Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Escritor Luiz Alberto Mendes morre aos 68 anos



09/04/2020 | 14:18


O escritor paulistano Luiz Alberto Mendes morreu nesta quarta-feira (8) em decorrência de um aneurisma, aos 68 anos. Ele ficou conhecido quando publicou, em 2001, o livro Memórias de um Sobrevivente, pela Companhia das Letras, o primeiro de uma trilogia sobre a vida na prisão.

Mendes nasceu em 1952, no bairro paulistano de Vila Maria. Autodidata, passou boa parte da vida em reformatórios e penitenciárias do estado de São Paulo, após ser condenado a mais de cem anos de prisão por diversos crimes. Foi na prisão - durante outra epidemia, no final dos anos 1980 - em que conheceu a enfermeira Michele Caolha, portadora do HIV, que foi quem lhe apresentou os livros. Em pouco tempo, passou a ler tudo que conseguiu, dos clássicos aos modernos, e começou a dar aulas na prisão, bem como a trabalhar no setor jurídico, em um grupo espírita, nos Correios, e até a produzir bichinhos de pelúcia.

Auxiliado pelo escritor e roteirista Fernando Bonassi (de Estação Carandiru), que levou e recomendou o livro à editora, Mendes lançou Memórias de um Sobrevivente ainda preso, em 2001, e a obra foi recebida com espanto, pelo seu retrato particular não só da vida na cadeia, mas das forças externas e internas que fizeram Mendes se transformar em quem ele era.

"Achava que liberdade era ter dinheiro no bolso. A minha liberdade estava no bolso. Hoje vejo que existem liberdades maiores do que a de ir e vir", disse Mendes em 2005 ao Jornal da Tarde. "A primeira coisa pior de se estar preso é ficar longe de quem você ama. A segunda é ter de conviver com os presos. Todos tristes, angustiados, sofrendo como você. É duro."

Ainda em 2005, ele lançou Às Cegas, e em 2015, Confissões de um Homem Livre, também pela Companhia das Letras, sobre seus últimos anos no cárcere, entre outros livros. Ele também era colunista da revista Trip e durante seu período em liberdade, depois de 2004, seguiu escrevendo, dando aulas e palestras e ministrando cursos e oficinas para presidiários.

Seu projeto mais recente foi o filme Sete Idas Para o Inferno (escrito com José Alvarenga Júnior, sobre um presidiário que sai da prisão e não encontra mais sua vida antiga), que no início de 2019 estava em fase de captação de recursos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Escritor Luiz Alberto Mendes morre aos 68 anos


09/04/2020 | 14:18


O escritor paulistano Luiz Alberto Mendes morreu nesta quarta-feira (8) em decorrência de um aneurisma, aos 68 anos. Ele ficou conhecido quando publicou, em 2001, o livro Memórias de um Sobrevivente, pela Companhia das Letras, o primeiro de uma trilogia sobre a vida na prisão.

Mendes nasceu em 1952, no bairro paulistano de Vila Maria. Autodidata, passou boa parte da vida em reformatórios e penitenciárias do estado de São Paulo, após ser condenado a mais de cem anos de prisão por diversos crimes. Foi na prisão - durante outra epidemia, no final dos anos 1980 - em que conheceu a enfermeira Michele Caolha, portadora do HIV, que foi quem lhe apresentou os livros. Em pouco tempo, passou a ler tudo que conseguiu, dos clássicos aos modernos, e começou a dar aulas na prisão, bem como a trabalhar no setor jurídico, em um grupo espírita, nos Correios, e até a produzir bichinhos de pelúcia.

Auxiliado pelo escritor e roteirista Fernando Bonassi (de Estação Carandiru), que levou e recomendou o livro à editora, Mendes lançou Memórias de um Sobrevivente ainda preso, em 2001, e a obra foi recebida com espanto, pelo seu retrato particular não só da vida na cadeia, mas das forças externas e internas que fizeram Mendes se transformar em quem ele era.

"Achava que liberdade era ter dinheiro no bolso. A minha liberdade estava no bolso. Hoje vejo que existem liberdades maiores do que a de ir e vir", disse Mendes em 2005 ao Jornal da Tarde. "A primeira coisa pior de se estar preso é ficar longe de quem você ama. A segunda é ter de conviver com os presos. Todos tristes, angustiados, sofrendo como você. É duro."

Ainda em 2005, ele lançou Às Cegas, e em 2015, Confissões de um Homem Livre, também pela Companhia das Letras, sobre seus últimos anos no cárcere, entre outros livros. Ele também era colunista da revista Trip e durante seu período em liberdade, depois de 2004, seguiu escrevendo, dando aulas e palestras e ministrando cursos e oficinas para presidiários.

Seu projeto mais recente foi o filme Sete Idas Para o Inferno (escrito com José Alvarenga Júnior, sobre um presidiário que sai da prisão e não encontra mais sua vida antiga), que no início de 2019 estava em fase de captação de recursos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;