Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Cuidados com pessoas deficientes devem ser redobrados

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Restrição de contato social e atenção especial com higiene dentro de casa são medidas já adotadas por famílias


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

20/03/2020 | 13:13


Entre as pessoas do grupo de risco diante ao novo coronavírus (Covid-19), que se destacam as que possuem restrições respiratórias, com condições autoimunes, pessoas idosas – acima de 60 anos -, que tenham doenças associadas como diabetes, hipertensão arterial, doenças do coração, pulmão e rim ou em tratamento de câncer, as pessoas que possuem alguma deficiência também precisam, e devem, receber um cuidado redobrado diante da pandemia.

Além disso, as pessoas com síndrome de down também devem seguir restrições para não contrair a doença. Amanhã, que inclusive é o Dia Internacional da Síndrome de Down, é fundamental os cuidados e atenção com essas pessoas.

Segundo a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, no grupo de risco, algumas medidas como o distanciamento social e isolamento pessoal são impossíveis para quem requer apoio diário, principalmente, com as crianças. Para este público os cuidados são reforçados com a higiene das mães com sabonete e álcool gel, etiqueta respiratória – como cobrir a boca e nariz com um lenço de papel ao espirrar -, evitar tocar nos olhos, nariz e boca sem ter higienizado as mãos, evitar aglomeração e atividades em grupo.

Na casa da empresária, Kátia Vasques, 43 anos, esses cuidados já começaram. Kátia cuida de sua filha, Manuela Silva Vasques, 7 anos, com síndrome de down e destaca que Manuela só sai de casa com extrema urgência. “Inclusive, na semana passada, ela (Manuela) estava com febre e diarreia, mas preferi cuidar dela de casa. Além disso, meu marido trabalha fora e com o público, com isso, todos os dias eu troco as toalhas de rosto dos banheiros e ele faça higienização antes de entrar em casa”, comenta. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cuidados com pessoas deficientes devem ser redobrados

Restrição de contato social e atenção especial com higiene dentro de casa são medidas já adotadas por famílias

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

20/03/2020 | 13:13


Entre as pessoas do grupo de risco diante ao novo coronavírus (Covid-19), que se destacam as que possuem restrições respiratórias, com condições autoimunes, pessoas idosas – acima de 60 anos -, que tenham doenças associadas como diabetes, hipertensão arterial, doenças do coração, pulmão e rim ou em tratamento de câncer, as pessoas que possuem alguma deficiência também precisam, e devem, receber um cuidado redobrado diante da pandemia.

Além disso, as pessoas com síndrome de down também devem seguir restrições para não contrair a doença. Amanhã, que inclusive é o Dia Internacional da Síndrome de Down, é fundamental os cuidados e atenção com essas pessoas.

Segundo a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, no grupo de risco, algumas medidas como o distanciamento social e isolamento pessoal são impossíveis para quem requer apoio diário, principalmente, com as crianças. Para este público os cuidados são reforçados com a higiene das mães com sabonete e álcool gel, etiqueta respiratória – como cobrir a boca e nariz com um lenço de papel ao espirrar -, evitar tocar nos olhos, nariz e boca sem ter higienizado as mãos, evitar aglomeração e atividades em grupo.

Na casa da empresária, Kátia Vasques, 43 anos, esses cuidados já começaram. Kátia cuida de sua filha, Manuela Silva Vasques, 7 anos, com síndrome de down e destaca que Manuela só sai de casa com extrema urgência. “Inclusive, na semana passada, ela (Manuela) estava com febre e diarreia, mas preferi cuidar dela de casa. Além disso, meu marido trabalha fora e com o público, com isso, todos os dias eu troco as toalhas de rosto dos banheiros e ele faça higienização antes de entrar em casa”, comenta. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;