Fechar
Publicidade

Domingo, 31 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

PMI Industrial cai a 48,4 pontos em março e setor tem maior queda desde 2017



01/04/2020 | 10:33


O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) Industrial do Brasil recuou para 48,4 pontos em março ante 52,3 em fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira, 1º de abril, a IHS Markit. É a maior queda do desempenho do setor industrial desde fevereiro de 2017.

Como está abaixo da linha dos 50 pontos, o PMI Industrial de março indica piora na percepção das empresas com o ambiente de negócios na comparação com o mês anterior. O dado cruzou para a zona de pessimismo pela primeira vez desde junho de 2019 (49,9).

De acordo com a IHS Markit, o volume de trabalhos recebidos em março diminuiu com o ritmo mais rápido desde janeiro de 2017, com fechamento parcial de fábricas e queda acentuada da demanda levando a cancelamentos por parte de clientes.

"Os dados da pesquisa de março destacam a queda mais acentuada na produção industrial brasileira em quase dois anos, com a demanda caindo significativamente em meio a medidas de emergência no País e no exterior para deter a propagação da Covid-19", afirmou, em nota, o diretor da IHS Markit, Tim Moore.

As empresas do setor industrial mencionaram que os volumes de produção foram reduzidos em meio a uma demanda mais baixa por parte de clientes e os dados da pesquisa indicam queda acelerada nas exportações em março. Interrupções nas cadeias globais de fornecimento também levaram a um aumento de pedidos em atraso do setor industrial pela primeira vez desde a greve de caminhoneiros de 2018.

"Uma dificuldade adicional enfrentada pelos fabricantes no Brasil foi um aumento na inflação de custos, atribuído ao fortalecimento do dólar americano em março. A pressão intensa sobre as margens de lucro foi um fator que contribuiu para a diminuição de empregados, com a taxa de corte de empregos se revelando a mais rápida em pouco mais de três anos", completa Moore.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PMI Industrial cai a 48,4 pontos em março e setor tem maior queda desde 2017


01/04/2020 | 10:33


O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) Industrial do Brasil recuou para 48,4 pontos em março ante 52,3 em fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira, 1º de abril, a IHS Markit. É a maior queda do desempenho do setor industrial desde fevereiro de 2017.

Como está abaixo da linha dos 50 pontos, o PMI Industrial de março indica piora na percepção das empresas com o ambiente de negócios na comparação com o mês anterior. O dado cruzou para a zona de pessimismo pela primeira vez desde junho de 2019 (49,9).

De acordo com a IHS Markit, o volume de trabalhos recebidos em março diminuiu com o ritmo mais rápido desde janeiro de 2017, com fechamento parcial de fábricas e queda acentuada da demanda levando a cancelamentos por parte de clientes.

"Os dados da pesquisa de março destacam a queda mais acentuada na produção industrial brasileira em quase dois anos, com a demanda caindo significativamente em meio a medidas de emergência no País e no exterior para deter a propagação da Covid-19", afirmou, em nota, o diretor da IHS Markit, Tim Moore.

As empresas do setor industrial mencionaram que os volumes de produção foram reduzidos em meio a uma demanda mais baixa por parte de clientes e os dados da pesquisa indicam queda acelerada nas exportações em março. Interrupções nas cadeias globais de fornecimento também levaram a um aumento de pedidos em atraso do setor industrial pela primeira vez desde a greve de caminhoneiros de 2018.

"Uma dificuldade adicional enfrentada pelos fabricantes no Brasil foi um aumento na inflação de custos, atribuído ao fortalecimento do dólar americano em março. A pressão intensa sobre as margens de lucro foi um fator que contribuiu para a diminuição de empregados, com a taxa de corte de empregos se revelando a mais rápida em pouco mais de três anos", completa Moore.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;