Fechar
Publicidade

Sábado, 6 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alaíde não teve o amor que Mauá merece, diz Atila

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito de Mauá afirma que se arrependeu de escolha: ‘Quero vice que goste de gente’


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

02/02/2020 | 00:01


O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), disse que se arrependeu de escolher Alaíde Damo (MDB) como vice-prefeita. “Ela não teve perfil nem o amor que Mauá merece.” O socialista declarou que “olhar Mauá com mesmo amor, carinho e respeito” que ele será o predicado primordial na escolha do companheiro de chapa em sua tentativa de reeleição, em outubro.

“Durmo poucas horas no dia e as poucas horas que durmo é pensando nisso. Se cometi um grande erro foi escolher uma vice que não teve perfil e o amor que a cidade merecia. Vou pensar bastante (na escolha). Nas poucas horas que tenho de sono vou ficar acordado para escolher o melhor nome possível, para tranquilizar o povo de Mauá, para dar estabilidade. Quero um vice que olhe a cidade como eu olho, com amor, carinho, respeito. Será um grande desafio”, sustentou o chefe do Executivo.

Atila fez questão de alfinetar a emedebista na sequência da fala sobre o vice ideal. “Quero um vice ser humano, que é o perfil do Atila, que goste de gente. Precisa ter lealdade. Ter lealdade com o prefeito é ter lealdade com a cidade”, disparou.

Alaíde não foi a primeira escolha de Atila para a eleição de 2016. Ele buscou indicar Chico do Judô (Patriota), hoje vereador, como parceiro de chapa, mas a aliança feita com a família Damo provocou mudança nessa rota. Inicialmente, seu companheiro seria Júnior Orosco (PDT), porém, a Justiça Eleitoral impugnou o registro de candidatura do pedetista. 

Então sogra de Orosco – ela é mãe da ex-deputada Vanessa Damo, que foi casada com o pedetista –, Alaíde foi alçada à condição de número dois da chapa de Atila.

Desde o início do governo, Alaíde ficou escanteada na administração – sequer aparecia no Paço e dedicava o dia para cuidar das netas. Com a primeira prisão de Atila, em maio de 2018, no âmbito da Operação Prato Feito, da PF (Polícia Federal), Alaíde decidiu romper com o bloco liderado pelo então aliado e passou a tocar o Executivo à sua maneira. A crise só se intensificou com a volta de Atila e a nova detenção do socialista naquele ano. Atila retornou à Prefeitura em setembro de 2019 alijando completamente sua vice.

O atual chefe do Executivo tem dado poucas pistas sobre o futuro parceiro de chapa. O nome do presidente da Câmara, Vanderley Cavalcante da Silva, o Neycar (SD), chegou a ser cogitado, mas as negociações esfriaram. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alaíde não teve o amor que Mauá merece, diz Atila

Prefeito de Mauá afirma que se arrependeu de escolha: ‘Quero vice que goste de gente’

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

02/02/2020 | 00:01


O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), disse que se arrependeu de escolher Alaíde Damo (MDB) como vice-prefeita. “Ela não teve perfil nem o amor que Mauá merece.” O socialista declarou que “olhar Mauá com mesmo amor, carinho e respeito” que ele será o predicado primordial na escolha do companheiro de chapa em sua tentativa de reeleição, em outubro.

“Durmo poucas horas no dia e as poucas horas que durmo é pensando nisso. Se cometi um grande erro foi escolher uma vice que não teve perfil e o amor que a cidade merecia. Vou pensar bastante (na escolha). Nas poucas horas que tenho de sono vou ficar acordado para escolher o melhor nome possível, para tranquilizar o povo de Mauá, para dar estabilidade. Quero um vice que olhe a cidade como eu olho, com amor, carinho, respeito. Será um grande desafio”, sustentou o chefe do Executivo.

Atila fez questão de alfinetar a emedebista na sequência da fala sobre o vice ideal. “Quero um vice ser humano, que é o perfil do Atila, que goste de gente. Precisa ter lealdade. Ter lealdade com o prefeito é ter lealdade com a cidade”, disparou.

Alaíde não foi a primeira escolha de Atila para a eleição de 2016. Ele buscou indicar Chico do Judô (Patriota), hoje vereador, como parceiro de chapa, mas a aliança feita com a família Damo provocou mudança nessa rota. Inicialmente, seu companheiro seria Júnior Orosco (PDT), porém, a Justiça Eleitoral impugnou o registro de candidatura do pedetista. 

Então sogra de Orosco – ela é mãe da ex-deputada Vanessa Damo, que foi casada com o pedetista –, Alaíde foi alçada à condição de número dois da chapa de Atila.

Desde o início do governo, Alaíde ficou escanteada na administração – sequer aparecia no Paço e dedicava o dia para cuidar das netas. Com a primeira prisão de Atila, em maio de 2018, no âmbito da Operação Prato Feito, da PF (Polícia Federal), Alaíde decidiu romper com o bloco liderado pelo então aliado e passou a tocar o Executivo à sua maneira. A crise só se intensificou com a volta de Atila e a nova detenção do socialista naquele ano. Atila retornou à Prefeitura em setembro de 2019 alijando completamente sua vice.

O atual chefe do Executivo tem dado poucas pistas sobre o futuro parceiro de chapa. O nome do presidente da Câmara, Vanderley Cavalcante da Silva, o Neycar (SD), chegou a ser cogitado, mas as negociações esfriaram. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;