Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Opositor de Bibi diz que trabalharia para 'avançar' anexação do Vale do Jordão

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


22/01/2020 | 07:58


Benny Gantz, líder do partido Kahol Lavan e um dos favoritos para ser premiê de Israel, disse nesta terça-feira (21) que trabalharia para "avançar a anexação do Vale do Jordão a Israel" após as eleições de 2 de março. Binyamin Netanyahu, atual primeiro-ministro e rival de Gantz, fez promessa semelhante às vésperas das eleições de setembro, com a intenção de agradar a setores da direita do país. Na ocasião, ele foi lembrado que estava no poder desde 2005 e já poderia ter tomado a iniciativa antes. Nas últimas sondagens, feitas na semana passada, o partido de Gantz está à frente do Likud, de Netanyahu. Segundo projeções, o Kahol Lavan teria 36 cadeiras e o Likud, 31. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Opositor de Bibi diz que trabalharia para 'avançar' anexação do Vale do Jordão


22/01/2020 | 07:58


Benny Gantz, líder do partido Kahol Lavan e um dos favoritos para ser premiê de Israel, disse nesta terça-feira (21) que trabalharia para "avançar a anexação do Vale do Jordão a Israel" após as eleições de 2 de março. Binyamin Netanyahu, atual primeiro-ministro e rival de Gantz, fez promessa semelhante às vésperas das eleições de setembro, com a intenção de agradar a setores da direita do país. Na ocasião, ele foi lembrado que estava no poder desde 2005 e já poderia ter tomado a iniciativa antes. Nas últimas sondagens, feitas na semana passada, o partido de Gantz está à frente do Likud, de Netanyahu. Segundo projeções, o Kahol Lavan teria 36 cadeiras e o Likud, 31. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;