Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 30 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Coronavírus é mais letal do que a H1N1

Dados da OMS e especialista revelam a grande mortalidade relacionada à Covid-19


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

26/03/2020 | 00:01


Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) e de outros órgãos internacionais apontam que o novo coronavírus matou, até o fechamento desta edição, 20.912 pessoas pelo mundo, em três meses desde o registro do primeiro óbito – são 463.387 casos confirmados, sendo 328.673 ativos e 113.802 recuperados. Assim, a doença já ultrapassou os números da pandemia do H1N1 (Influenza A), que ocorreu de abril de 2009 a agosto de 2010 e vitimou 18.449 em todo planeta (2.160 apenas no Brasil). Em 2019, mesmo já fazendo parte da composição da vacina da gripe, o H1N1 ainda matou 796 no País.

De acordo com o infectologista e professor do curso de medicina da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Fabio Leal, comparar Covid-19 e H1N1 não é simples. “Existem vários fatores que devem ser levados em consideração. Mas o mais importante a considerar é que o coronavírus se propaga e se transmite com mais facilidade do que o vírus da Influenza, da gripe, e tem, aparentemente, taxa de mortalidade um pouco mais alta. Como infecta número maior de pessoas pela facilidade de transmissão, o número absoluto de mortes vai ser significativamente maior. Então não vai ser nenhuma surpresa que isso aconteça”, disse o especialista.

Segundo Fabio Leal, os dados até aqui comprovam “que o novo coronavírus é mais letal” do que a H1N1. “Os números mostram que uma porcentagem maior dos pacientes morre. As estimativas é que pode variar de um pouco menos de 1% até 8% em alguns locais, enquanto a Influenza tem taxa aproximada de 0,1% de mortalidade.”

O médico e infectologista afirmou que, enquanto não há cura para o novo coronavírus, só existem dois métodos eficazes. “Para se mudar este cenário, infelizmente, as ferramentas que temos hoje são o distanciamento social, o isolamento, e a testagem precoce para fazer o bloqueio de novos focos de transmissão. Enquanto isso, existem diversos laboratórios e muitos governos trabalhando em cima de desenvolvimento de vacina e definição de eficácia de medicação existente ou nova medicação que possa tratar a doença e diminuir a mortalidade”, disse.

Fabio Leal preferiu deixar uma resposta ao pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para “esferas políticas responsáveis”, mas reafirmou o compromisso da classe. “Nós, profissionais médicos e técnicos da área, estamos nos concentrando e esforçando para conter essa epidemia e diminuir o quanto for possível o sofrimento da população, o número de mortes, com as medidas comprovadamente eficazes por estudos científicos.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Coronavírus é mais letal do que a H1N1

Dados da OMS e especialista revelam a grande mortalidade relacionada à Covid-19

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

26/03/2020 | 00:01


Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) e de outros órgãos internacionais apontam que o novo coronavírus matou, até o fechamento desta edição, 20.912 pessoas pelo mundo, em três meses desde o registro do primeiro óbito – são 463.387 casos confirmados, sendo 328.673 ativos e 113.802 recuperados. Assim, a doença já ultrapassou os números da pandemia do H1N1 (Influenza A), que ocorreu de abril de 2009 a agosto de 2010 e vitimou 18.449 em todo planeta (2.160 apenas no Brasil). Em 2019, mesmo já fazendo parte da composição da vacina da gripe, o H1N1 ainda matou 796 no País.

De acordo com o infectologista e professor do curso de medicina da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Fabio Leal, comparar Covid-19 e H1N1 não é simples. “Existem vários fatores que devem ser levados em consideração. Mas o mais importante a considerar é que o coronavírus se propaga e se transmite com mais facilidade do que o vírus da Influenza, da gripe, e tem, aparentemente, taxa de mortalidade um pouco mais alta. Como infecta número maior de pessoas pela facilidade de transmissão, o número absoluto de mortes vai ser significativamente maior. Então não vai ser nenhuma surpresa que isso aconteça”, disse o especialista.

Segundo Fabio Leal, os dados até aqui comprovam “que o novo coronavírus é mais letal” do que a H1N1. “Os números mostram que uma porcentagem maior dos pacientes morre. As estimativas é que pode variar de um pouco menos de 1% até 8% em alguns locais, enquanto a Influenza tem taxa aproximada de 0,1% de mortalidade.”

O médico e infectologista afirmou que, enquanto não há cura para o novo coronavírus, só existem dois métodos eficazes. “Para se mudar este cenário, infelizmente, as ferramentas que temos hoje são o distanciamento social, o isolamento, e a testagem precoce para fazer o bloqueio de novos focos de transmissão. Enquanto isso, existem diversos laboratórios e muitos governos trabalhando em cima de desenvolvimento de vacina e definição de eficácia de medicação existente ou nova medicação que possa tratar a doença e diminuir a mortalidade”, disse.

Fabio Leal preferiu deixar uma resposta ao pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para “esferas políticas responsáveis”, mas reafirmou o compromisso da classe. “Nós, profissionais médicos e técnicos da área, estamos nos concentrando e esforçando para conter essa epidemia e diminuir o quanto for possível o sofrimento da população, o número de mortes, com as medidas comprovadamente eficazes por estudos científicos.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;