Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Importante é mostrar para mercado que você voltará 'aos trilhos', diz Campos Neto



09/04/2020 | 17:33


O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, alertou nesta quinta-feira, 9, em entrevista ao portal UOL, transmitida ao vivo pela internet, que o Brasil precisa sinalizar claramente que, após a crise do novo coronavírus, voltará aos "trilhos" do ajuste fiscal e do controle das contas públicas. Do contrário, avisou, há risco de reflexo na curva de juros.

No dia em que a Câmara dos Deputados discute um projeto de socorro a Estados e municípios que tem sido classificado como uma "bomba fiscal" por economistas, Campos Neto também frisou que as votações no Congresso Nacional têm reflexo nessa percepção de risco sobre o País.

"À medida que você tem essas medidas fiscais e, por exemplo, dias em que aparecem projetos muito criativos no Congresso, o que acontece com a curva de juros? Ela sobe, exatamente porque volta a precificar essa incerteza", disse Campos Neto, sem mencionar especificamente nenhuma proposta em tramitação no Legislativo.

Segundo Campos Neto, um dos fatores que permitiu a queda da taxa de juros no Brasil foi a percepção de que o País começou a embarcar num "mundo de menos público e mais privado". Nesse contexto, o teto de gastos (mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação) e a reforma da Previdência foram acontecimentos importantes para abrir caminho à redução dos juros.

"A dinâmica fiscal é muito importante, porque ela muda a taxa neutra. E hoje, obviamente, você tem dois componentes. Uma agenda que vinha sendo tocada e num momento de emergência não vai sair da pauta, mas ela sofre um atraso. E tem um outro ponto que é essa saída do trilho que nós temos que fazer, e é importante, para garantir o emprego, a sobrevivência das pessoas e garantir a estabilidade do País, ela tem um custo fiscal. Então você vai terminar com um equilíbrio fiscal um pouco pior", disse Campos Neto. "Aqui o mais importante não é a saída do trilho, o desvio. O maior importante é mostrar para o mercado, ter dispositivos que façam com que o mercado acredite que você vai voltar pro trilho na frente. Então quanto mais separado for a administração, quanto mais separado for os orçamentos de crise, quanto mais claro ficar que nós vamos voltar (para o trilho), menor vai ser o custo", afirmou o presidente do BC.

Apesar do alerta, Campos Neto disse entender que o Brasil tem capacidade de responder à crise "saindo e voltando para o trilho".

Auxílio emergencial

O presidente do Banco Central avaliou que o auxílio emergencial lançado pelo governo, que prevê o pagamento de R$ 600 por mês, por três meses, a trabalhadores de baixa renda, é uma oportunidade para as instituições que têm nível alto de capilarização. Neste sentido, ele citou a Caixa Econômica Federal como o banco com mais capilaridade.

O benefício, que começou a ser liberado pelo governo nesta semana, é voltado para trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados. A Caixa é a responsável pela operação. Campos Neto lembrou ainda que 54% das pessoas que estão nas classes D e E não têm conta em banco.

Concentração

O presidente do Banco Central afirmou que trabalha para que a crise gerada pelo coronavírus não resulte em um sistema bancário mais concentrado. Este foi um dos efeitos da crise financeira global de 2008, que reduziu o número de instituições e concentrou o mercado em vários países, incluindo o Brasil. "Todas as grandes crises trocaram estabilidade por sistema mais concentrado", pontuou Campos Neto. "Estamos trabalhando para que isso não ocorra."

Neste sentido, ele lembrou ações que estão em andamento, como a do estabelecimento do open banking - sistema que permitirá o compartilhamento de dados de clientes de bancos e, com isso, aumentará a oferta de serviços financeiros.

"A tarefa é não deixar que a crise nos leve a um ponto anterior", disse Campos Neto. "Nosso sistema, apesar de concentrado, é relativamente competitivo. Precisamos continuar a fomentar as fintechs (empresas de tecnologia financeira), o cooperativismo", acrescentou.

