Fechar
Publicidade

Sábado, 29 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

‘Polícia Militar não merece ser chamada de parasita’


Daniel Tossato

15/02/2020 | 00:01


Tão logo recebeu homenagem da AAPM (Associação de Amigos da Polícia Militar do Grande ABC), o senador paulista Major Olimpio (PSL) criticou fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que, na semana passada, comparou servidores públicos a “parasitas”.

“(A Polícia Militar) Não merece ser chamada de parasita. Nem os policiais que estão na ativa nem aqueles que estão aposentados. Merecemos mais reconhecimento”, alfinetou o senador.
A fala de Paulo Guedes ocorreu durante palestra no Rio de Janeiro e causou mal-estar não só na oposição, mas até em meio ao núcleo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Para Major Olimpio, o governo precisa fazer a reforma administrativa, mas sem que haja ataques aos servidores, que, segundo o parlamentar “realizam ótimo serviço”. “Não tem que satanizar os servidores públicos. Guedes quer matar a vaca para acabar com os carrapatos. Não é assim. Temos que fazer a reforma (administrativa), mas da melhor maneira. Sou aliado, mas não alienado”, disparou.

O senador relembrou que Paulo Guedes já emitiu retratação pela fala, porém, admitiu que o aceno do ministro da Economia, ainda que bem aceito, é pouco pelo peso da declaração. “Ele precisa mostrar isso (arrependimento) com atitudes, não somente com desculpas”, alegou.

No mesmo dia em que Paulo Guedes fez a declaração polêmica, Major Olimpio já tinha usado as redes sociais para criticar a comparação feita pelo ministro. À ocasião, o senador declarou que a expressão “parasita” era “ingrata” e irresponsável”.

“Jamais o congresso irá aprovar preconceitos. Parasita é uma expressão ingrata e irresponsável para se referir àqueles que na ponta da linha prestam serviços para a população”, afirmou.
Além das desculpas, Paulo Guedes tem sustentado que a fala foi retirada do contexto e que foi utilizada para mudar o foco.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

‘Polícia Militar não merece ser chamada de parasita’

Daniel Tossato

15/02/2020 | 00:01


Tão logo recebeu homenagem da AAPM (Associação de Amigos da Polícia Militar do Grande ABC), o senador paulista Major Olimpio (PSL) criticou fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que, na semana passada, comparou servidores públicos a “parasitas”.

“(A Polícia Militar) Não merece ser chamada de parasita. Nem os policiais que estão na ativa nem aqueles que estão aposentados. Merecemos mais reconhecimento”, alfinetou o senador.
A fala de Paulo Guedes ocorreu durante palestra no Rio de Janeiro e causou mal-estar não só na oposição, mas até em meio ao núcleo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Para Major Olimpio, o governo precisa fazer a reforma administrativa, mas sem que haja ataques aos servidores, que, segundo o parlamentar “realizam ótimo serviço”. “Não tem que satanizar os servidores públicos. Guedes quer matar a vaca para acabar com os carrapatos. Não é assim. Temos que fazer a reforma (administrativa), mas da melhor maneira. Sou aliado, mas não alienado”, disparou.

O senador relembrou que Paulo Guedes já emitiu retratação pela fala, porém, admitiu que o aceno do ministro da Economia, ainda que bem aceito, é pouco pelo peso da declaração. “Ele precisa mostrar isso (arrependimento) com atitudes, não somente com desculpas”, alegou.

No mesmo dia em que Paulo Guedes fez a declaração polêmica, Major Olimpio já tinha usado as redes sociais para criticar a comparação feita pelo ministro. À ocasião, o senador declarou que a expressão “parasita” era “ingrata” e irresponsável”.

“Jamais o congresso irá aprovar preconceitos. Parasita é uma expressão ingrata e irresponsável para se referir àqueles que na ponta da linha prestam serviços para a população”, afirmou.
Além das desculpas, Paulo Guedes tem sustentado que a fala foi retirada do contexto e que foi utilizada para mudar o foco.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;