Fechar
Publicidade

Domingo, 31 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Portugal: ?o coronavírus não é imparável?



29/03/2020 | 09:15


Professor de epidemiologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Manuel Gomes assessora o governo de Portugal na resposta à epidemia do novo coronavírus. E alerta: "Na Itália, passamos de zero para dez mil casos num abrir e piscar de olhos."

Que lições podemos tirar?

Presentemente, o mundo é um laboratório epidemiológico ao vivo, onde ocorrem experiências que nos dão ensinamentos. Vemos que lidar com o mesmo fenômeno de forma diferente conduz a resultados diferentes. Num extremo, temos a China e a Coreia; no outro, parece estar o Irã. No meio, temos a Alemanha, a Espanha, a Itália, e muitos outros. Quando um país toma medidas proativas draconianas (China e, depois, a Coreia), é possível controlar a covid-19, mesmo quando o ponto de partida é muito mau e predomina a transmissão comunitária da doença. O vírus não é imparável quando a sociedade se mobiliza sob liderança forte.

E quando essas medidas não são adotadas?

Quando um país entra em negação, mais semana menos semana, perde-se o controle da situação, e as consequências são pesadas. De início, parece que o número de casos aumenta muito devagar, mas de repente dispara exponencialmente e torna-se imparável. No Irã, a situação está descontrolada e há pouca informação. A Itália aparenta ter estado toda a fase inicial da epidemia a reagir, em vez de tomar medidas proativas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Portugal: ?o coronavírus não é imparável?


29/03/2020 | 09:15


Professor de epidemiologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Manuel Gomes assessora o governo de Portugal na resposta à epidemia do novo coronavírus. E alerta: "Na Itália, passamos de zero para dez mil casos num abrir e piscar de olhos."

Que lições podemos tirar?

Presentemente, o mundo é um laboratório epidemiológico ao vivo, onde ocorrem experiências que nos dão ensinamentos. Vemos que lidar com o mesmo fenômeno de forma diferente conduz a resultados diferentes. Num extremo, temos a China e a Coreia; no outro, parece estar o Irã. No meio, temos a Alemanha, a Espanha, a Itália, e muitos outros. Quando um país toma medidas proativas draconianas (China e, depois, a Coreia), é possível controlar a covid-19, mesmo quando o ponto de partida é muito mau e predomina a transmissão comunitária da doença. O vírus não é imparável quando a sociedade se mobiliza sob liderança forte.

E quando essas medidas não são adotadas?

Quando um país entra em negação, mais semana menos semana, perde-se o controle da situação, e as consequências são pesadas. De início, parece que o número de casos aumenta muito devagar, mas de repente dispara exponencialmente e torna-se imparável. No Irã, a situação está descontrolada e há pouca informação. A Itália aparenta ter estado toda a fase inicial da epidemia a reagir, em vez de tomar medidas proativas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;