O presidente do BC reconheceu, no entanto, que existe a preocupação em evitar a maior concentração bancária após a crise provocada pela covid-19.

Contratos

Campos Neto disse que o formato e a velocidade de recuperação do Brasil após o choque da pandemia do novo coronavírus dependem de uma série de fatores, entre eles a manutenção de contratos. Ele afirmou ainda que alguns setores estão sofrendo baques maiores, mas avisou que o BC não ajuda diretamente empresas, apenas por meio do crédito. "O formato da nossa volta vai depender de muitos fatores, mas tem um fator que tem me preocupado e acho muito importante passar a mensagem, que é: todos nós temos que cumprir contratos. É importante cumprir contratos na economia", comentou.

E avisou: "Não quer dizer que não possa renegociar, às vezes as duas partes podem negociar. Mas se os governos permitirem quebra de contrato, se as grandes empresas começarem com conversa de querer quebrar contrato, aí a gente vai ter uma recuperação da economia muito mais lenta e mais sofrida."

O Congresso Nacional chegou a aventar propostas para suspender pagamentos de aluguéis. A medida, porém, acabou ficando de fora das medidas votadas pelo Legislativo.

Campos Neto disse ainda que o impacto da crise na economia atinge setores de maneira distinta. Alguns estavam "indo bem" e foram prejudicados, outros estavam "em situação delicada" e pioraram, e "alguns poucos são vencedores".

Ele afirmou que a houve melhora ligeira nos setores de supermercados, farmácias, enquanto o segmento de comércio online está praticamente estável. Já os setores aéreo e de automóveis estão sentindo impactos mais duros, afirmou Campos Neto. "Tem outros setores que eram mais problemáticos e vão sofrer", afirmou.

No diagnóstico traçado por ele, grande parte dos serviço deve ter problemas nos próximos meses. "O Banco Central não dá dinheiro, não ajuda diretamente as empresas, só através do crédito", ponderou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Importante é mostrar para mercado que você voltará 'aos trilhos', diz Campos Neto


09/04/2020 | 17:33


O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, alertou nesta quinta-feira, 9, em entrevista ao portal UOL, transmitida ao vivo pela internet, que o Brasil precisa sinalizar claramente que, após a crise do novo coronavírus, voltará aos "trilhos" do ajuste fiscal e do controle das contas públicas. Do contrário, avisou, há risco de reflexo na curva de juros.

No dia em que a Câmara dos Deputados discute um projeto de socorro a Estados e municípios que tem sido classificado como uma "bomba fiscal" por economistas, Campos Neto também frisou que as votações no Congresso Nacional têm reflexo nessa percepção de risco sobre o País.

"À medida que você tem essas medidas fiscais e, por exemplo, dias em que aparecem projetos muito criativos no Congresso, o que acontece com a curva de juros? Ela sobe, exatamente porque volta a precificar essa incerteza", disse Campos Neto, sem mencionar especificamente nenhuma proposta em tramitação no Legislativo.

Segundo Campos Neto, um dos fatores que permitiu a queda da taxa de juros no Brasil foi a percepção de que o País começou a embarcar num "mundo de menos público e mais privado". Nesse contexto, o teto de gastos (mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação) e a reforma da Previdência foram acontecimentos importantes para abrir caminho à redução dos juros.

"A dinâmica fiscal é muito importante, porque ela muda a taxa neutra. E hoje, obviamente, você tem dois componentes. Uma agenda que vinha sendo tocada e num momento de emergência não vai sair da pauta, mas ela sofre um atraso. E tem um outro ponto que é essa saída do trilho que nós temos que fazer, e é importante, para garantir o emprego, a sobrevivência das pessoas e garantir a estabilidade do País, ela tem um custo fiscal. Então você vai terminar com um equilíbrio fiscal um pouco pior", disse Campos Neto. "Aqui o mais importante não é a saída do trilho, o desvio. O maior importante é mostrar para o mercado, ter dispositivos que façam com que o mercado acredite que você vai voltar pro trilho na frente. Então quanto mais separado for a administração, quanto mais separado for os orçamentos de crise, quanto mais claro ficar que nós vamos voltar (para o trilho), menor vai ser o custo", afirmou o presidente do BC.

