Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Horta comunitária é ameaçada pela Enel

Moradores alegam que empresa ignora acordo feito com a Eletropaulo há 20 anos e destrói plantação


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

18/02/2020 | 00:01


A horta urbana localizada na Avenida Cláudia, entre os números 18 e 74, no bairro dos Casa, em São Bernardo, está ameaçada pela Enel Distribuição São Paulo. Segundo moradores do bairro, a empresa ignora acordo feito entre a comunidade e a Eletropaulo há cerca de 20 anos – que autoriza o uso do espaço privado para o plantio de hortaliças – e, há cerca de uma semana, vem destruindo a plantação.

Mais da metade dos alimentos plantados na área, de 40 metros de comprimento, foi removida pela Enel, segundo a população. Um dos responsáveis pela horta, o eletricista Raimundo Souza, 51 anos, comenta que o local não é um ponto de venda dos alimentos e sim de troca ou doações entre vizinhos. “Cada morador fica com uma parte da horta para plantar e cuidar. Lamentamos muito pelo que aconteceu. Antes da nossa horta, esse espaço era um lixão e conseguimos transformar em algo que beneficia muitas pessoas”, lamenta.

Souza também lembra que, logo no início do projeto da horta comunitária, os moradores tiveram autorização da Eletropaulo para usar o terreno. “A única exigência era a plantação ter menos de dois metros de altura. Seguimos essa exigência. Nunca imaginamos que isso poderia dar problema”, observa. 

Os munícipes temem que o local volte a ser ponto de descarte de lixo e entulho. “O pessoal está lutando para que o resto da horta não seja removido”, comenta a aposentada Leila Maria de Jesus, 80. 

De acordo com os relatos da comunidade, a Enel justificou aos munícipes que a remoção dos alimentos foi motivada por conta de um muro que estava tombado em um trecho da horta. Ao Diário, a empresa disse que a remoção do muro se deu por “motivos de segurança” e que a a horta é irregular, já que “não há contrato de comodato para qualquer tipo de plantação no local”.

A Prefeitura de São Bernardo informou que não foi notificada sobre o caso, uma vez que atua apenas no acompanhamento social destes espaços.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Horta comunitária é ameaçada pela Enel

Moradores alegam que empresa ignora acordo feito com a Eletropaulo há 20 anos e destrói plantação

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

18/02/2020 | 00:01


A horta urbana localizada na Avenida Cláudia, entre os números 18 e 74, no bairro dos Casa, em São Bernardo, está ameaçada pela Enel Distribuição São Paulo. Segundo moradores do bairro, a empresa ignora acordo feito entre a comunidade e a Eletropaulo há cerca de 20 anos – que autoriza o uso do espaço privado para o plantio de hortaliças – e, há cerca de uma semana, vem destruindo a plantação.

Mais da metade dos alimentos plantados na área, de 40 metros de comprimento, foi removida pela Enel, segundo a população. Um dos responsáveis pela horta, o eletricista Raimundo Souza, 51 anos, comenta que o local não é um ponto de venda dos alimentos e sim de troca ou doações entre vizinhos. “Cada morador fica com uma parte da horta para plantar e cuidar. Lamentamos muito pelo que aconteceu. Antes da nossa horta, esse espaço era um lixão e conseguimos transformar em algo que beneficia muitas pessoas”, lamenta.

Souza também lembra que, logo no início do projeto da horta comunitária, os moradores tiveram autorização da Eletropaulo para usar o terreno. “A única exigência era a plantação ter menos de dois metros de altura. Seguimos essa exigência. Nunca imaginamos que isso poderia dar problema”, observa. 

Os munícipes temem que o local volte a ser ponto de descarte de lixo e entulho. “O pessoal está lutando para que o resto da horta não seja removido”, comenta a aposentada Leila Maria de Jesus, 80. 

De acordo com os relatos da comunidade, a Enel justificou aos munícipes que a remoção dos alimentos foi motivada por conta de um muro que estava tombado em um trecho da horta. Ao Diário, a empresa disse que a remoção do muro se deu por “motivos de segurança” e que a a horta é irregular, já que “não há contrato de comodato para qualquer tipo de plantação no local”.

A Prefeitura de São Bernardo informou que não foi notificada sobre o caso, uma vez que atua apenas no acompanhamento social destes espaços.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;