Fechar
Publicidade

Domingo, 31 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Bolsonaro deve destacar fala de diretor da OMS em cadeia nacional de TV

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


31/03/2020 | 17:20


O presidente Jair Bolsonaro fará um novo pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV nesta terça-feira, 31, às 20h30. A previsão é de que a fala dure cerca de oito minutos e destaque trecho da entrevista do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, sobre a situação de trabalhadores informais durante a pandemia de coronavírus. A fala do dirigente, fora de contexto, foi citada pelo presidente nesta terça pela manhã, em entrevista em frente do Palácio da Alvorada e tem sido compartilhada por apoiadores nas redes sociais.

"Vocês viram o presidente (sic) da OMS ontem? Já que imprensa não divulga, que tal eu ocupar a rede nacional de rádio e TV hoje à noite para repetir o discurso?", afirmou Bolsonaro ao deixar a residência oficial. Será a quarto vez que Bolsonaro falará à Nação desde que os primeiros casos de coronavírus no País. Os anteriores ocorreram nos dias 6, 12 e 24 de março.

No discurso da semana passada, o presidente defendeu a "volta à normalidade" no País e criticou governadores que adotar medidas para reduzir a circulação de pessoas, como o fechamento de escolas, shoppings e comércio. O isolamento social é, segundo especialistas, a forma mais eficaz de se evitar a propagação da covid-19. Segundo o Ministério da Saúde, a doença havia matado 159 pessoas no País até esta segunda, 30.

Segundo Bolsonaro, o diretor-geral da OMS falou "praticamente" que os informais "têm que trabalhar" durante a crise causada pela pandemia do coronavírus, na mesma linha do que ele próprio tem defendido. O argumento do presidente é de que a crise econômica causada pelo confinamento em massa será mais prejudicial do que as mortes causadas pela doença. Diferentemente do que o Bolsonaro sugere, no entanto, Tedros não faz qualquer relação entre trabalho e medidas de isolamento.

Ao citar o discurso do diretor da OMS, o presidente não deu o contexto em que a declaração foi dada e omitiu trecho do discurso em que Tedros afirma que governos de todo o mundo precisam garantir assistência a pessoas mais vulneráveis e informar sobre a duração das medidas de restrição de movimentação das pessoas.

Tedros usou sua conta no Twitter para esclarecer o assunto na tarde desta terça-feira. "Pessoas sem renda regular ou qualquer reserva financeira merecem políticas sociais que lhes garantam dignidade e permitam a elas seguir as medidas de saúde pública contra covid-19 aconselhadas pelas autoridades médicas e a OMS."

Em suas entrevistas diárias, Tedros costuma reforçar a importância do isolamento social. Na de segunda-feira, 30, ele escolheu, como foco, a sobrecarga dos sistemas de saúde. A citação aos informais veio no fim de sua intervenção.

Pagamento a informais

O Congresso aprovou o pagamento de R$ 600 para os trabalhadores informais poderem ficar em casa nesse período de pico da doença. O valor foi negociado com o governo justamente para permitir que tenham renda no período de isolamento.

Trabalhadores formais, com carteira assinada, também terão compensação do governo, numa tentativa de evitar que empresas façam demissões em massa. As companhias poderão reduzir jornada e salários ou até suspender contratos. Em contrapartida, o governo vai abrir os cofres e pagar uma parte do seguro-desemprego a que esses trabalhadores teriam direito se fossem dispensados. O porcentual pode chegar a 100% da parcela nos casos de suspensão do contrato por até dois meses. O valor cheio do seguro-desemprego hoje vai de R$ 1.045 a R$ 1.813,03.

