Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Empresas pagam a quem economiza energia nos EUA


Das Agências

21/03/2010 | 07:13


A ameaça de que os ursos-polares desaparecerão não é estímulo suficiente para os norte-americanos reduzirem seu consumo de energia. Pensando nisso, algumas empresas encontraram solução tão tentadora quanto pragmática: remunerar os que economizarem energia.

A norte-americana MyEex, corretora de energia localizada em White Plains (Estado de Nova York), acaba de lançar plataforma que permite comprar créditos de emissão de pessoas físicas que economizarem, ainda que isso signifique apenas apagar a luz ao sair de um cômodo da casa.

O primeiro crédito foi vendido em janeiro por US$ 21,50, com comissão de corretagem de US$ 4,30. A ideia é simples: se muitas pessoas entrarem em jogo, isso teria impacto real sobre as emissões de gases de efeito estufa e o corretor terá direito a comissões.

Por enquanto, em torno de 2.000 casas já se registraram na MyEex, que tenta certificar seu método que consiste em avaliar a economia de energia a partir do estudo de gastos nas contas de calefação e eletricidade.

Randy Wilson, que obteve o primeiro crédito de carbono emitido pela MyEex, considera a iniciativa excelente. Ele decidiu agir no ano passado, ao descobrir que sua companhia de eletricidade pretendia aumentar as tarifas em até 40%.

Junto com sua mulher, eles instalaram bombas elétricas de baixo consumo, decidiram tirar da tomada todos os aparelhos elétricos, como computadores, quando não estavam em uso, e instalaram sistema de painéis solares que lhes custou US$ 58 mil no teto de sua residência na Pensilvânia.

A conta de luz passou de US$ 120 por mês a zero. Graças aos créditos, que reduziram em dois terços o custo de seus painéis solares, e à economia obtida, Wilson acredita que seu investimento será amortizado em seis anos. "A ideia de economizar dinheiro e conseguir que paguem por isso é admirável", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresas pagam a quem economiza energia nos EUA

Das Agências

21/03/2010 | 07:13


A ameaça de que os ursos-polares desaparecerão não é estímulo suficiente para os norte-americanos reduzirem seu consumo de energia. Pensando nisso, algumas empresas encontraram solução tão tentadora quanto pragmática: remunerar os que economizarem energia.

A norte-americana MyEex, corretora de energia localizada em White Plains (Estado de Nova York), acaba de lançar plataforma que permite comprar créditos de emissão de pessoas físicas que economizarem, ainda que isso signifique apenas apagar a luz ao sair de um cômodo da casa.

O primeiro crédito foi vendido em janeiro por US$ 21,50, com comissão de corretagem de US$ 4,30. A ideia é simples: se muitas pessoas entrarem em jogo, isso teria impacto real sobre as emissões de gases de efeito estufa e o corretor terá direito a comissões.

Por enquanto, em torno de 2.000 casas já se registraram na MyEex, que tenta certificar seu método que consiste em avaliar a economia de energia a partir do estudo de gastos nas contas de calefação e eletricidade.

Randy Wilson, que obteve o primeiro crédito de carbono emitido pela MyEex, considera a iniciativa excelente. Ele decidiu agir no ano passado, ao descobrir que sua companhia de eletricidade pretendia aumentar as tarifas em até 40%.

Junto com sua mulher, eles instalaram bombas elétricas de baixo consumo, decidiram tirar da tomada todos os aparelhos elétricos, como computadores, quando não estavam em uso, e instalaram sistema de painéis solares que lhes custou US$ 58 mil no teto de sua residência na Pensilvânia.

A conta de luz passou de US$ 120 por mês a zero. Graças aos créditos, que reduziram em dois terços o custo de seus painéis solares, e à economia obtida, Wilson acredita que seu investimento será amortizado em seis anos. "A ideia de economizar dinheiro e conseguir que paguem por isso é admirável", disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;