Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

‘A Turma do Gueto’ ganha nova fase


Rodrigo Teixeira
Da TV Press

07/07/2003 | 18:30


De um lado, um professor do bem. Do outro, um traficante personificando o mal. É desta maneira maniqueísta que se desenrola a terceira fase do seriado Turma do Gueto, da Record. Com personagens bem definidos, novos atores no elenco e uma trama com uma linguagem sem rodeios, a produção continua mantendo uma excelente audiência nas noites de segunda-feira. Com média de 10 pontos e chegando a picos de 13, Turma do Gueto não raramente fica em segundo na audiência entre 22h30 e 23h30. Não esmoreceu nem com a saída de Netinho de Paula, que vivia o professor Ricardo. Verdade seja dita: Lui Mendes está cumprindo bem o papel e apresentando uma performance excelente como novo protagonista da série.

Isto porque Mendes é incomparavelmente melhor ator do que Netinho, que se mostrava pouco natural em frente as câmaras. Já o novo protagonista aprofunda o drama de Luís Felipe, um professor que chega para dar aula na comunidade e encontra uma realidade de pobreza e violência. É claro que o personagem lembra o de Sidney Poitier em Ao Mestre com Carinho, também um professor negro que precisa manter a ordem e o respeito dos alunos de uma escola pública do subúrbio de Londres. Mas mesmo sendo pouco original, Mendes consegue se destacar com o personagem, até porque o ator já tem experiência em minisséries como A Justiceira, Memorial de Maria Moura e Sex Appeal, além das novelas Corpo Dourado, Xica da Silva e A Próxima Vítima, todas produções globais, à exceção de Xica, da Manchete.

A grata surpresa entre os novos personagens, no entanto, é mesmo a atriz Fânia Espinosa. Ela interpreta a policial Marina Monteiro, que se infiltra com Diana Ramirez na gangue do traficante Jamanta, vivido por Nill Marcondes, para tentar desbaratar a quadrilha. A inclusão da personagem, na verdade, dá agilidade à trama, pois cria uma expectativa para saber até quando ela conseguirá enrolar o mulherengo Jamanta. O melhor é que Marina acaba sendo a opção para o bom ator Nill Marcondes bater bola. Isto porque ele está rodeado de atores primários em seu núcleo. Na verdade, este é um dos pontos que o seriado ainda não acertou, pois o elenco ainda está longe de ser nivelado. Com isso, principalmente os personagens secundários acabam prejudicando o desempenho dos atores bons do elenco.

Mas outro acerto desta nova temporada é a inclusão do humor através da personagem Gardênia, vivida por Paixão de Jesus. A atriz está bem no papel de uma senhora assanhada que volta para a comunidade após 10 anos trabalhando com um casal endinheirado de Miami. E as investidas da personagem em cima de Eliezer, interpretado por André Ricardo. Mais do que arejar a trama, a relação entre os dois personagens pode atrair um público de meia-idade. O mesmo acontece com a nova diretora Suzana, vivida pela bela Paula Melissa. A personagem abre a possibilidade para que novas relações amorosas aconteçam e reforça a tendência de incluir mais pessoas brancas no elenco para balancear com a maioria dos atores negros do seriado.

Um dos pontos fracos do Turma do Gueto são as cenas de ação. As perseguições, tiros, brigas e mortes ainda pecam pelo primarismo e estão longe de parecer coerentes. Nestas ocasiões, os revólveres soltam uma fumaça muito artificial quando os atores dão tiros e o impacto das balas nas pessoas também não convence. Além disso, tirando Marcondes, a maioria dos atores não mostra naturalidade em manusear armas de fogo. O seriado também começa a descambar para um lado mais didático que não existia antes. Agora, uma professora de música orienta a classe do Colégio Quilombo dos Palmares sobre os vários ritmos que existem e não só o rap e o samba, como anteriormente. Colada na realidade, a trama ainda acerta ao mostrar os reflexos de quem usa crack, uma droga barata que vicia rapidamente.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

