Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 30 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Isolamento social em São Paulo alcançou 55%, conforme governo estadual

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Índice de Diadema é 63%, Mauá 61%, Santo André 58% e São Bernardo 59%; ideal é chegar aos 70%



12/04/2020 | 15:22


A adesão da população de São Paulo ao isolamento social como forma de evitar a propagação do novo coronavírus ficou em 55% neste sábado (11). Na quinta-feira (9), o índice de isolamento social atingiu apenas 47%. O governo de São Paulo afirma que o ideal é 70% de isolamento para conter o avanço da doença no Estado, o mais afetado no País, com o maior número de mortes e casos confirmados. A taxa de isolamento vem sendo medida pelo governo paulista com o apoio das operadoras de telefonia e é referente a 40 cidades com população acima de 30 mil habitantes.

No Grande ABC, de acordo o último levantamento, de sexta (10), os índices das cidades consultadas estão assim: Diadema (63%), Mauá (61%), Santo André (58%) e São Bernardo (59%).

O governador João Doria (PSDB), que já ampliou a quarentena no Estado até o dia 22 deste mês, afirmou que não descarta a possibilidade de medidas mais restritivas, como aplicação de multas e até prisão para quem desrespeitar o distanciamento. "Espero que não tenhamos que chegar nesse patamar, mas se for necessário faremos em defesa da vida", afirmou Doria na sexta-feira. "Vamos fazer o teste neste final de semana. Se não elevarmos esse nível, que hoje é de 50%, para mais de 60% e caminharmos para 70% na próxima semana, não apenas o governo do Estado, como também a prefeitura de São Paulo, tomarão medidas mais rígidas", disse.

De acordo com o governo paulista, se a taxa continuar baixa, o número de leitos disponíveis no sistema de saúde não será suficiente para atender à população. Levantamento do Ministério da Saúde deste sábado, 11, mostrava que São Paulo tinha 560 mortes por coronavírus e outros 8.419 casos confirmados. Em todo o País, eram 1.124 mortes e 20.797 casos confirmados.

As cidades com o menor índice neste sábado foram Limeira e Presidente Prudente, interior do Estado, com apenas 47% de isolamento. Já São Vicente foi a cidade com o maior índice, 62%. 

A fala de Doria gerou reação da Advocacia-Geral da União. Em nota neste fim de semana, o advogado-geral da União, André Mendonça, diz aguardar informações do Ministério da Saúde e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) "para a propositura de medidas judiciais cabíveis com o objetivo de garantir a ordem democrática e a uniformidade das medidas de prevenção à covid-19".

"Como advogado-geral da União, defendo que qualquer medida deve ser respaldada na Constituição e capaz de garantir a ordem e a paz social. Medidas isoladas, prisões de cidadãos e restrições não fundamentadas em normas técnicas emitidas pelo Ministério da Saúde e pela Anvisa abrem caminho para o abuso e o arbítrio. Por fim, medidas de restrição devem ter fins preventivos e educativos - não repressivos, autoritários ou arbitrários", escreve Mendonça, que acrescenta: "É momento de bom senso e serenidade de todos".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Isolamento social em São Paulo alcançou 55%, conforme governo estadual

Índice de Diadema é 63%, Mauá 61%, Santo André 58% e São Bernardo 59%; ideal é chegar aos 70%


12/04/2020 | 15:22


A adesão da população de São Paulo ao isolamento social como forma de evitar a propagação do novo coronavírus ficou em 55% neste sábado (11). Na quinta-feira (9), o índice de isolamento social atingiu apenas 47%. O governo de São Paulo afirma que o ideal é 70% de isolamento para conter o avanço da doença no Estado, o mais afetado no País, com o maior número de mortes e casos confirmados. A taxa de isolamento vem sendo medida pelo governo paulista com o apoio das operadoras de telefonia e é referente a 40 cidades com população acima de 30 mil habitantes.

No Grande ABC, de acordo o último levantamento, de sexta (10), os índices das cidades consultadas estão assim: Diadema (63%), Mauá (61%), Santo André (58%) e São Bernardo (59%).

O governador João Doria (PSDB), que já ampliou a quarentena no Estado até o dia 22 deste mês, afirmou que não descarta a possibilidade de medidas mais restritivas, como aplicação de multas e até prisão para quem desrespeitar o distanciamento. "Espero que não tenhamos que chegar nesse patamar, mas se for necessário faremos em defesa da vida", afirmou Doria na sexta-feira. "Vamos fazer o teste neste final de semana. Se não elevarmos esse nível, que hoje é de 50%, para mais de 60% e caminharmos para 70% na próxima semana, não apenas o governo do Estado, como também a prefeitura de São Paulo, tomarão medidas mais rígidas", disse.

De acordo com o governo paulista, se a taxa continuar baixa, o número de leitos disponíveis no sistema de saúde não será suficiente para atender à população. Levantamento do Ministério da Saúde deste sábado, 11, mostrava que São Paulo tinha 560 mortes por coronavírus e outros 8.419 casos confirmados. Em todo o País, eram 1.124 mortes e 20.797 casos confirmados.

As cidades com o menor índice neste sábado foram Limeira e Presidente Prudente, interior do Estado, com apenas 47% de isolamento. Já São Vicente foi a cidade com o maior índice, 62%. 

A fala de Doria gerou reação da Advocacia-Geral da União. Em nota neste fim de semana, o advogado-geral da União, André Mendonça, diz aguardar informações do Ministério da Saúde e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) "para a propositura de medidas judiciais cabíveis com o objetivo de garantir a ordem democrática e a uniformidade das medidas de prevenção à covid-19".

"Como advogado-geral da União, defendo que qualquer medida deve ser respaldada na Constituição e capaz de garantir a ordem e a paz social. Medidas isoladas, prisões de cidadãos e restrições não fundamentadas em normas técnicas emitidas pelo Ministério da Saúde e pela Anvisa abrem caminho para o abuso e o arbítrio. Por fim, medidas de restrição devem ter fins preventivos e educativos - não repressivos, autoritários ou arbitrários", escreve Mendonça, que acrescenta: "É momento de bom senso e serenidade de todos".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;