Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Por que o crash-test é tão importante para a indústria automotiva?

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do Garagem360

24/01/2020 | 16:18


Na internet, é possível encontrar diversas fotos e vídeos de carros colidindo contra uma barreira física. Os crash-tests realizados por montadoras, associações de defesa do consumidor (como Latin NCAP) ou mesmo por centros de pesquisa especializados, como o CESVI BRASIL, estão cada vez mais diversificados e sofisticados para obter o máximo de informações relacionadas à segurança e ao reparo do veículo.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Segundo Emerson Feliciano, gerente sênior de pesquisa e desenvolvimento do CESVI Brasil, os testes de impacto ajudam a identificar e fazer ajustes necessários no projeto de um veículo, adequando sua estrutura, componentes e a proteção aos ocupantes tanto às normas internas quanto às de homologação do Contran (Conselho Nacional de Trânsito). “Essas adequações de projeto incluem calibração de software de airbags, avaliação de estruturas de banco, ancoragens dos cintos de segurança, desprendimento de peças do painel e até a estanqueidade de combustível, que é a capacidade dos reservatórios em resistir a impactos”, explica.

Com o crash-test funciona

De acordo com o especialista, a realização dos testes são fundamentais para analisar e avaliar o desempenho dos veículos em ambientes nos quais ele pode sofrer com pequenos impactos. Segundo o RCAR, conselho internacional de centros de pesquisa automotivos, do qual o CESVI é membro, 75% dos impactos nos grandes centros urbanos do mundo ocorrem em velocidades inferiores a 35 km/h (o que equivale a um teste de aproximadamente 15 km/h em uma pista de impacto).

“Esse tipo de crash-test não tem a finalidade de avaliar a integridade física dos ocupantes, mas danificam os veículos, que terão seus valores de seguro influenciados de acordo com a sua dificuldade e custo de reparo. Com os testes dianteiros ou traseiros, é possível apurar esses fatores antes que ele seja lançado, a tempo de se fazer ajustes e minimizar custos”, comenta.

Geralmente, os testes são reproduzidos em velocidades que variam com o acordo com a finalidade do ensaio para determinar custos de reparação ou para a proteção aos ocupantes. Com isso, a colisão pode ser feita em velocidades inferiores a 15 km/h (2 km/h, 4 km/h, 8 km/h, 10 km/h e 15 km/h), que identificam a resistência do veículo a impactos que não trazem risco aos ocupantes. Assim, avaliam desde a resistência do sistema de para-choques até os danos mais comuns em impactos corriqueiros nos grandes centros urbanos.

Já os testes em velocidade de 30 km/h, 40 km/h, 50 km/h, 56 km/h e 64 km/h são realizados para avaliar a resistência da carroceria e a proteção aos ocupantes.

LEIA MAIS: Recall: Porsche chama 911 Carrera por falha no pisca-alerta
Até R$ 60 mil: veja os carros mais baratos do Brasil

O que são dummies?

Em testes de colisão que avaliam a proteção dos ocupantes, diversas montadoras utilizam os bonecos antropométricos, conhecido como dummies, que simulam em altura e peso o corpo humano.

O boneco mais usado pelo setor automotivo são aqueles do tipo Híbrido III 50%, com 1,75 m de altura e aproximadamente 80 kg, dependendo da quantidade de sensores e acessórios instalados. Além disso, ele é regulamentado por normas internacionais (FMSS | ECE) e por sua qualidade na biofidelidade e na capacidade de instrumentação (pode ser usado com diversos tipos de sensores).

Sua pele é feita de material vinílico com características similares à dos humanos. E sua estrutura interna tem componentes como aço, alumínio fundido, borracha, espuma e polímeros que simulam a resistência de partes do corpo como o pescoço, costelas, estrutura do crânio, pernas e pés.

Clube da vergonha

Na galeria, confira os modelos brasileiros que não tiveram boa nota no Latin NCAP.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Por que o crash-test é tão importante para a indústria automotiva?

