Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

São Bernardo veta Carnaval de rua no bairro Assunção

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mesmo sem autorização, escolas de samba fizeram manifestação cultural na Praça Giovanni Breda


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

16/02/2020 | 18:22


 Pelo quarto ano seguido, São Bernardo - e todo Grande ABC - não terá desfile de Carnaval, mas na cidade, até os eventos menores, como apresentações das escolas de samba não foram autorizadas. No bairro Assunção, as agremiações União das Vilas e Renascentes de São Bernardo protocolaram pedido de autorização para uma apresentação na Praça Giovanni Breda, na tarde deste domingo. A administração negou, mas mesmo assim, a comunidade fez a sua manifestação cultural.

Cerca de 100 componentes, entre ritmistas, baianas, mestre sala e porta bandeira e a velha guarda fizeram um desfile simbólico, sob o olhar dos frequentadores da praça. "A gente está fazendo a nossa apresentação porque o samba resiste", afirmou o embaixador do samba de São Bernardo, Sebastião André, o Mestre André, 68 anos. "Gostaria que tivesse sido uma falha de comunicação, um documento não recebido, mas foi uma falha da administração", concluiu.

Antes do início do desfile, houve momentos de tensão com integrantes da GCM (Guarda Civil Municipal) que cobrava dos responsáveis uma autorização por escrito da administração. Os presidentes das escolas de samba dialogaram com os agentes e foram autorizados a realizar a apresentação, desde que não durasse mais do que uma hora.

Presidente da União das Vilas, Whashington Arantes lamentou a postura da administração municipal. "Desde que acabou o carnaval na cidade a gente faz a nossa manifestação cultural na praça, porque é isso o que o carnaval é. Não tem nenhuma conotação política", declarou.

Presidente da Renascentes e figura célebre na cultura de São Bernardo, Benedito da Silva Leme, o Ditinho da Congada, 68, relatou que também teve negado um pedido para desfile na Avenida Marechal Deodoro, no centro, a ser realizado no dia 23 de fevereiro. "Não pedimos dinheiro, verba, nada. Mas fica claro que o problema não é falta de recurso, é porque o governo não quer", concluiu.

Convidado para a atividade, o presidente da Federação das Escolas de Samba do Estado de São Paulo e embaixador mor do samba na cidade de São Paulo, Gabriel de Souza Martins, o Gabi, 72, repudiou a postura da Prefeitura de São Bernardo. "Mesmo que as pessoas não queiram, essa é uma manifestação cultural. Por que não autorizaram? Não tinha segurança? Ou apenas não quiseram?", questionou. Gabi é um dos nomes mais importantes do samba no Estado.

Para a população que acompanhava a atividade, não há justificativas para a negativa do governo Orlando Morando (PSDB) à atividade. "É muito legal, uma coisa maravilhosa. Parece que é apenas má-vontade", opinou a auxiliar financeira Ana Célia de Freitas, 24.

A Prefeitura de São Bernardo informou que foi publicada no jornal Notícias do Município, em dezembro de 2019, a resolução que dispõe sobre a participação dos blocos de Carnaval de Rua 2020, cuja inscrição se estendeu até 3 de janeiro de 2020, por meio do site www.saobernardo.sp.gov.br/cultura. "Pedidos feitos fora do prazo não foram aceitos", relatou em nota.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Bernardo veta Carnaval de rua no bairro Assunção

Mesmo sem autorização, escolas de samba fizeram manifestação cultural na Praça Giovanni Breda

Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

16/02/2020 | 18:22


 Pelo quarto ano seguido, São Bernardo - e todo Grande ABC - não terá desfile de Carnaval, mas na cidade, até os eventos menores, como apresentações das escolas de samba não foram autorizadas. No bairro Assunção, as agremiações União das Vilas e Renascentes de São Bernardo protocolaram pedido de autorização para uma apresentação na Praça Giovanni Breda, na tarde deste domingo. A administração negou, mas mesmo assim, a comunidade fez a sua manifestação cultural.

Cerca de 100 componentes, entre ritmistas, baianas, mestre sala e porta bandeira e a velha guarda fizeram um desfile simbólico, sob o olhar dos frequentadores da praça. "A gente está fazendo a nossa apresentação porque o samba resiste", afirmou o embaixador do samba de São Bernardo, Sebastião André, o Mestre André, 68 anos. "Gostaria que tivesse sido uma falha de comunicação, um documento não recebido, mas foi uma falha da administração", concluiu.

Antes do início do desfile, houve momentos de tensão com integrantes da GCM (Guarda Civil Municipal) que cobrava dos responsáveis uma autorização por escrito da administração. Os presidentes das escolas de samba dialogaram com os agentes e foram autorizados a realizar a apresentação, desde que não durasse mais do que uma hora.

Presidente da União das Vilas, Whashington Arantes lamentou a postura da administração municipal. "Desde que acabou o carnaval na cidade a gente faz a nossa manifestação cultural na praça, porque é isso o que o carnaval é. Não tem nenhuma conotação política", declarou.

Presidente da Renascentes e figura célebre na cultura de São Bernardo, Benedito da Silva Leme, o Ditinho da Congada, 68, relatou que também teve negado um pedido para desfile na Avenida Marechal Deodoro, no centro, a ser realizado no dia 23 de fevereiro. "Não pedimos dinheiro, verba, nada. Mas fica claro que o problema não é falta de recurso, é porque o governo não quer", concluiu.

Convidado para a atividade, o presidente da Federação das Escolas de Samba do Estado de São Paulo e embaixador mor do samba na cidade de São Paulo, Gabriel de Souza Martins, o Gabi, 72, repudiou a postura da Prefeitura de São Bernardo. "Mesmo que as pessoas não queiram, essa é uma manifestação cultural. Por que não autorizaram? Não tinha segurança? Ou apenas não quiseram?", questionou. Gabi é um dos nomes mais importantes do samba no Estado.

Para a população que acompanhava a atividade, não há justificativas para a negativa do governo Orlando Morando (PSDB) à atividade. "É muito legal, uma coisa maravilhosa. Parece que é apenas má-vontade", opinou a auxiliar financeira Ana Célia de Freitas, 24.

A Prefeitura de São Bernardo informou que foi publicada no jornal Notícias do Município, em dezembro de 2019, a resolução que dispõe sobre a participação dos blocos de Carnaval de Rua 2020, cuja inscrição se estendeu até 3 de janeiro de 2020, por meio do site www.saobernardo.sp.gov.br/cultura. "Pedidos feitos fora do prazo não foram aceitos", relatou em nota.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;