Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Superlotação agrava pandemia nas cadeias latinoamericanas



02/04/2020 | 07:00


Os governos da América Latina têm adotado medidas para frear a disseminação do novo coronavírus, mas é grande a dificuldade para conter esse avanço entre 1,6 milhão de pessoas que formam a população carcerária da região, segundo dados do World Prison Brief, plataforma do Instituto para a Investigação de Política Criminal e de Justiça (ICPR, na sigla em inglês).

Para evitar a disseminação da covid-19, a OMS recomenda o isolamento social, lavar bem as mãos com água e sabão ou usar álcool em gel - algo praticamente impossível para a população carcerária sem uma ação do Estado. Na semana passada, a alta-comissária da ONU para os direitos humanos, Michelle Bachelet, pediu aos governos que tomem medidas urgentes para proteger a saúde dos detentos.

"Os sistemas de saúde em centros penitenciários tendem a ter menos capacidade de resposta. Além disso, são lugares propícios à rápida disseminação de doenças. Por isso, manter o distanciamento social e ter água e elementos de higiene são os principais desafios", explica Alejandro Marambio Avaria, assessor regional para a América Latina em sistemas penitenciários do Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

Segundo estudo do World Prison Brief, a maior parte dos presos da América Latina se concentra no Brasil (773 mil) e no México (198 mil), os dois países da região cujos governos mais demoraram para agir contra o coronavírus.

A chegada do vírus nas penitenciárias é considerada mais preocupante em 11 dos 20 países da região, levando em conta uma superlotação das celas que passa de 100% da capacidade dos locais. Os países mais afetados são Haiti, El Salvador, Guatemala, Bolívia, Peru, Nicarágua, República Dominicana, Honduras, Brasil, Venezuela e Colômbia. "As pessoas enxergam a massa carcerária como se fosse homogênea, todos são pessoas más que precisam ser eliminadas da sociedade e isso permitiria a suspensão dos direitos humanos. Nos momentos de calamidade, esses grupos tendem a ser esquecidos. E estamos falando do direito à vida", diz o professor da ESPM Luiz Peres Neto, que estuda a área penal há 16 anos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Superlotação agrava pandemia nas cadeias latinoamericanas


02/04/2020 | 07:00


Os governos da América Latina têm adotado medidas para frear a disseminação do novo coronavírus, mas é grande a dificuldade para conter esse avanço entre 1,6 milhão de pessoas que formam a população carcerária da região, segundo dados do World Prison Brief, plataforma do Instituto para a Investigação de Política Criminal e de Justiça (ICPR, na sigla em inglês).

Para evitar a disseminação da covid-19, a OMS recomenda o isolamento social, lavar bem as mãos com água e sabão ou usar álcool em gel - algo praticamente impossível para a população carcerária sem uma ação do Estado. Na semana passada, a alta-comissária da ONU para os direitos humanos, Michelle Bachelet, pediu aos governos que tomem medidas urgentes para proteger a saúde dos detentos.

"Os sistemas de saúde em centros penitenciários tendem a ter menos capacidade de resposta. Além disso, são lugares propícios à rápida disseminação de doenças. Por isso, manter o distanciamento social e ter água e elementos de higiene são os principais desafios", explica Alejandro Marambio Avaria, assessor regional para a América Latina em sistemas penitenciários do Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

Segundo estudo do World Prison Brief, a maior parte dos presos da América Latina se concentra no Brasil (773 mil) e no México (198 mil), os dois países da região cujos governos mais demoraram para agir contra o coronavírus.

A chegada do vírus nas penitenciárias é considerada mais preocupante em 11 dos 20 países da região, levando em conta uma superlotação das celas que passa de 100% da capacidade dos locais. Os países mais afetados são Haiti, El Salvador, Guatemala, Bolívia, Peru, Nicarágua, República Dominicana, Honduras, Brasil, Venezuela e Colômbia. "As pessoas enxergam a massa carcerária como se fosse homogênea, todos são pessoas más que precisam ser eliminadas da sociedade e isso permitiria a suspensão dos direitos humanos. Nos momentos de calamidade, esses grupos tendem a ser esquecidos. E estamos falando do direito à vida", diz o professor da ESPM Luiz Peres Neto, que estuda a área penal há 16 anos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;