Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Coronavírus: aeroportos do País usam alerta sonoro, mas não têm scanner térmico

Wilson Dias/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


30/01/2020 | 11:10


Passageiros que desembarcam nos principais aeroportos do Brasil já ouvem mensagens de alerta sobre o coronavírus, que já deixou 170 mortos na China e mais de 7,7 mil infectados pelo mundo. As mensagens de um minuto de duração - em português, inglês e mandarim - informam sobre os sintomas da doença e as medidas para evitar a transmissão. Mas, diferentemente de terminais da Europa e dos Estados, não serão usados scanners térmicos para detectar passageiros com febre. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), esses aparelhos têm pouca efetividade para identificar casos suspeitos.

Nesta semana, os aeroportos de Roma e Milão, na Itália, passaram a usar aparelhos portáteis para medir a temperatura corporal dos passageiros que lá desembarcam. Nos Estados Unidos, onde essa tecnologia já é mais comum, equipamentos do tipo têm sido usados em algumas cidades desde a semana passada.

O scanner é um instrumento portátil com uma tela que, com o auxílio de sensores eletrônicos, muda de cor de azul para vermelho em caso de febre. A cor muda quando a temperatura do corpo excede 37,5° C. Nesse caso, o alerta é acionado, e o passageiro é confiado ao sistema de saúde para uma possível quarentena. Às vezes, é preciso que cada passageiro fique na frente do scanner por alguns segundos para verificar a temperatura, mas as máquinas mais sofisticadas conseguem acionar seus sensores mesmo na multidão, para acelerar também os procedimentos de controle.

Em nota, a Anvisa informou que o uso de scanners não é obrigatório nem é indicado como ação preventiva, já que sua efetividade é baixa na detecção dos casos. "Isso ocorre porque os casos em que a pessoa não está manifestando os sintomas não são captados pelo scanner."

Segundo a agência, o foco da ação nos aeroportos é garantir a adoção de medidas preventivas para a comunidade aeroportuária, fazer com que os procedimentos de desinfecção e limpeza das aeronaves sejam realizados corretamente e encaminhar os casos de pessoas que estejam manifestando sintomas.

A orientação passada pela Anvisa aos aeroportos é para que os órgãos sanitários sejam notificados imediatamente em caso de suspeita - pessoas que estão em vias de desembarque e apresentam sintomas como tosse, febre e dificuldade para respirar. No caso dos passageiros a bordo, os tripulantes foram orientados a informar o comandante do voo se houver suspeita. Este, por sua vez, fará contato com a torre de controle do aeroporto, que acionará a Anvisa.

O passageiro com sintomas será abordado antes do desembarque para a checar a situação. A Anvisa aciona o serviço médico do aeroporto e a vigilância sanitária do município e a equipe vai a bordo para avaliar o paciente.

Se o médico descartar o caso, o desembarque dos passageiros é liberado. Caso a suspeita seja mantida, o passageiro doente é removido para um hospital de referência. Os demais passageiros são entrevistados pela vigilância epidemiológica para que possam ser monitorados. A aeronave passa por desinfecção, inclusive dos efluentes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Coronavírus: aeroportos do País usam alerta sonoro, mas não têm scanner térmico


30/01/2020 | 11:10


Passageiros que desembarcam nos principais aeroportos do Brasil já ouvem mensagens de alerta sobre o coronavírus, que já deixou 170 mortos na China e mais de 7,7 mil infectados pelo mundo. As mensagens de um minuto de duração - em português, inglês e mandarim - informam sobre os sintomas da doença e as medidas para evitar a transmissão. Mas, diferentemente de terminais da Europa e dos Estados, não serão usados scanners térmicos para detectar passageiros com febre. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), esses aparelhos têm pouca efetividade para identificar casos suspeitos.

Nesta semana, os aeroportos de Roma e Milão, na Itália, passaram a usar aparelhos portáteis para medir a temperatura corporal dos passageiros que lá desembarcam. Nos Estados Unidos, onde essa tecnologia já é mais comum, equipamentos do tipo têm sido usados em algumas cidades desde a semana passada.

O scanner é um instrumento portátil com uma tela que, com o auxílio de sensores eletrônicos, muda de cor de azul para vermelho em caso de febre. A cor muda quando a temperatura do corpo excede 37,5° C. Nesse caso, o alerta é acionado, e o passageiro é confiado ao sistema de saúde para uma possível quarentena. Às vezes, é preciso que cada passageiro fique na frente do scanner por alguns segundos para verificar a temperatura, mas as máquinas mais sofisticadas conseguem acionar seus sensores mesmo na multidão, para acelerar também os procedimentos de controle.

Em nota, a Anvisa informou que o uso de scanners não é obrigatório nem é indicado como ação preventiva, já que sua efetividade é baixa na detecção dos casos. "Isso ocorre porque os casos em que a pessoa não está manifestando os sintomas não são captados pelo scanner."

Segundo a agência, o foco da ação nos aeroportos é garantir a adoção de medidas preventivas para a comunidade aeroportuária, fazer com que os procedimentos de desinfecção e limpeza das aeronaves sejam realizados corretamente e encaminhar os casos de pessoas que estejam manifestando sintomas.

A orientação passada pela Anvisa aos aeroportos é para que os órgãos sanitários sejam notificados imediatamente em caso de suspeita - pessoas que estão em vias de desembarque e apresentam sintomas como tosse, febre e dificuldade para respirar. No caso dos passageiros a bordo, os tripulantes foram orientados a informar o comandante do voo se houver suspeita. Este, por sua vez, fará contato com a torre de controle do aeroporto, que acionará a Anvisa.

O passageiro com sintomas será abordado antes do desembarque para a checar a situação. A Anvisa aciona o serviço médico do aeroporto e a vigilância sanitária do município e a equipe vai a bordo para avaliar o paciente.

Se o médico descartar o caso, o desembarque dos passageiros é liberado. Caso a suspeita seja mantida, o passageiro doente é removido para um hospital de referência. Os demais passageiros são entrevistados pela vigilância epidemiológica para que possam ser monitorados. A aeronave passa por desinfecção, inclusive dos efluentes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;