A soma dos fatores citados ocasiona um desgaste acelerado do pneu, comprometendo a durabilidade da carcaça, resultando em um menor número de recapagens.

Para evitar a baixa pressão, o recomendado é que o usuário mantenha o pneu calibrado conforme recomendação de pressão disponível no manual do veículo fornecido pelo seu fabricante. Também é importante respeitar o peso da carga transportada, verificando a pressão do pneu no menor prazo possível.

Quais são as causas mais comuns de pressão baixa no pneu?

As principais causas para a baixa pressão são vazamentos nas válvulas dos pneus, muitas vezes ocasionados pela não utilização de tampas de vedação, bloqueio e/ou sujeiras nos bicos e ainda pelo excesso de uso.

Outro fator impactante é a montagem inadequada dos pneus, fazendo com que ocorra vazamentos entre o talão do pneu e a roda.

Além disso, vale ainda destacar a importância de verificar a pressão do pneu enquanto não está quente, dessa forma se evita a “sangria”, que é a perda da pressão.

O que é fazer sangria em um pneu?

A “sangria” dos pneus se caracteriza quando os pneus estão quentes e o usuário retira parte de sua pressão. Este procedimento não é recomendado e ocasiona diversos danos ao pneu.

Para exemplificar, ao rodar com o veículo, os pneus naturalmente esquentam – fazendo com que o ar em seu interior se expanda, aumentando assim sua pressão. Caso a pressão seja verificada neste momento, o usuário observará que a pressão está elevada e poderá concluir que é necessário reduzi-la.

Por este motivo é fundamental que a pressão seja verificada somente quando o pneu estiver frio antes de iniciar uma viagem.

Quais são os danos de pressão alta em um pneu?

Da mesma forma que a pressão baixa, a alta pressão resulta também em instabilidade na dirigibilidade do veículo, gerando maior vulnerabilidade às quebras por impactos, em virtude de buracos nas estradas e desníveis de pistas.

Outro ponto é o desgaste irregular, pois faz com que o pneu tenha maior contato com o solo na região central da banda de rodagem, diminuindo a performance quilométrica, aumentando o custo por quilômetro da frota e ainda reduzindo sua vida útil.

Dessa forma, é fundamental que a pressão seja realizada de forma periódica e no menor espaço de tempo possível, pois com este cuidado o usuário evita a perda de segurança do veículo, como também aumenta a performance do produto.

Quais são as causas mais comuns de pressão alta no pneu?

Geralmente, ao carregar o veículo com peso, os motoristas verificam a pressão e calibram os pneus para que possam suportar a carga transportada. Após o descarregamento da carga, é comum que a pressão não seja verificada novamente em virtude do aquecimento gerado nos pneus pelo deslocamento do veículo.

Com o veículo sem carga, a alta pressão começa a impactar nos pneus. É preciso observar a capacidade máxima de peso por pneu, como também respeitar os limites de pressão descritos em seu costado, que fica na lateral do pneu.

Como manter a pressão correta do pneu?

A principal recomendação é verificar a pressão dos pneus com frequência – no menor intervalo possível –, sempre calibrá-los antes da utilização e ainda frios.

Outro ponto relevante é respeitar as recomendações de pressão que estão no manual do veículo, fornecido pelo seu fabricante.

Caminhões Copa Truck 2019

Na galeria, confira os caminhões que aceleram na categoria neste ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cuidados com os pneus dos caminhões: saiba como rodar de maneira tranquila

Da Redação
Do Garagem360

27/04/2020 | 13:18


Considerado atividade essencial, o transporte de cargas é um dos setores que não pode parar durante o período atual de distanciamento social, com uma frota de caminhões que continua rodando para garantir o abastecimento de produtos em todo o País. Nesse cenário, é ainda mais importante que os condutores desses veículos se mantenham muito atentos à manutenção dos caminhões.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Cuidados com os pneus dos caminhões

No caso dos pneus, que junto com o combustível representam os maiores investimentos de manutenção de uma frota, o Garagem 360 e a Goodyear separaram algumas dicas que contribuem para uma performance otimizada e uma viagem sem contratempos.

Escolhendo o pneu certo

Na hora de comprar um pneu novo, o ideal é escolher um modelo desenhado para o tipo de serviço que o caminhão irá desempenhar, para garantir performance e segurança elevados.

