Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Johnson ameaça romper diálogo com União Europeia

Andrew Parsons / No10 Downing Street/Fotos Públicas  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

De acordo com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, o diálogo será encerrado se não houver um progresso rápido



28/02/2020 | 08:51


O governo do Reino Unido disse nesta quinta-feira (27)  que analisa a possibilidade de se retirar das negociações comerciais com a União Europeia em junho, seis meses antes do prazo preestabelecido. De acordo com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, o diálogo será encerrado se não houver um progresso rápido.

A publicação do mandato de negociação britânico confirmou as divergências entre Londres e Bruxelas antes mesmo do início da nova rodada de negociações, prevista para segunda-feira. O diálogo deveria seguir até dezembro. No entanto, Johnson espera que pelo menos as linhas gerais de um acordo sejam traçadas até junho.

A ilha britânica e o continente europeu estão distantes em dois pontos do acordo. Primeiro, o grau de regulação dos mercados. Enquanto os britânicos pretendem manter autonomia para decidir suas regras, os europeus exigem algum tipo de alinhamento com os padrões do bloco. A segunda questão é o papel da Corte Europeia de Justiça. A União Europeia defende alguma influência do órgão, enquanto Johnson quer se ver livre de suas decisões.

De acordo com o governo britânico, caso não ocorram avanços significativos, "o Reino Unido terá de decidir se a atenção deve ser desviada das negociações e estar centrada na continuação dos preparativos para romper bruscamente os laços com a UE no dia 31 de dezembro".

A exigência dos britânicos ocorre dias depois de a União Europeia alertar que o processo de negociações seria "muito difícil", com chances de fracassar, caso Londres não garanta a fronteira irlandesa, conforme acordo anterior.

Nova polêmica

Ainda como efeito do Brexit, em período de transição até o dia 31 de dezembro de 2020, o Reino Unido anunciou que deverá abandonar uma ferramenta crucial usada para acelerar a transferência de criminosos através das fronteiras com outros países europeus. O governo declarou que não deverá participar do mandado de captura europeu (MDE) como parte do futuro relacionamento com a União Europeia.

Em um documento que estabelece a abordagem do Reino Unido às negociações com a UE, Londres anunciou: "O acordo deveria prever mandados de extradição rápidos, com base no acordo de rendição da UE com a Noruega e a Islândia, que entrou em vigor em 2019, mas com salvaguardas adicionais apropriadas para indivíduos além daqueles no mandado de captura europeu". (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Johnson ameaça romper diálogo com União Europeia

De acordo com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, o diálogo será encerrado se não houver um progresso rápido


28/02/2020 | 08:51


O governo do Reino Unido disse nesta quinta-feira (27)  que analisa a possibilidade de se retirar das negociações comerciais com a União Europeia em junho, seis meses antes do prazo preestabelecido. De acordo com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, o diálogo será encerrado se não houver um progresso rápido.

A publicação do mandato de negociação britânico confirmou as divergências entre Londres e Bruxelas antes mesmo do início da nova rodada de negociações, prevista para segunda-feira. O diálogo deveria seguir até dezembro. No entanto, Johnson espera que pelo menos as linhas gerais de um acordo sejam traçadas até junho.

A ilha britânica e o continente europeu estão distantes em dois pontos do acordo. Primeiro, o grau de regulação dos mercados. Enquanto os britânicos pretendem manter autonomia para decidir suas regras, os europeus exigem algum tipo de alinhamento com os padrões do bloco. A segunda questão é o papel da Corte Europeia de Justiça. A União Europeia defende alguma influência do órgão, enquanto Johnson quer se ver livre de suas decisões.

De acordo com o governo britânico, caso não ocorram avanços significativos, "o Reino Unido terá de decidir se a atenção deve ser desviada das negociações e estar centrada na continuação dos preparativos para romper bruscamente os laços com a UE no dia 31 de dezembro".

A exigência dos britânicos ocorre dias depois de a União Europeia alertar que o processo de negociações seria "muito difícil", com chances de fracassar, caso Londres não garanta a fronteira irlandesa, conforme acordo anterior.

Nova polêmica

Ainda como efeito do Brexit, em período de transição até o dia 31 de dezembro de 2020, o Reino Unido anunciou que deverá abandonar uma ferramenta crucial usada para acelerar a transferência de criminosos através das fronteiras com outros países europeus. O governo declarou que não deverá participar do mandado de captura europeu (MDE) como parte do futuro relacionamento com a União Europeia.

Em um documento que estabelece a abordagem do Reino Unido às negociações com a UE, Londres anunciou: "O acordo deveria prever mandados de extradição rápidos, com base no acordo de rendição da UE com a Noruega e a Islândia, que entrou em vigor em 2019, mas com salvaguardas adicionais apropriadas para indivíduos além daqueles no mandado de captura europeu". (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;