No plano de quarentena do Ministério da Saúde para abril, maio e junho está previsto, ainda, "suporte financeiro" para quem tem menos de 60 anos, mas precisa ficar em casa por apresentar doença crônica, além da contratação de trabalhadores informais para atuarem como "promotores da saúde", orientando pessoas na rua e ajudando na limpeza de superfícies.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsonaro deve destacar fala de diretor da OMS em cadeia nacional de TV


31/03/2020 | 17:20


O presidente Jair Bolsonaro fará um novo pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV nesta terça-feira, 31, às 20h30. A previsão é de que a fala dure cerca de oito minutos e destaque trecho da entrevista do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, sobre a situação de trabalhadores informais durante a pandemia de coronavírus. A fala do dirigente, fora de contexto, foi citada pelo presidente nesta terça pela manhã, em entrevista em frente do Palácio da Alvorada e tem sido compartilhada por apoiadores nas redes sociais.

"Vocês viram o presidente (sic) da OMS ontem? Já que imprensa não divulga, que tal eu ocupar a rede nacional de rádio e TV hoje à noite para repetir o discurso?", afirmou Bolsonaro ao deixar a residência oficial. Será a quarto vez que Bolsonaro falará à Nação desde que os primeiros casos de coronavírus no País. Os anteriores ocorreram nos dias 6, 12 e 24 de março.

No discurso da semana passada, o presidente defendeu a "volta à normalidade" no País e criticou governadores que adotar medidas para reduzir a circulação de pessoas, como o fechamento de escolas, shoppings e comércio. O isolamento social é, segundo especialistas, a forma mais eficaz de se evitar a propagação da covid-19. Segundo o Ministério da Saúde, a doença havia matado 159 pessoas no País até esta segunda, 30.

Segundo Bolsonaro, o diretor-geral da OMS falou "praticamente" que os informais "têm que trabalhar" durante a crise causada pela pandemia do coronavírus, na mesma linha do que ele próprio tem defendido. O argumento do presidente é de que a crise econômica causada pelo confinamento em massa será mais prejudicial do que as mortes causadas pela doença. Diferentemente do que o Bolsonaro sugere, no entanto, Tedros não faz qualquer relação entre trabalho e medidas de isolamento.

Ao citar o discurso do diretor da OMS, o presidente não deu o contexto em que a declaração foi dada e omitiu trecho do discurso em que Tedros afirma que governos de todo o mundo precisam garantir assistência a pessoas mais vulneráveis e informar sobre a duração das medidas de restrição de movimentação das pessoas.

Tedros usou sua conta no Twitter para esclarecer o assunto na tarde desta terça-feira. "Pessoas sem renda regular ou qualquer reserva financeira merecem políticas sociais que lhes garantam dignidade e permitam a elas seguir as medidas de saúde pública contra covid-19 aconselhadas pelas autoridades médicas e a OMS."

Em suas entrevistas diárias, Tedros costuma reforçar a importância do isolamento social. Na de segunda-feira, 30, ele escolheu, como foco, a sobrecarga dos sistemas de saúde. A citação aos informais veio no fim de sua intervenção.

Pagamento a informais

O Congresso aprovou o pagamento de R$ 600 para os trabalhadores informais poderem ficar em casa nesse período de pico da doença. O valor foi negociado com o governo justamente para permitir que tenham renda no período de isolamento.

Trabalhadores formais, com carteira assinada, também terão compensação do governo, numa tentativa de evitar que empresas façam demissões em massa. As companhias poderão reduzir jornada e salários ou até suspender contratos. Em contrapartida, o governo vai abrir os cofres e pagar uma parte do seguro-desemprego a que esses trabalhadores teriam direito se fossem dispensados. O porcentual pode chegar a 100% da parcela nos casos de suspensão do contrato por até dois meses. O valor cheio do seguro-desemprego hoje vai de R$ 1.045 a R$ 1.813,03.

No plano de quarentena do Ministério da Saúde para abril, maio e junho está previsto, ainda, "suporte financeiro" para quem tem menos de 60 anos, mas precisa ficar em casa por apresentar doença crônica, além da contratação de trabalhadores informais para atuarem como "promotores da saúde", orientando pessoas na rua e ajudando na limpeza de superfícies.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;