Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

BC reduz a taxa Selic de 4,50% para 4,25% ao ano

Banco reconhece incerteza maior no Exterior, mas indica que deve manter índice em março



06/02/2020 | 00:02


Em um cenário de preocupações em todo o mundo com o crescimento econômico, após o surto de coronavírus na China, o BC (Banco Central) do Brasil voltou a cortar juros na noite de ontem. A instituição reduziu a Selic (a taxa básica da economia) em 0,25 ponto porcentual, de 4,50% para 4,25% ao ano. Em sua decisão, no entanto, o BC deixou claro que, apesar do aumento da incerteza no Exterior, não planeja reduzir novamente os juros em seu próximo encontro de política monetária, em meados de março.

O corte de ontem foi o quinto consecutivo e fez a Selic atingir novo piso da série histórica. A decisão, tomada pelo Copom (Comitê de Política Monetária), era esperada pelos economistas do mercado financeiro. Ao justificar sua decisão, o BC não citou explicitamente a epidemia do vírus, que tem levado as instituições financeiras a revisar suas projeções de crescimento para a China e mesmo para emergentes como o Brasil. Porém, a autarquia reconheceu que houve um “recente aumento de incerteza” no cenário externo.

Ao mesmo tempo, o BC ponderou que o fato de os juros estarem em níveis baixos nas economias centrais ainda produz um “ambiente relativamente favorável para economias emergentes”. Na prática, o Copom não vê, até o momento, o coronavírus como grande perigo para o crescimento do País. Para o BC, os dados de atividade econômica “indicam continuidade do processo de recuperação gradual da economia brasileira”.

De acordo com o economista e professor coordenador do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Jefferson José da Conceição, a redução é positiva, mas não traz grandes efeitos. “No ponto de vista do consumidor, os juros aplicados nos empréstimos, seja o cheque especial, o crédito pessoal, ou o crédito rotativo, são muito altos e não estão caindo na mesma proporção do que a taxa de juros”, disse. “O que vamos ter com essa redução é uma mudança dos investimentos financeiros. Haverá menor atratividade para a renda fixa e alguma migração para a bolsa de valores”, afirmou.

Apesar de a inflação estar sob controle, o BC sinalizou que, em março, não reduzirá a Selic porque já vem promovendo cortes desde meados do ano passado, com efeitos que serão sentidos ao longo de 2020. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;