Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Braskem registra prejuízo de R$ 2,9 bi no 4º trimestre do ano

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Valor é atribuível a acionistas; no mesmo período do ano anterior queda foi avaliada em R$ 2,7 bi



04/04/2020 | 10:11


A Braskem registrou no quarto trimestre de 2019 prejuízo líquido atribuível a acionistas de R$ 2,922 bilhões ante perdas de R$ 78 milhões no mesmo período de 2018. No consolidado de 2019, o prejuízo foi de R$ 2,798 bilhões, ante lucro de R$ 2,867 bilhões no ano anterior. O relatório de resultados informa que o prejuízo líquido no ano ocorreu em função da provisão contábil de R$ 3,383 bilhões referente à implementação em Alagoas do Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação, de ações para fechamento de determinados poços de sal da companhia e do Programa para Recuperação de Negócios e Promoção de Atividades Educacionais. Tudo isso combinado ao impacto negativo da depreciação do real frente ao dólar sobre a exposição líquida da companhia não designada para hedge accounting.

Os dados foram enviados na noite de sexta-feira à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) depois de a companhia ter adiado a divulgação dos resultados por duas vezes. De acordo com o relatório de resultados, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 1,047 bilhão no quarto trimestre, queda de 45% em relação a R$ 1,907 bilhão registrado entre outubro e dezembro de 2018. Em 2019, o Ebitda foi de R$ 7,840 bilhões, o que significa um recuo de 31% na comparação com 2018, quando chegou a R$ 11,315 bilhões.

O Ebitda recorrente em 2018 foi de R$ 5,936 bilhões, 46% inferior a 2018. Em dólar, o Ebitda recorrente da companhia foi de US$ 1,514 bilhão, 50% inferior a 2018 explicado, principalmente, pelos menores spreads no mercado internacional, resultado do menor crescimento global combinado com entradas de capacidades de PE (polietileno) nos Estados Unidos, PP (polipopileno) e novas refinarias na Ásia, compensados parcialmente pelo maior volume de vendas de PP nos Estados Unidos e de PE do México.

A receita líquida de vendas caiu 15% no quarto trimestre do ano passado, chegando a R$ 12,640 bilhões ante R$ 14,837 bilhões registrados no mesmo período do ano anterior. No ano, a receita líquida de vendas foi de R$ 52,324 bilhões, uma queda de 10% em relação aos R$ 58 bilhões registrados no mesmo período de 2018. Já o resultado financeiro entre outubro e dezembro de 2019 ficou negativo em R$ 872 milhões, ante R$ 1,091 bilhão negativo no mesmo período de 2018, o que representa uma queda de 20%. No ano, o resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 4,746 bilhões, queda de 2% na comparação com o resultado de R$ 4,651 bilhões registrado em 2018.

Ainda de acordo com os dados, a alavancagem corporativa, medida pela relação dívida líquida/EBITDA em dólares foi de 4,71x .

Em razão a pandemia do coronavírus, a Braskem informou, em fato relevante, que foi cancelada a realização da Assembleia Geral Ordinária (AGO) marcada para 20 de abril.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Braskem registra prejuízo de R$ 2,9 bi no 4º trimestre do ano

Valor é atribuível a acionistas; no mesmo período do ano anterior queda foi avaliada em R$ 2,7 bi


04/04/2020 | 10:11


A Braskem registrou no quarto trimestre de 2019 prejuízo líquido atribuível a acionistas de R$ 2,922 bilhões ante perdas de R$ 78 milhões no mesmo período de 2018. No consolidado de 2019, o prejuízo foi de R$ 2,798 bilhões, ante lucro de R$ 2,867 bilhões no ano anterior. O relatório de resultados informa que o prejuízo líquido no ano ocorreu em função da provisão contábil de R$ 3,383 bilhões referente à implementação em Alagoas do Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação, de ações para fechamento de determinados poços de sal da companhia e do Programa para Recuperação de Negócios e Promoção de Atividades Educacionais. Tudo isso combinado ao impacto negativo da depreciação do real frente ao dólar sobre a exposição líquida da companhia não designada para hedge accounting.

Os dados foram enviados na noite de sexta-feira à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) depois de a companhia ter adiado a divulgação dos resultados por duas vezes. De acordo com o relatório de resultados, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 1,047 bilhão no quarto trimestre, queda de 45% em relação a R$ 1,907 bilhão registrado entre outubro e dezembro de 2018. Em 2019, o Ebitda foi de R$ 7,840 bilhões, o que significa um recuo de 31% na comparação com 2018, quando chegou a R$ 11,315 bilhões.

O Ebitda recorrente em 2018 foi de R$ 5,936 bilhões, 46% inferior a 2018. Em dólar, o Ebitda recorrente da companhia foi de US$ 1,514 bilhão, 50% inferior a 2018 explicado, principalmente, pelos menores spreads no mercado internacional, resultado do menor crescimento global combinado com entradas de capacidades de PE (polietileno) nos Estados Unidos, PP (polipopileno) e novas refinarias na Ásia, compensados parcialmente pelo maior volume de vendas de PP nos Estados Unidos e de PE do México.

A receita líquida de vendas caiu 15% no quarto trimestre do ano passado, chegando a R$ 12,640 bilhões ante R$ 14,837 bilhões registrados no mesmo período do ano anterior. No ano, a receita líquida de vendas foi de R$ 52,324 bilhões, uma queda de 10% em relação aos R$ 58 bilhões registrados no mesmo período de 2018. Já o resultado financeiro entre outubro e dezembro de 2019 ficou negativo em R$ 872 milhões, ante R$ 1,091 bilhão negativo no mesmo período de 2018, o que representa uma queda de 20%. No ano, o resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 4,746 bilhões, queda de 2% na comparação com o resultado de R$ 4,651 bilhões registrado em 2018.

Ainda de acordo com os dados, a alavancagem corporativa, medida pela relação dívida líquida/EBITDA em dólares foi de 4,71x .

Em razão a pandemia do coronavírus, a Braskem informou, em fato relevante, que foi cancelada a realização da Assembleia Geral Ordinária (AGO) marcada para 20 de abril.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;