Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

INCC-M acelera para 0,26% em janeiro, após 0,14% em dezembro, revela FGV



28/01/2020 | 08:38


O Índice Nacional de Custos da Construção - Mercado (INCC-M) subiu 0,26% em janeiro, mostrando aceleração em relação à taxa de 0,14% de dezembro. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 28, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Em 12 meses, o indicador acumula alta de 3,99%.

O grupo de Materiais, Equipamentos e Serviços acelerou no período, de deflação de 0,01% em dezembro para alta de 0,45%. Todos os subgrupos componentes tiveram acréscimo nas suas taxas de variação, com destaque para o comportamento de materiais para estrutura (-0,27% para 0,29%).

Os materiais para instalação aceleraram de 0,39% em dezembro para 1,13% em janeiro, enquanto os materiais para acabamento avançaram de 0,11% para 0,46%. Os equipamentos para transporte de pessoas também tiveram alta, de 0,0% para 0,24%. A inflação dos Serviços ganhou ritmo e avançou de 0,11% para 0,37%.

Em contrapartida, o grupo Mão de Obra mostrou desaceleração na passagem de dezembro para janeiro, de 0,26% para 0,09%.

Capitais

O INCC-M acelerou em seis das sete capitais pesquisadas pela FGV: Salvador (0,03% para 0,23%), Brasília (0,05% para 0,17%), Recife (0,04% para 0,28%), Rio de Janeiro (-0,04% para 0,09%), Porto Alegre (0,0% para 0,25%) e São Paulo (-0,03% para 0,28%).

Apenas em Belo Horizonte, o indicador mostrou alívio, com desaceleração de 1,30% em dezembro para 0,42% em janeiro.

Influências individuais

Em janeiro, pressionaram o INCC-M para cima os condutores elétricos (0,78% para 3,31%), esquadrias de alumínio (0,25% para 1,01%), cimento portland comum (-0,81% para 0,72%), argamassa (-0,47% para 0,87%) e tubos e conexões de PVC (0,25% para 0,84%).

Em contrapartida, ajudaram a conter a alta do indicador vergalhões e arames de aço ao carbono (-0,85% para -0,20%), placas cerâmicas para revestimento (-0,04% para -0,59%), ladrilhos e placas para piso (-0,06% para -1,04%), rodapé de madeira (-0,03% para -0,10%) e massa de concreto (-0,25% para -0,01%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

INCC-M acelera para 0,26% em janeiro, após 0,14% em dezembro, revela FGV


28/01/2020 | 08:38


O Índice Nacional de Custos da Construção - Mercado (INCC-M) subiu 0,26% em janeiro, mostrando aceleração em relação à taxa de 0,14% de dezembro. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 28, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Em 12 meses, o indicador acumula alta de 3,99%.

O grupo de Materiais, Equipamentos e Serviços acelerou no período, de deflação de 0,01% em dezembro para alta de 0,45%. Todos os subgrupos componentes tiveram acréscimo nas suas taxas de variação, com destaque para o comportamento de materiais para estrutura (-0,27% para 0,29%).

Os materiais para instalação aceleraram de 0,39% em dezembro para 1,13% em janeiro, enquanto os materiais para acabamento avançaram de 0,11% para 0,46%. Os equipamentos para transporte de pessoas também tiveram alta, de 0,0% para 0,24%. A inflação dos Serviços ganhou ritmo e avançou de 0,11% para 0,37%.

Em contrapartida, o grupo Mão de Obra mostrou desaceleração na passagem de dezembro para janeiro, de 0,26% para 0,09%.

Capitais

O INCC-M acelerou em seis das sete capitais pesquisadas pela FGV: Salvador (0,03% para 0,23%), Brasília (0,05% para 0,17%), Recife (0,04% para 0,28%), Rio de Janeiro (-0,04% para 0,09%), Porto Alegre (0,0% para 0,25%) e São Paulo (-0,03% para 0,28%).

Apenas em Belo Horizonte, o indicador mostrou alívio, com desaceleração de 1,30% em dezembro para 0,42% em janeiro.

Influências individuais

Em janeiro, pressionaram o INCC-M para cima os condutores elétricos (0,78% para 3,31%), esquadrias de alumínio (0,25% para 1,01%), cimento portland comum (-0,81% para 0,72%), argamassa (-0,47% para 0,87%) e tubos e conexões de PVC (0,25% para 0,84%).

Em contrapartida, ajudaram a conter a alta do indicador vergalhões e arames de aço ao carbono (-0,85% para -0,20%), placas cerâmicas para revestimento (-0,04% para -0,59%), ladrilhos e placas para piso (-0,06% para -1,04%), rodapé de madeira (-0,03% para -0,10%) e massa de concreto (-0,25% para -0,01%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;