Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Bolsonaro e Modi defendem reforma no conselho de segurança da ONU



25/01/2020 | 13:28


O presidente Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, afirmaram neste sábado, 25, que ambos os países defendem uma reforma no Conselho de Segurança da ONU. As declarações foram dadas após a assinatura de 15 atos para promover e facilitar o comércio e os investimentos entre ambos os países.

"São dois grandes países. Estamos entre as dez maiores economias do mundo, juntos somos 1,5 bilhão de habitantes", comentou Bolsonaro a jornalistas após chegar ao hotel em que está hospedado na capital indiana para uma missão presidencial de quatro dias. "Acredito que seria bom para o mundo Brasil e Índia estarem nesse clube".

Modi comentou em seu discurso que as visões e a importância global e multilateral de Brasil e Índia são convergentes. "Nossas visões em vários desafios enfrentados pelo mundo de hoje são muito parecidas. Nossa parceria nos BRICS (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) , a reforma no Conselho de Segurança da ONU e outras organizações internacionais."

O Conselho de Segurança da ONU é composto por cinco membros permanentes e dez eleitos pela Assembleia Geral temporariamente. Apenas os membros permantentes - Rússia, China, Estados Unidos, França e Reino Unido - têm poder de veto na organização, em um composição que em grande parte reflete o equilíbrio de poder global logo após a 2ª Guerra.

A ideia de o Brasil ocupar um assento no Conselho é antiga, bem como as propostas de reforma da ONU. Desde os anos 90, países emergentes argumentam que o poder de veto não poderia estar limitado aos cinco países. Brasil e Índia ainda se aliaram a Alemanha e Japão para solicitar uma ampliação que os incluísse, sob a justificativa de que tal formato seria uma melhor representação do cenário político atual.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsonaro e Modi defendem reforma no conselho de segurança da ONU


25/01/2020 | 13:28


O presidente Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, afirmaram neste sábado, 25, que ambos os países defendem uma reforma no Conselho de Segurança da ONU. As declarações foram dadas após a assinatura de 15 atos para promover e facilitar o comércio e os investimentos entre ambos os países.

"São dois grandes países. Estamos entre as dez maiores economias do mundo, juntos somos 1,5 bilhão de habitantes", comentou Bolsonaro a jornalistas após chegar ao hotel em que está hospedado na capital indiana para uma missão presidencial de quatro dias. "Acredito que seria bom para o mundo Brasil e Índia estarem nesse clube".

Modi comentou em seu discurso que as visões e a importância global e multilateral de Brasil e Índia são convergentes. "Nossas visões em vários desafios enfrentados pelo mundo de hoje são muito parecidas. Nossa parceria nos BRICS (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) , a reforma no Conselho de Segurança da ONU e outras organizações internacionais."

O Conselho de Segurança da ONU é composto por cinco membros permanentes e dez eleitos pela Assembleia Geral temporariamente. Apenas os membros permantentes - Rússia, China, Estados Unidos, França e Reino Unido - têm poder de veto na organização, em um composição que em grande parte reflete o equilíbrio de poder global logo após a 2ª Guerra.

A ideia de o Brasil ocupar um assento no Conselho é antiga, bem como as propostas de reforma da ONU. Desde os anos 90, países emergentes argumentam que o poder de veto não poderia estar limitado aos cinco países. Brasil e Índia ainda se aliaram a Alemanha e Japão para solicitar uma ampliação que os incluísse, sob a justificativa de que tal formato seria uma melhor representação do cenário político atual.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;