Da Redação
Do Garagem360

24/01/2020 | 16:18


Na internet, é possível encontrar diversas fotos e vídeos de carros colidindo contra uma barreira física. Os crash-tests realizados por montadoras, associações de defesa do consumidor (como Latin NCAP) ou mesmo por centros de pesquisa especializados, como o CESVI BRASIL, estão cada vez mais diversificados e sofisticados para obter o máximo de informações relacionadas à segurança e ao reparo do veículo.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Segundo Emerson Feliciano, gerente sênior de pesquisa e desenvolvimento do CESVI Brasil, os testes de impacto ajudam a identificar e fazer ajustes necessários no projeto de um veículo, adequando sua estrutura, componentes e a proteção aos ocupantes tanto às normas internas quanto às de homologação do Contran (Conselho Nacional de Trânsito). “Essas adequações de projeto incluem calibração de software de airbags, avaliação de estruturas de banco, ancoragens dos cintos de segurança, desprendimento de peças do painel e até a estanqueidade de combustível, que é a capacidade dos reservatórios em resistir a impactos”, explica.

Com o crash-test funciona

De acordo com o especialista, a realização dos testes são fundamentais para analisar e avaliar o desempenho dos veículos em ambientes nos quais ele pode sofrer com pequenos impactos. Segundo o RCAR, conselho internacional de centros de pesquisa automotivos, do qual o CESVI é membro, 75% dos impactos nos grandes centros urbanos do mundo ocorrem em velocidades inferiores a 35 km/h (o que equivale a um teste de aproximadamente 15 km/h em uma pista de impacto).

“Esse tipo de crash-test não tem a finalidade de avaliar a integridade física dos ocupantes, mas danificam os veículos, que terão seus valores de seguro influenciados de acordo com a sua dificuldade e custo de reparo. Com os testes dianteiros ou traseiros, é possível apurar esses fatores antes que ele seja lançado, a tempo de se fazer ajustes e minimizar custos”, comenta.

Geralmente, os testes são reproduzidos em velocidades que variam com o acordo com a finalidade do ensaio para determinar custos de reparação ou para a proteção aos ocupantes. Com isso, a colisão pode ser feita em velocidades inferiores a 15 km/h (2 km/h, 4 km/h, 8 km/h, 10 km/h e 15 km/h), que identificam a resistência do veículo a impactos que não trazem risco aos ocupantes. Assim, avaliam desde a resistência do sistema de para-choques até os danos mais comuns em impactos corriqueiros nos grandes centros urbanos.

Já os testes em velocidade de 30 km/h, 40 km/h, 50 km/h, 56 km/h e 64 km/h são realizados para avaliar a resistência da carroceria e a proteção aos ocupantes.

LEIA MAIS: Recall: Porsche chama 911 Carrera por falha no pisca-alerta
Até R$ 60 mil: veja os carros mais baratos do Brasil

O que são dummies?

Em testes de colisão que avaliam a proteção dos ocupantes, diversas montadoras utilizam os bonecos antropométricos, conhecido como dummies, que simulam em altura e peso o corpo humano.

O boneco mais usado pelo setor automotivo são aqueles do tipo Híbrido III 50%, com 1,75 m de altura e aproximadamente 80 kg, dependendo da quantidade de sensores e acessórios instalados. Além disso, ele é regulamentado por normas internacionais (FMSS | ECE) e por sua qualidade na biofidelidade e na capacidade de instrumentação (pode ser usado com diversos tipos de sensores).

Sua pele é feita de material vinílico com características similares à dos humanos. E sua estrutura interna tem componentes como aço, alumínio fundido, borracha, espuma e polímeros que simulam a resistência de partes do corpo como o pescoço, costelas, estrutura do crânio, pernas e pés.

Clube da vergonha

Na galeria, confira os modelos brasileiros que não tiveram boa nota no Latin NCAP.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;