Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Empresas que tomarem crédito para pagar folha não poderão demitir por 2 meses

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/04/2020 | 20:12


As empresas que tomarem crédito para pagar a folha de pagamento não poderão demitir os funcionários por dois meses, disse o diretor de Regulação do Banco Central (BC), Otavio Damaso. O objetivo é manter a renda de cerca de 12 milhões de trabalhadores e apoiar pequenas e médias empresas.

Anunciado na semana passada, o programa de financiamento será lançado por meio de uma Medida Provisória que será assinada nesta sexta-feira, 3, pelo presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, os empregados não poderão ser demitidos até 60 dias após o recebimento do crédito pelas empresas.

Damaso disse que o crédito ficará aberto até 30 de junho e será operacionalizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que não receberá remuneração pela atividade.

O BC vai fiscalizar a aplicação dos recursos e o cumprimento do programa, disse o diretor. Caberá ao Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovar os procedimentos operacionais.

O secretário especial de Previdência, Bruno Bianco, disse que a linha de financiamento, juntamente com o auxílio emergencial e o programa emergencial para manutenção do emprego e da renda, faz parte de uma "caixa de ferramentas" à disposição de empregados e empregadores.

"A MP fecha o grupo de medidas que ajudam empregados e propiciam a manutenção dos empregos", afirmou.

As medidas poderão ser combinadas. Como exemplo, Bianco citou que uma empresa poderá reduzir salários e pagar o restante com a linha de crédito. Segundo ele, os setores têm lógicas distintas e, por isso, nem todos estão com redução de faturamento.

O secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura, Diogo Mac Cord, disse que o governo tem dialogado com o setor produtivo nas últimas semanas e já ouviu 150 associações e mais de mil sugestões.

Mac Cord destacou que a linha de crédito é um alento para o fluxo de caixa das empresas. Ele destacou que o governo lançou um site, chamado de "Vamos Vencer", com a lista de medidas anunciadas e à disposição das empresas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresas que tomarem crédito para pagar folha não poderão demitir por 2 meses


03/04/2020 | 20:12


As empresas que tomarem crédito para pagar a folha de pagamento não poderão demitir os funcionários por dois meses, disse o diretor de Regulação do Banco Central (BC), Otavio Damaso. O objetivo é manter a renda de cerca de 12 milhões de trabalhadores e apoiar pequenas e médias empresas.

Anunciado na semana passada, o programa de financiamento será lançado por meio de uma Medida Provisória que será assinada nesta sexta-feira, 3, pelo presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, os empregados não poderão ser demitidos até 60 dias após o recebimento do crédito pelas empresas.

Damaso disse que o crédito ficará aberto até 30 de junho e será operacionalizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que não receberá remuneração pela atividade.

O BC vai fiscalizar a aplicação dos recursos e o cumprimento do programa, disse o diretor. Caberá ao Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovar os procedimentos operacionais.

O secretário especial de Previdência, Bruno Bianco, disse que a linha de financiamento, juntamente com o auxílio emergencial e o programa emergencial para manutenção do emprego e da renda, faz parte de uma "caixa de ferramentas" à disposição de empregados e empregadores.

"A MP fecha o grupo de medidas que ajudam empregados e propiciam a manutenção dos empregos", afirmou.

As medidas poderão ser combinadas. Como exemplo, Bianco citou que uma empresa poderá reduzir salários e pagar o restante com a linha de crédito. Segundo ele, os setores têm lógicas distintas e, por isso, nem todos estão com redução de faturamento.

O secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura, Diogo Mac Cord, disse que o governo tem dialogado com o setor produtivo nas últimas semanas e já ouviu 150 associações e mais de mil sugestões.

Mac Cord destacou que a linha de crédito é um alento para o fluxo de caixa das empresas. Ele destacou que o governo lançou um site, chamado de "Vamos Vencer", com a lista de medidas anunciadas e à disposição das empresas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;