Apesar do alerta, Campos Neto disse entender que o Brasil tem capacidade de responder à crise "saindo e voltando para o trilho".

Auxílio emergencial

O presidente do Banco Central avaliou que o auxílio emergencial lançado pelo governo, que prevê o pagamento de R$ 600 por mês, por três meses, a trabalhadores de baixa renda, é uma oportunidade para as instituições que têm nível alto de capilarização. Neste sentido, ele citou a Caixa Econômica Federal como o banco com mais capilaridade.

O benefício, que começou a ser liberado pelo governo nesta semana, é voltado para trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados. A Caixa é a responsável pela operação. Campos Neto lembrou ainda que 54% das pessoas que estão nas classes D e E não têm conta em banco.

Concentração

O presidente do Banco Central afirmou que trabalha para que a crise gerada pelo coronavírus não resulte em um sistema bancário mais concentrado. Este foi um dos efeitos da crise financeira global de 2008, que reduziu o número de instituições e concentrou o mercado em vários países, incluindo o Brasil. "Todas as grandes crises trocaram estabilidade por sistema mais concentrado", pontuou Campos Neto. "Estamos trabalhando para que isso não ocorra."

Neste sentido, ele lembrou ações que estão em andamento, como a do estabelecimento do open banking - sistema que permitirá o compartilhamento de dados de clientes de bancos e, com isso, aumentará a oferta de serviços financeiros.

"A tarefa é não deixar que a crise nos leve a um ponto anterior", disse Campos Neto. "Nosso sistema, apesar de concentrado, é relativamente competitivo. Precisamos continuar a fomentar as fintechs (empresas de tecnologia financeira), o cooperativismo", acrescentou.

O presidente do BC reconheceu, no entanto, que existe a preocupação em evitar a maior concentração bancária após a crise provocada pela covid-19.

Contratos

Campos Neto disse que o formato e a velocidade de recuperação do Brasil após o choque da pandemia do novo coronavírus dependem de uma série de fatores, entre eles a manutenção de contratos. Ele afirmou ainda que alguns setores estão sofrendo baques maiores, mas avisou que o BC não ajuda diretamente empresas, apenas por meio do crédito. "O formato da nossa volta vai depender de muitos fatores, mas tem um fator que tem me preocupado e acho muito importante passar a mensagem, que é: todos nós temos que cumprir contratos. É importante cumprir contratos na economia", comentou.

E avisou: "Não quer dizer que não possa renegociar, às vezes as duas partes podem negociar. Mas se os governos permitirem quebra de contrato, se as grandes empresas começarem com conversa de querer quebrar contrato, aí a gente vai ter uma recuperação da economia muito mais lenta e mais sofrida."

O Congresso Nacional chegou a aventar propostas para suspender pagamentos de aluguéis. A medida, porém, acabou ficando de fora das medidas votadas pelo Legislativo.

Campos Neto disse ainda que o impacto da crise na economia atinge setores de maneira distinta. Alguns estavam "indo bem" e foram prejudicados, outros estavam "em situação delicada" e pioraram, e "alguns poucos são vencedores".

Ele afirmou que a houve melhora ligeira nos setores de supermercados, farmácias, enquanto o segmento de comércio online está praticamente estável. Já os setores aéreo e de automóveis estão sentindo impactos mais duros, afirmou Campos Neto. "Tem outros setores que eram mais problemáticos e vão sofrer", afirmou.

No diagnóstico traçado por ele, grande parte dos serviço deve ter problemas nos próximos meses. "O Banco Central não dá dinheiro, não ajuda diretamente as empresas, só através do crédito", ponderou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;