Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Prefeitura e União firmam acordo para moradia popular em terreno do Paiçandu



29/01/2020 | 10:57


A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quarta-feira, 29, ter firmado um acordo com o governo federal para receber a transferência da propriedade do terreno do antigo Edifício Wilton Paes de Almeida, que desabou após um incêndio em 2018, deixando sete mortos. O imóvel pertencia à União, mas estava cedido à gestão municipal no momento da tragédia.

De acordo com a gestão Bruno Covas (PSDB), um edifício de moradia popular de 14 andares e cerca de 90 apartamentos será construído no terreno, que fica na esquina da Rua Antônio de Godói com a Avenida Rio Branco, em frente ao Largo do Paiçandu, no centro da capital paulista. A transferência será feita por meio de uma doação.

Logo após o desabamento, a Prefeitura anunciou a intenção de erguer um prédio de habitação social no local, porém, um ano depois, o governo federal disse à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo que pretendia solicitar a revogação da guarda provisória da gestão municipal. O acordo entre as partes foi firmado em reunião na terça-feira, 28.

"Ao fim da reunião, o prefeito Bruno Covas assinou um termo de autorização para que o secretário municipal de Habitação, João Farias, finalize os trâmites burocráticos junto à SPU (Superintendente de Patrimônio da União). Com a assinatura, foi oficializada a doação da área para o município, somente restando formalidades legais entre União e Município", diz comunicado da Prefeitura.

A gestão Covas diz que o custo da obra ainda está sendo calculado, mas que o orçamento será viabilizado por meio de um novo programa habitacional do município, batizado de "Pode Entrar".

"O objetivo da Prefeitura é que a ordem de serviço (início das obras) seja realizada até o dia 1º de maio, data quando se completam dois anos do desabamento do antigo edifício Wilton Paes de Almeida", encerra nota.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prefeitura e União firmam acordo para moradia popular em terreno do Paiçandu


29/01/2020 | 10:57


A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quarta-feira, 29, ter firmado um acordo com o governo federal para receber a transferência da propriedade do terreno do antigo Edifício Wilton Paes de Almeida, que desabou após um incêndio em 2018, deixando sete mortos. O imóvel pertencia à União, mas estava cedido à gestão municipal no momento da tragédia.

De acordo com a gestão Bruno Covas (PSDB), um edifício de moradia popular de 14 andares e cerca de 90 apartamentos será construído no terreno, que fica na esquina da Rua Antônio de Godói com a Avenida Rio Branco, em frente ao Largo do Paiçandu, no centro da capital paulista. A transferência será feita por meio de uma doação.

Logo após o desabamento, a Prefeitura anunciou a intenção de erguer um prédio de habitação social no local, porém, um ano depois, o governo federal disse à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo que pretendia solicitar a revogação da guarda provisória da gestão municipal. O acordo entre as partes foi firmado em reunião na terça-feira, 28.

"Ao fim da reunião, o prefeito Bruno Covas assinou um termo de autorização para que o secretário municipal de Habitação, João Farias, finalize os trâmites burocráticos junto à SPU (Superintendente de Patrimônio da União). Com a assinatura, foi oficializada a doação da área para o município, somente restando formalidades legais entre União e Município", diz comunicado da Prefeitura.

A gestão Covas diz que o custo da obra ainda está sendo calculado, mas que o orçamento será viabilizado por meio de um novo programa habitacional do município, batizado de "Pode Entrar".

"O objetivo da Prefeitura é que a ordem de serviço (início das obras) seja realizada até o dia 1º de maio, data quando se completam dois anos do desabamento do antigo edifício Wilton Paes de Almeida", encerra nota.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;