Em algumas empresas, como na Goodyear, os pneus são produzidos de acordo com o perfil de cada serviço: rodoviários, regional, regional severo, urbano, misto e severo.

LEIA MAIS: Tanques, jipes e caminhões: conheça as características dos veículos militares brasileiros
Caminhões e ônibus: amortecedores em dia garantem mais segurança durante viagens

Outro ponto importante para garantir maior durabilidade dos pneus é o rodízio, aconselhável a ser feito, em média, a cada 10.000 km. Porém, é importante consultar o manual do veículo, pois, em alguns casos, é possível ocorrer exceções para esse número, sendo recomendável o rodízio com menos ou mais quilometragem.

Neste caso, é importante ficar atento aos desgastes irregulares e as diferenças de profundidade de borracha que possam ocorrer entre os eixos.

Quais são os danos de pressão baixa em um pneu?

A pressão de inflação dos pneus interfere diretamente na segurança, durabilidade e desempenho do produto. A baixa pressão impacta negativamente na dirigibilidade do veículo, performance, no aumento do consumo de combustível, aquecimento excessivo e redução da vida útil.

A soma dos fatores citados ocasiona um desgaste acelerado do pneu, comprometendo a durabilidade da carcaça, resultando em um menor número de recapagens.

Para evitar a baixa pressão, o recomendado é que o usuário mantenha o pneu calibrado conforme recomendação de pressão disponível no manual do veículo fornecido pelo seu fabricante. Também é importante respeitar o peso da carga transportada, verificando a pressão do pneu no menor prazo possível.

Quais são as causas mais comuns de pressão baixa no pneu?

As principais causas para a baixa pressão são vazamentos nas válvulas dos pneus, muitas vezes ocasionados pela não utilização de tampas de vedação, bloqueio e/ou sujeiras nos bicos e ainda pelo excesso de uso.

Outro fator impactante é a montagem inadequada dos pneus, fazendo com que ocorra vazamentos entre o talão do pneu e a roda.

Além disso, vale ainda destacar a importância de verificar a pressão do pneu enquanto não está quente, dessa forma se evita a “sangria”, que é a perda da pressão.

O que é fazer sangria em um pneu?

A “sangria” dos pneus se caracteriza quando os pneus estão quentes e o usuário retira parte de sua pressão. Este procedimento não é recomendado e ocasiona diversos danos ao pneu.

Para exemplificar, ao rodar com o veículo, os pneus naturalmente esquentam – fazendo com que o ar em seu interior se expanda, aumentando assim sua pressão. Caso a pressão seja verificada neste momento, o usuário observará que a pressão está elevada e poderá concluir que é necessário reduzi-la.

Por este motivo é fundamental que a pressão seja verificada somente quando o pneu estiver frio antes de iniciar uma viagem.

Quais são os danos de pressão alta em um pneu?

Da mesma forma que a pressão baixa, a alta pressão resulta também em instabilidade na dirigibilidade do veículo, gerando maior vulnerabilidade às quebras por impactos, em virtude de buracos nas estradas e desníveis de pistas.

Outro ponto é o desgaste irregular, pois faz com que o pneu tenha maior contato com o solo na região central da banda de rodagem, diminuindo a performance quilométrica, aumentando o custo por quilômetro da frota e ainda reduzindo sua vida útil.

Dessa forma, é fundamental que a pressão seja realizada de forma periódica e no menor espaço de tempo possível, pois com este cuidado o usuário evita a perda de segurança do veículo, como também aumenta a performance do produto.

Quais são as causas mais comuns de pressão alta no pneu?

Geralmente, ao carregar o veículo com peso, os motoristas verificam a pressão e calibram os pneus para que possam suportar a carga transportada. Após o descarregamento da carga, é comum que a pressão não seja verificada novamente em virtude do aquecimento gerado nos pneus pelo deslocamento do veículo.

Com o veículo sem carga, a alta pressão começa a impactar nos pneus. É preciso observar a capacidade máxima de peso por pneu, como também respeitar os limites de pressão descritos em seu costado, que fica na lateral do pneu.

Como manter a pressão correta do pneu?

A principal recomendação é verificar a pressão dos pneus com frequência – no menor intervalo possível –, sempre calibrá-los antes da utilização e ainda frios.

Outro ponto relevante é respeitar as recomendações de pressão que estão no manual do veículo, fornecido pelo seu fabricante.

Caminhões Copa Truck 2019

Na galeria, confira os caminhões que aceleram na categoria neste ano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;