Fechar
Publicidade

Sábado, 29 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Bolsonaro: queremos que índio tenha mesmo direito que seu irmão fazendeiro tem



14/02/2020 | 17:02


O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a mineração em terras indígenas, além do uso dessas terras para cultivo, arrendamento e até construção de hidrelétricas. As falas do presidente foram feitas hoje, 14, durante inauguração de trecho pavimentado da BR-163 em Altamira (PA).

"Nós queremos integrar. Não admitimos aquele que querem que o índio permaneça como homem pré-histórico, preso em seu território", defendeu Bolsonaro.

"Apresentamos um projeto que não quer apenas dar direito a que se garimpe em terra indígena. Nós queremos que o índio tenha o mesmo direito que seu irmão ao lado, fazendeiro, tem, de garimpar, cultivar, arrendar sua terra, se for o caso construir PCH (Pequena Central Hidrelétrica), construir hidrelétricas. O índio é nosso irmão e estamos buscando integrá-lo à sociedade", explicou o presidente.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, foi elogiado pelo presidente da República, que acenou também para o Congresso Nacional. "O parlamento vem mudando também", disse Bolsonaro.

Aplaudido pela audiência, Bolsonaro demonstrou orgulho de ter interrompido a demarcação de terras indígenas e também de quilombos. Segundo ele, tais demarcações são "inadmissíveis". Bolsonaro disse se sensibilizar com produtores rurais que tinham a posse de suas terras questionadas na Justiça durante processos de demarcações de terras indígenas. "Isso não tem mais", garantiu.

'Amazônia é nossa!'

Bolsonaro também voltou a citar a Amazônia como pauta sensível à soberania do Brasil. "A Amazônia é nossa", bradou a um público repleto de militares. Sem citar nomes, o presidente se disse atacado em 2019 pelo "chefe de um grande Estado da Europa", em referência ao presidente da França, Emmanuel Macron.

O brasileiro disse que seu governo, ao suspender demarcações de terras, interrompeu "uma política totalmente equivocada, que atendia os interesses de outros países".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsonaro: queremos que índio tenha mesmo direito que seu irmão fazendeiro tem


14/02/2020 | 17:02


O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a mineração em terras indígenas, além do uso dessas terras para cultivo, arrendamento e até construção de hidrelétricas. As falas do presidente foram feitas hoje, 14, durante inauguração de trecho pavimentado da BR-163 em Altamira (PA).

"Nós queremos integrar. Não admitimos aquele que querem que o índio permaneça como homem pré-histórico, preso em seu território", defendeu Bolsonaro.

"Apresentamos um projeto que não quer apenas dar direito a que se garimpe em terra indígena. Nós queremos que o índio tenha o mesmo direito que seu irmão ao lado, fazendeiro, tem, de garimpar, cultivar, arrendar sua terra, se for o caso construir PCH (Pequena Central Hidrelétrica), construir hidrelétricas. O índio é nosso irmão e estamos buscando integrá-lo à sociedade", explicou o presidente.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, foi elogiado pelo presidente da República, que acenou também para o Congresso Nacional. "O parlamento vem mudando também", disse Bolsonaro.

Aplaudido pela audiência, Bolsonaro demonstrou orgulho de ter interrompido a demarcação de terras indígenas e também de quilombos. Segundo ele, tais demarcações são "inadmissíveis". Bolsonaro disse se sensibilizar com produtores rurais que tinham a posse de suas terras questionadas na Justiça durante processos de demarcações de terras indígenas. "Isso não tem mais", garantiu.

'Amazônia é nossa!'

Bolsonaro também voltou a citar a Amazônia como pauta sensível à soberania do Brasil. "A Amazônia é nossa", bradou a um público repleto de militares. Sem citar nomes, o presidente se disse atacado em 2019 pelo "chefe de um grande Estado da Europa", em referência ao presidente da França, Emmanuel Macron.

O brasileiro disse que seu governo, ao suspender demarcações de terras, interrompeu "uma política totalmente equivocada, que atendia os interesses de outros países".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;