Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Polícia Federal mira em fraudes de R$ 600 mil na compra de medicamentos em Nova Friburgo

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


22/01/2020 | 08:56


A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira, (22) a Operação Carona de Duque para desarticular um grupo criminoso envolvido em fraudes na compra de medicamentos da prefeitura de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. O esquema resultou em prejuízo de mais de R$ 600 mil, segundo a PF.

Agentes cumprem seis mandados de busca e apreensão nos municípios do Rio de Janeiro, São Gonçalo, Niterói e Nova Friburgo. As fraudes são praticadas desde 2017, indica a Polícia Federal. De acordo com a corporação, a prefeitura deixou de fazer uma licitação e aderiu uma ata de preços que estava superfaturada. A investigação é conduzida com a participação do Ministério Público Federal e da Controladoria-Geral da União.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Polícia Federal mira em fraudes de R$ 600 mil na compra de medicamentos em Nova Friburgo


22/01/2020 | 08:56


A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira, (22) a Operação Carona de Duque para desarticular um grupo criminoso envolvido em fraudes na compra de medicamentos da prefeitura de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. O esquema resultou em prejuízo de mais de R$ 600 mil, segundo a PF.

Agentes cumprem seis mandados de busca e apreensão nos municípios do Rio de Janeiro, São Gonçalo, Niterói e Nova Friburgo. As fraudes são praticadas desde 2017, indica a Polícia Federal. De acordo com a corporação, a prefeitura deixou de fazer uma licitação e aderiu uma ata de preços que estava superfaturada. A investigação é conduzida com a participação do Ministério Público Federal e da Controladoria-Geral da União.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;