Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Nevoeiro pode ter causado acidente com helicóptero que matou Kobe Bryant



27/01/2020 | 08:00


O acidente de helicóptero que vitimou o astro do basquete Kobe Bryant, sua filha Gianna e outras sete pessoas, neste domingo (26),  na Califórnia, ainda está na fase inicial de investigações. Mas informações preliminares divulgadas pela imprensa norte-americana garantem que as condições climáticas eram tão ruins que a polícia não operou com aeronaves pela manhã no condado de Los Angeles.

O FBI está no comando das investigações, que ainda conta com a Agência Federal de Aviação dos EUA e o Conselho Nacional de Segurança no Transporte (NTSB, na sigla em inglês), que nunca registrou um acidente envolvendo um modelo Sikorsky S-76B, igual ao que Kobe estava. Ainda não se sabe se existia uma caixa-preta na aeronave.

"As condições climáticas não estavam de acordo com os nossos padrões mínimos de voo", afirmou Rubenstein, porta-voz da divisão de auxílio ao tráfico aéreo do Departamento de Polícia de Los Angeles. A nebulosidade era "tão forte que nós não estávamos realizando voos."

Médico legista de Los Angeles, Jonathan Lucas disse que o terreno onde a aeronave caiu é irregular e isso dificulta o trabalho da perícia que trabalha no local. Ele estimou que levaria pelo menos alguns dias para concluir essa tarefa. A situação seria mais complicada porque o ponto da queda é residencial e muitos moradores e curiosos estão se aglomerando para acompanhar a movimentação das autoridades.

Ao jornal Los Angeles Times, uma testemunha relatou ter ouvido um helicóptero muito mais baixo que o normal enquanto tomava café. "O barulho estava estranho e ele voava muito baixo. Eu vi o helicóptero caindo e ouvi barulhos de motor. Mas estava difícil distinguir, já que a nebulosidade estava muito densa", revelou Jerry Kocharian. "Vi uma grande bola de fogo. Ninguém poderia sobreviver a isso", concluiu a testemunha.

O primeiro chamado feito para a polícias para relatar o acidente aconteceu às 9h47 do horário local (14h47 de Brasília). Segundo os bombeiros, não havia nenhum sobrevivente quando o resgate chegou.

"Nossos bombeiros caminharam até o local do acidente, com o equipamento médico e as mangueiras para extinguir um incêndio complicado, gerado tanto por incêndio florestal causado pelo helicóptero", disse o chefe do Corpo de Bombeiros de Los Angeles, Darys Osby.

O nome de todas as nove vítimas serão divulgados oficialmente nesta segunda feita. Eles viajavam do Aeroporto John Wayne, em Orange County, para a cidade de Newbury Park, onde o time de Gianna faria um jogo pelo Mamba Academy, que teria Kobe como técnico. O Orange Coast College, faculdade pública local, já confirmou que o técnico John Altobelli, sua mulher, Keri, e sua filha, Alyssa, e Christina Mauser, técnica da equipe juvenil feminina da instituição, também estavam entre as vítimas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Nevoeiro pode ter causado acidente com helicóptero que matou Kobe Bryant


27/01/2020 | 08:00


O acidente de helicóptero que vitimou o astro do basquete Kobe Bryant, sua filha Gianna e outras sete pessoas, neste domingo (26),  na Califórnia, ainda está na fase inicial de investigações. Mas informações preliminares divulgadas pela imprensa norte-americana garantem que as condições climáticas eram tão ruins que a polícia não operou com aeronaves pela manhã no condado de Los Angeles.

O FBI está no comando das investigações, que ainda conta com a Agência Federal de Aviação dos EUA e o Conselho Nacional de Segurança no Transporte (NTSB, na sigla em inglês), que nunca registrou um acidente envolvendo um modelo Sikorsky S-76B, igual ao que Kobe estava. Ainda não se sabe se existia uma caixa-preta na aeronave.

"As condições climáticas não estavam de acordo com os nossos padrões mínimos de voo", afirmou Rubenstein, porta-voz da divisão de auxílio ao tráfico aéreo do Departamento de Polícia de Los Angeles. A nebulosidade era "tão forte que nós não estávamos realizando voos."

Médico legista de Los Angeles, Jonathan Lucas disse que o terreno onde a aeronave caiu é irregular e isso dificulta o trabalho da perícia que trabalha no local. Ele estimou que levaria pelo menos alguns dias para concluir essa tarefa. A situação seria mais complicada porque o ponto da queda é residencial e muitos moradores e curiosos estão se aglomerando para acompanhar a movimentação das autoridades.

Ao jornal Los Angeles Times, uma testemunha relatou ter ouvido um helicóptero muito mais baixo que o normal enquanto tomava café. "O barulho estava estranho e ele voava muito baixo. Eu vi o helicóptero caindo e ouvi barulhos de motor. Mas estava difícil distinguir, já que a nebulosidade estava muito densa", revelou Jerry Kocharian. "Vi uma grande bola de fogo. Ninguém poderia sobreviver a isso", concluiu a testemunha.

O primeiro chamado feito para a polícias para relatar o acidente aconteceu às 9h47 do horário local (14h47 de Brasília). Segundo os bombeiros, não havia nenhum sobrevivente quando o resgate chegou.

"Nossos bombeiros caminharam até o local do acidente, com o equipamento médico e as mangueiras para extinguir um incêndio complicado, gerado tanto por incêndio florestal causado pelo helicóptero", disse o chefe do Corpo de Bombeiros de Los Angeles, Darys Osby.

O nome de todas as nove vítimas serão divulgados oficialmente nesta segunda feita. Eles viajavam do Aeroporto John Wayne, em Orange County, para a cidade de Newbury Park, onde o time de Gianna faria um jogo pelo Mamba Academy, que teria Kobe como técnico. O Orange Coast College, faculdade pública local, já confirmou que o técnico John Altobelli, sua mulher, Keri, e sua filha, Alyssa, e Christina Mauser, técnica da equipe juvenil feminina da instituição, também estavam entre as vítimas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;