Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Maduro recomenda mistura de ervas com mel e limão para combater coronavírus



26/03/2020 | 08:17


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, recomendou ao povo venezuelano um suposto antídoto para o coronavírus. Nesta quarta-feira, 25, o líder chavista usou sua conta no Twitter para indicar uma mistura de ervas como uma forma eficaz no combate ao vírus. A rede social apagou a mensagem momentos após a publicação.

No texto, Maduro disse ter recebido alguns artigos "do renomado cientista venezuelano Sirio Quintero" sobre o covid-19 e compartilhou três documentos com os tais estudos desenvolvidos no país. Um dos documentos apresentava como antídoto uma mistura contendo capim-santo, gengibre, sabugueiro, pimenta do reino, limão e mel de abelha.

Logo após a publicação, a rede social apagou a mensagem do presidente. O Twitter adotou novas regras frente a pandemia de coronavírus, prevendo cláusulas sobre disseminação de conteúdos enganosos sobre o Covid-19. Autoridades políticas brasileiras, como o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tiveram conteúdos removidos pela rede por infringir a mesma normativa.

O avanço do coronavírus na Venezuela tem preocupado autoridades locais e órgãos mundiais. No começo da semana, o país havia confirmado 70 casos da doença em duas semanas, um número baixo, mas que desperta o medo nos médicos, para quem o governo do presidente Nicolás Maduro estaria despreparado para lidar com uma pandemia.

Segundo pesquisa feita entre novembro de 2018 e setembro de 2019, em 104 hospitais de 22 Estados venezuelanos, no ano passado, ao menos 70% dos hospitais tiveram fornecimento de água apenas uma ou duas vezes por semana e 63% reportaram falta de energia elétrica, sendo que 164 mortes foram atribuídas a esses problemas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Maduro recomenda mistura de ervas com mel e limão para combater coronavírus


26/03/2020 | 08:17


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, recomendou ao povo venezuelano um suposto antídoto para o coronavírus. Nesta quarta-feira, 25, o líder chavista usou sua conta no Twitter para indicar uma mistura de ervas como uma forma eficaz no combate ao vírus. A rede social apagou a mensagem momentos após a publicação.

No texto, Maduro disse ter recebido alguns artigos "do renomado cientista venezuelano Sirio Quintero" sobre o covid-19 e compartilhou três documentos com os tais estudos desenvolvidos no país. Um dos documentos apresentava como antídoto uma mistura contendo capim-santo, gengibre, sabugueiro, pimenta do reino, limão e mel de abelha.

Logo após a publicação, a rede social apagou a mensagem do presidente. O Twitter adotou novas regras frente a pandemia de coronavírus, prevendo cláusulas sobre disseminação de conteúdos enganosos sobre o Covid-19. Autoridades políticas brasileiras, como o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tiveram conteúdos removidos pela rede por infringir a mesma normativa.

O avanço do coronavírus na Venezuela tem preocupado autoridades locais e órgãos mundiais. No começo da semana, o país havia confirmado 70 casos da doença em duas semanas, um número baixo, mas que desperta o medo nos médicos, para quem o governo do presidente Nicolás Maduro estaria despreparado para lidar com uma pandemia.

Segundo pesquisa feita entre novembro de 2018 e setembro de 2019, em 104 hospitais de 22 Estados venezuelanos, no ano passado, ao menos 70% dos hospitais tiveram fornecimento de água apenas uma ou duas vezes por semana e 63% reportaram falta de energia elétrica, sendo que 164 mortes foram atribuídas a esses problemas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;