‘A Turma do Gueto’ ganha nova fase

Rodrigo Teixeira
Da TV Press

07/07/2003 | 18:30


De um lado, um professor do bem. Do outro, um traficante personificando o mal. É desta maneira maniqueísta que se desenrola a terceira fase do seriado Turma do Gueto, da Record. Com personagens bem definidos, novos atores no elenco e uma trama com uma linguagem sem rodeios, a produção continua mantendo uma excelente audiência nas noites de segunda-feira. Com média de 10 pontos e chegando a picos de 13, Turma do Gueto não raramente fica em segundo na audiência entre 22h30 e 23h30. Não esmoreceu nem com a saída de Netinho de Paula, que vivia o professor Ricardo. Verdade seja dita: Lui Mendes está cumprindo bem o papel e apresentando uma performance excelente como novo protagonista da série.

Isto porque Mendes é incomparavelmente melhor ator do que Netinho, que se mostrava pouco natural em frente as câmaras. Já o novo protagonista aprofunda o drama de Luís Felipe, um professor que chega para dar aula na comunidade e encontra uma realidade de pobreza e violência. É claro que o personagem lembra o de Sidney Poitier em Ao Mestre com Carinho, também um professor negro que precisa manter a ordem e o respeito dos alunos de uma escola pública do subúrbio de Londres. Mas mesmo sendo pouco original, Mendes consegue se destacar com o personagem, até porque o ator já tem experiência em minisséries como A Justiceira, Memorial de Maria Moura e Sex Appeal, além das novelas Corpo Dourado, Xica da Silva e A Próxima Vítima, todas produções globais, à exceção de Xica, da Manchete.

A grata surpresa entre os novos personagens, no entanto, é mesmo a atriz Fânia Espinosa. Ela interpreta a policial Marina Monteiro, que se infiltra com Diana Ramirez na gangue do traficante Jamanta, vivido por Nill Marcondes, para tentar desbaratar a quadrilha. A inclusão da personagem, na verdade, dá agilidade à trama, pois cria uma expectativa para saber até quando ela conseguirá enrolar o mulherengo Jamanta. O melhor é que Marina acaba sendo a opção para o bom ator Nill Marcondes bater bola. Isto porque ele está rodeado de atores primários em seu núcleo. Na verdade, este é um dos pontos que o seriado ainda não acertou, pois o elenco ainda está longe de ser nivelado. Com isso, principalmente os personagens secundários acabam prejudicando o desempenho dos atores bons do elenco.

Mas outro acerto desta nova temporada é a inclusão do humor através da personagem Gardênia, vivida por Paixão de Jesus. A atriz está bem no papel de uma senhora assanhada que volta para a comunidade após 10 anos trabalhando com um casal endinheirado de Miami. E as investidas da personagem em cima de Eliezer, interpretado por André Ricardo. Mais do que arejar a trama, a relação entre os dois personagens pode atrair um público de meia-idade. O mesmo acontece com a nova diretora Suzana, vivida pela bela Paula Melissa. A personagem abre a possibilidade para que novas relações amorosas aconteçam e reforça a tendência de incluir mais pessoas brancas no elenco para balancear com a maioria dos atores negros do seriado.

Um dos pontos fracos do Turma do Gueto são as cenas de ação. As perseguições, tiros, brigas e mortes ainda pecam pelo primarismo e estão longe de parecer coerentes. Nestas ocasiões, os revólveres soltam uma fumaça muito artificial quando os atores dão tiros e o impacto das balas nas pessoas também não convence. Além disso, tirando Marcondes, a maioria dos atores não mostra naturalidade em manusear armas de fogo. O seriado também começa a descambar para um lado mais didático que não existia antes. Agora, uma professora de música orienta a classe do Colégio Quilombo dos Palmares sobre os vários ritmos que existem e não só o rap e o samba, como anteriormente. Colada na realidade, a trama ainda acerta ao mostrar os reflexos de quem usa crack, uma droga barata que vicia rapidamente.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;