Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Na tonalidade certa


Do Diário do Grande ABC

21/01/2020 | 09:37


O CTB (Código de Trânsito Brasileiro) é claro quando regulamenta que as ciclovias e ciclofaixas devem ser pintadas na cor vermelha. Tal tonalidade foi definida por um único critério, que é o de dar segurança a quem utiliza tais vias, sejam ciclistas ou pedestres.


Optar por outra coloração, motivada por preferência pessoal, critério estético ou, pior, associação a marca de legenda partidária, coloca os espaços à margem da lei e diminui sua eficácia.


E isso ficou claro na decisão do juiz Alexandre Jorge Carneiro da Cunha Filho, da 1ª Vara da Fazenda Pública de São Bernardo. Ontem, ele concedeu liminar em favor de ação popular movida pelo deputado Luiz Fernando Teixeira (PT) contra a pintura nas cores azul e amarela, coincidentemente associadas ao PSDB, partido do prefeito Orlando Morando.


O magistrado determinou que seja imediatamente paralisada a pintura, sob pena de multa diária de R$ 50 mil, podendo chegar ao valor máximo de R$ 300 mil. A ação movida pelo parlamentar ia além, postulava a imediata repintura das ciclovias e ciclofaixas na cor original (vermelha). O juiz negou, pelo menos em caráter liminar, afirmando que decidirá sobre o assunto no mérito da questão.


A mudança estética foi tema de reportagem deste Diário na última semana, quando a Prefeitura negou ter havido desrespeito ao CTB porque o uso é compartilhado entre ciclistas e pedestres e porque, após estudos técnicos, se comprovou que o azul está entre as cores que mais absorvem calor.


O deputado petista tem outra visão sobre o tema. Para ele, o chefe do Executivo fere o princípio da impessoalidade. Pois, na qualidade de prefeito ele não pode alegar desconhecimento ou simplesmente optar por ignorar as normas nacionais de trânsito. E mesmo assim utilizar cores de identificação pessoal ou partidária, o que representa uso da máquina pública para benefício próprio.


Trânsito é assunto sério. Tem regras que precisam ser respeitadas. Em nome da segurança de todos. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Na tonalidade certa

Do Diário do Grande ABC

21/01/2020 | 09:37


O CTB (Código de Trânsito Brasileiro) é claro quando regulamenta que as ciclovias e ciclofaixas devem ser pintadas na cor vermelha. Tal tonalidade foi definida por um único critério, que é o de dar segurança a quem utiliza tais vias, sejam ciclistas ou pedestres.


Optar por outra coloração, motivada por preferência pessoal, critério estético ou, pior, associação a marca de legenda partidária, coloca os espaços à margem da lei e diminui sua eficácia.


E isso ficou claro na decisão do juiz Alexandre Jorge Carneiro da Cunha Filho, da 1ª Vara da Fazenda Pública de São Bernardo. Ontem, ele concedeu liminar em favor de ação popular movida pelo deputado Luiz Fernando Teixeira (PT) contra a pintura nas cores azul e amarela, coincidentemente associadas ao PSDB, partido do prefeito Orlando Morando.


O magistrado determinou que seja imediatamente paralisada a pintura, sob pena de multa diária de R$ 50 mil, podendo chegar ao valor máximo de R$ 300 mil. A ação movida pelo parlamentar ia além, postulava a imediata repintura das ciclovias e ciclofaixas na cor original (vermelha). O juiz negou, pelo menos em caráter liminar, afirmando que decidirá sobre o assunto no mérito da questão.


A mudança estética foi tema de reportagem deste Diário na última semana, quando a Prefeitura negou ter havido desrespeito ao CTB porque o uso é compartilhado entre ciclistas e pedestres e porque, após estudos técnicos, se comprovou que o azul está entre as cores que mais absorvem calor.


O deputado petista tem outra visão sobre o tema. Para ele, o chefe do Executivo fere o princípio da impessoalidade. Pois, na qualidade de prefeito ele não pode alegar desconhecimento ou simplesmente optar por ignorar as normas nacionais de trânsito. E mesmo assim utilizar cores de identificação pessoal ou partidária, o que representa uso da máquina pública para benefício próprio.


Trânsito é assunto sério. Tem regras que precisam ser respeitadas. Em nome da segurança de todos. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;