Fechar
Publicidade

Sábado, 29 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Tereza Cristina: acordo EUA-China pode ter reflexos, mas não serão catastróficos

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


14/02/2020 | 09:00


A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, relativizou os efeitos da primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China e da epidemia de coronavírus na China sobre as exportações brasileiras. Em evento de previsão de safra da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), que foi realizado nesta quinta-feira (13) em Brasília, ela disse que, quanto ao acordo sino-americano, a relação entre Brasil e China é sólida. "O acordo EUA-China pode ter reflexos para nós, mas não serão tão catastróficos assim", afirmou.

Segundo a ministra, boa parte da safra 2019/20 de soja brasileira já está negociada. Ainda assim, a Tereza disse que está trabalhando "intensivamente para abrir novos mercados e aumentar nossa base de exportação". "Soja e milho são importantíssimos, mas temos que diversificar a pauta da balança comercial."

Com relação ao coronavírus, a ministra afirmou existir "pânico" com relação à doença, mas destacou que a população chinesa é de 1,3 bilhão, enquanto o problema está concentrado na província de Wuhan. "Tem um número grande de pessoas infectadas e mortos, mas, se puser na proporcionalidade do tamanho da população chinesa, é nada", disse.

A ministra destacou que a China isolou a província mais afetada, mas o restante da população precisa comer e trabalhar. "São conjunturas momentâneas que a gente tem que analisar com a devida cautela", disse. "Os portos ontem abriram lá, as coisas começam a se normalizar."

Tereza Cristina reforçou, ainda, que o Brasil é a maior potência agroambiental do mundo. "Nossa agricultura é sustentável", disse. Segundo a ministra, os incêndios no Brasil tiveram tratamento diferente dos ocorridos na Austrália e prometeu trabalhar para apresentar "uma narrativa boa" das coisas que o País faz no campo da sustentabilidade. "Vou trabalhar de maneira muito firme para colocar o CAR (Cadastro Ambiental Rural) e o Código Florestal para funcionar. Nós vamos calar a boca do mundo", finalizou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tereza Cristina: acordo EUA-China pode ter reflexos, mas não serão catastróficos


14/02/2020 | 09:00


A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, relativizou os efeitos da primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China e da epidemia de coronavírus na China sobre as exportações brasileiras. Em evento de previsão de safra da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), que foi realizado nesta quinta-feira (13) em Brasília, ela disse que, quanto ao acordo sino-americano, a relação entre Brasil e China é sólida. "O acordo EUA-China pode ter reflexos para nós, mas não serão tão catastróficos assim", afirmou.

Segundo a ministra, boa parte da safra 2019/20 de soja brasileira já está negociada. Ainda assim, a Tereza disse que está trabalhando "intensivamente para abrir novos mercados e aumentar nossa base de exportação". "Soja e milho são importantíssimos, mas temos que diversificar a pauta da balança comercial."

Com relação ao coronavírus, a ministra afirmou existir "pânico" com relação à doença, mas destacou que a população chinesa é de 1,3 bilhão, enquanto o problema está concentrado na província de Wuhan. "Tem um número grande de pessoas infectadas e mortos, mas, se puser na proporcionalidade do tamanho da população chinesa, é nada", disse.

A ministra destacou que a China isolou a província mais afetada, mas o restante da população precisa comer e trabalhar. "São conjunturas momentâneas que a gente tem que analisar com a devida cautela", disse. "Os portos ontem abriram lá, as coisas começam a se normalizar."

Tereza Cristina reforçou, ainda, que o Brasil é a maior potência agroambiental do mundo. "Nossa agricultura é sustentável", disse. Segundo a ministra, os incêndios no Brasil tiveram tratamento diferente dos ocorridos na Austrália e prometeu trabalhar para apresentar "uma narrativa boa" das coisas que o País faz no campo da sustentabilidade. "Vou trabalhar de maneira muito firme para colocar o CAR (Cadastro Ambiental Rural) e o Código Florestal para funcionar. Nós vamos calar a boca do mundo", finalizou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;