Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Kiko desafia parlamentares de Ribeirão a doarem salário

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Dinheiro seria destinado a Fundo Social de Solidariedade da cidade para ser utilizada contra a Covid-19


Daniel Tossato

08/04/2020 | 00:03


Em resposta a ofício encaminhado pelos vereadores de Ribeirão Pires – que pedia redução do salário dos integrantes do Executivo pela metade para auxiliar o município no combate ao novo coronavírus –, o prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) desafiou os parlamentares, após acatar em parte a demanda requerida no Legislativo, a também doarem parcela de seus subsídios ao Fundo Social de Solidariedade da cidade para ser utilizada em ações voltadas a diminuir os efeitos da proliferação da Covid-19.

Em documento endereçado aos seis parlamentares que assinaram o ofício ao Paço na semana passada, Kiko afirmou que aguarda a doação de parte dos salários dos vereadores e envia o número das duas contas do Fundo Social da cidade, onde o montante deverá ser depositado, seguindo sugestão do chefe do Executivo.

“Com o exposto, aguardando ansiosamente pelas vossas graciosas doações, informamos abaixo os dados das contas bancárias para o recebimento destas, sendo certo que as ações solidárias dos nobres edis poderão ser divulgadas pelo Poder Executivo, se assim o desejarem, mostrando à população a efetiva preocupação de cada um dos senhores, com o enfrentamento da Covid-19”, diz o documento, rubricado por Kiko e com citação direta aos vereadores Anselmo Martins (PL), Danilo da Casa da Sopa (PSB), Humberto D’Orto Neto, o Amigão (PSB), Paulo César Ferreira (MDB), Rogério do Açougue (PSB) e Rubens Fernandes (PSD).

Na semana passada, os parlamentares formularam documento, enviado à Prefeitura, pedindo que Kiko, o vice Gabriel Roncon (PTB) e os secretários municipais cortassem os vencimentos em 50%. O valor economizado desta maneira, de acordo com a proposta, deveria ser revertido no combate à pandemia. O ofício dos vereadores também pedia diminuição dos próprios subsídios, além do salário de servidores públicos ocupantes de cargos em comissão acima do valor de R$ 2.000 e que não atuem nas áreas da saúde e da segurança. Em um primeiro momento, Kiko evitou declarar se doaria parte de seus rendimentos, mas registrou a cessão durante o fim de semana – inseriu na resposta comprovante de transferência bancária na quantia de R$ 7.390, feita na conta do Fundo Social.

Um dos integrantes do bloco que assinaram o ofício, o vereador oposicionista Amigão alegou que o retorno do prefeito “chega a ser algo esdrúxulo”, uma vez que na, visão do socialista, o momento “é de nos mantermos unidos e não pensarmos somente nos nossos projetos”.

“Não tinha por que o prefeito mandar uma resposta desta, até porque nosso ofício pedia corte no salário e utilização da verba no combate à pandemia enquanto durar a crise e não somente uma doação. Parece que o prefeito não entendeu e decidiu os responder dessa forma, o que é uma pena”, pontuou Amigão. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Kiko desafia parlamentares de Ribeirão a doarem salário

Dinheiro seria destinado a Fundo Social de Solidariedade da cidade para ser utilizada contra a Covid-19

Daniel Tossato

08/04/2020 | 00:03


Em resposta a ofício encaminhado pelos vereadores de Ribeirão Pires – que pedia redução do salário dos integrantes do Executivo pela metade para auxiliar o município no combate ao novo coronavírus –, o prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) desafiou os parlamentares, após acatar em parte a demanda requerida no Legislativo, a também doarem parcela de seus subsídios ao Fundo Social de Solidariedade da cidade para ser utilizada em ações voltadas a diminuir os efeitos da proliferação da Covid-19.

Em documento endereçado aos seis parlamentares que assinaram o ofício ao Paço na semana passada, Kiko afirmou que aguarda a doação de parte dos salários dos vereadores e envia o número das duas contas do Fundo Social da cidade, onde o montante deverá ser depositado, seguindo sugestão do chefe do Executivo.

“Com o exposto, aguardando ansiosamente pelas vossas graciosas doações, informamos abaixo os dados das contas bancárias para o recebimento destas, sendo certo que as ações solidárias dos nobres edis poderão ser divulgadas pelo Poder Executivo, se assim o desejarem, mostrando à população a efetiva preocupação de cada um dos senhores, com o enfrentamento da Covid-19”, diz o documento, rubricado por Kiko e com citação direta aos vereadores Anselmo Martins (PL), Danilo da Casa da Sopa (PSB), Humberto D’Orto Neto, o Amigão (PSB), Paulo César Ferreira (MDB), Rogério do Açougue (PSB) e Rubens Fernandes (PSD).

Na semana passada, os parlamentares formularam documento, enviado à Prefeitura, pedindo que Kiko, o vice Gabriel Roncon (PTB) e os secretários municipais cortassem os vencimentos em 50%. O valor economizado desta maneira, de acordo com a proposta, deveria ser revertido no combate à pandemia. O ofício dos vereadores também pedia diminuição dos próprios subsídios, além do salário de servidores públicos ocupantes de cargos em comissão acima do valor de R$ 2.000 e que não atuem nas áreas da saúde e da segurança. Em um primeiro momento, Kiko evitou declarar se doaria parte de seus rendimentos, mas registrou a cessão durante o fim de semana – inseriu na resposta comprovante de transferência bancária na quantia de R$ 7.390, feita na conta do Fundo Social.

Um dos integrantes do bloco que assinaram o ofício, o vereador oposicionista Amigão alegou que o retorno do prefeito “chega a ser algo esdrúxulo”, uma vez que na, visão do socialista, o momento “é de nos mantermos unidos e não pensarmos somente nos nossos projetos”.

“Não tinha por que o prefeito mandar uma resposta desta, até porque nosso ofício pedia corte no salário e utilização da verba no combate à pandemia enquanto durar a crise e não somente uma doação. Parece que o prefeito não entendeu e decidiu os responder dessa forma, o que é uma pena”, pontuou Amigão. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;