Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vitória do bom senso


Do Diário do Grande ABC

24/03/2020 | 23:59


Está recheada de bom senso a manifestação da segunda instância da Justiça paulista que reconsidera decisão da juíza Julia Gonçalves Cardoso de rejeitar acordo de manter a FUABC (Fundação do ABC) na gestão dos equipamentos de saúde de Mauá por até dois anos. O despacho dado ontem pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) assegura, ainda que liminarmente, a normalidade no sistema sanitário mauaense em época extremamente sensível. No momento em que a pandemia de coronavírus ameaça o bem-estar da população, não seria adequado promover mudança tão drástica no setor.

O acordo promovido entre o prefeito Atila Jacomussi (PSB) e a FUABC, por meio da presidente Adriana Berringer Stephan, representou passo decisivo para pôr fim à insegurança que rondava a prestação dos serviços de saúde em Mauá fazia já bom tempo. As bênçãos do promotor de Justiça José Luiz Saikali, que ratificou o entendimento, conferiu a lisura que a sociedade esperava. E quando tudo parecia caminhar para bom termo, eis que decisão judicial de primeira instância impediu a homologação dos termos.

Não se questionam, evidentemente, as razões que levaram a juíza da 3ª Vara Cível de Mauá a tomar a medida. Ela certamente as tem. Mas é preciso alertar sobre as consequências de pôr em xeque o atendimento gratuito aos mauaenses exatamente no período mais delicado da pandemia que se espalha pelo mundo – e já chegou ao Grande ABC, cujas autoridades sanitárias investigam até o momento dez mortes suspeitas de terem sido causadas pela Covid-19.

Por isso, é extremamente bem-vinda a reconsideração determinada pela 3ª Câmara de Direito Público do TJ-SP. Com isso, o prefeito e a direção da FUABC ganham o tempo necessário para trabalhar no que realmente importa: a contenção do vírus. O momento é de junção de esforços para evitar que o Brasil, em geral, e as sete cidades, em particular, sofram efeitos idênticos aos experimentados por nações mais desenvolvidas, como Itália e Espanha. Que nada os impeça. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;