Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros: turbulência política e temor por deterioração fiscal apoiam alta das taxas

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


20/04/2020 | 09:39


A curva de juros inclina na manhã desta segunda-feira, 20, com alta das taxas em toda a curva, porém mais acentuadamente nos longos, em meio a preocupações com a deterioração fiscal demonstradas pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e sinais de que o Congresso Nacional não está disposto a perder a queda de braço com o presidente Jair Bolsonaro, que ontem voltou a atacar o Legislativo e também o Judiciário durante manifestação popular que pedia a volta do AI-5.

A liquidez, no entanto, é bem reduzida nesta véspera de feriado de Tiradentes. Há expectativa ainda de que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), deixe a MP do contrato Verde e Amarelo caducar nesta segunda-feira, o que seria uma derrota para o governo. Além do cenário interno adverso, o exterior também mostra pessimismo em meio à disseminação da covid-19 e início de reabertura dos mercados em alguns países, como a Alemanha.

Às 9h20 desta segunda, a taxa do depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 estava em 3,07%, de 3,03% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2023 subia a 4,68%, de 4,60%, enquanto o vencimento para janeiro de 2025 subia para 6,20%, de 6,09% na sexta-feira.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juros: turbulência política e temor por deterioração fiscal apoiam alta das taxas


20/04/2020 | 09:39


A curva de juros inclina na manhã desta segunda-feira, 20, com alta das taxas em toda a curva, porém mais acentuadamente nos longos, em meio a preocupações com a deterioração fiscal demonstradas pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e sinais de que o Congresso Nacional não está disposto a perder a queda de braço com o presidente Jair Bolsonaro, que ontem voltou a atacar o Legislativo e também o Judiciário durante manifestação popular que pedia a volta do AI-5.

A liquidez, no entanto, é bem reduzida nesta véspera de feriado de Tiradentes. Há expectativa ainda de que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), deixe a MP do contrato Verde e Amarelo caducar nesta segunda-feira, o que seria uma derrota para o governo. Além do cenário interno adverso, o exterior também mostra pessimismo em meio à disseminação da covid-19 e início de reabertura dos mercados em alguns países, como a Alemanha.

Às 9h20 desta segunda, a taxa do depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 estava em 3,07%, de 3,03% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2023 subia a 4,68%, de 4,60%, enquanto o vencimento para janeiro de 2025 subia para 6,20%, de 6,09% na sexta-feira.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;