Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cade aprova negócio da Brink's, mas proíbe empresa de fazer aquisições por 3 anos



19/02/2020 | 13:31


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, com restrições, a compra pela Brink's da transportadora de valores Tecnoguarda, que atua nos Estados de Goiás e Mato Grosso. Para dar o aval à operação, porém, o conselho firmou um acordo com as empresas que prevê que a Brink's não poderá adquirir novas empresas neste setor por três anos em todo o País.

O julgamento foi apertado e duas conselheiras votaram pela reprovação do negócio. No ano passado, o Cade já havia imposto restrição semelhante à Prosegur.

Na ocasião, o órgão aprovou a compra da Transvip, mas também determinou que a Prosegur não poderá comprar novas transportadoras por três anos.

Clientes

Usuários de transporte de valores têm relatado ao Cade dificuldades de contratar e postura coordenada das empresas líderes do setor, entre elas a Brink's e a Prosegur.

Em ofícios enviados ao Cade em diferentes processos, empresas como TecBan, que é dona do Banco24horas, McDonald's, Magazine Luiza e Drogasil relataram barreiras para contratar transportadoras concorrentes e denunciaram existir uma postura de não concorrência entre as três maiores - o que caracterizaria um cartel.

"Há fortes indícios de coordenação, que não podem mais ser ignorados pelo Cade", disse o advogado da TecBan, José DelChiaro, no julgamento desta quarta-feira.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cade aprova negócio da Brink's, mas proíbe empresa de fazer aquisições por 3 anos


19/02/2020 | 13:31


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, com restrições, a compra pela Brink's da transportadora de valores Tecnoguarda, que atua nos Estados de Goiás e Mato Grosso. Para dar o aval à operação, porém, o conselho firmou um acordo com as empresas que prevê que a Brink's não poderá adquirir novas empresas neste setor por três anos em todo o País.

O julgamento foi apertado e duas conselheiras votaram pela reprovação do negócio. No ano passado, o Cade já havia imposto restrição semelhante à Prosegur.

Na ocasião, o órgão aprovou a compra da Transvip, mas também determinou que a Prosegur não poderá comprar novas transportadoras por três anos.

Clientes

Usuários de transporte de valores têm relatado ao Cade dificuldades de contratar e postura coordenada das empresas líderes do setor, entre elas a Brink's e a Prosegur.

Em ofícios enviados ao Cade em diferentes processos, empresas como TecBan, que é dona do Banco24horas, McDonald's, Magazine Luiza e Drogasil relataram barreiras para contratar transportadoras concorrentes e denunciaram existir uma postura de não concorrência entre as três maiores - o que caracterizaria um cartel.

"Há fortes indícios de coordenação, que não podem mais ser ignorados pelo Cade", disse o advogado da TecBan, José DelChiaro, no julgamento desta quarta-feira.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;