Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Witzel cita 'muitos interesses envolvidos' e diz suspeitar de sabotagem na Cedae

Fernando Frazão/Ag.Brasil/Foros Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


20/01/2020 | 13:01


O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse nesta segunda-feira, 20, que suspeita que um crime de sabotagem seja responsável pela crise no abastecimento da Companhia Estadual de Água e Esgoto (Cedae), que há cerca de 15 dias tem seu fornecimento prejudicado pela contaminação de uma substância formada por algas chamada geosmina, que confere odor, cheiro e cor à água.

Sem dar detalhes, ele afirmou que a suspeita se deveria ao interesse de "manchar a imagem" da empresa, que deverá ser, em parte, privatizada este ano. A venda da Cedae foi exigência do governo federal, em 2017, para que o Estado entrasse no Regime de Recuperação Fiscal.

"Eu acredito, e está sendo apurado, em uma sabotagem por conta do leilão (da Cedae). Há muitos interesses envolvidos e eu pedi à Polícia que apurasse", disse Witzel a jornalistas em evento nesta segunda-feira, feriado de São Sebastião na cidade do Rio. O governador não deixou claro quem teria interesse em sabotar a empresa.

"Evidente que houve um fato ali, uma imperícia, e vamos apurar se essa imperícia foi dolosa ou culposa. Vamos apurar se quem deveria tomar conta para evitar que o que está acontecendo agora no verão, nas férias, foi simplesmente um fato culposo, incompetência", completou o governador.

A Polícia Civil do Rio já investiga há alguns dias a causa da poluição na água distribuída pela Cedae, depois que moradores de alguns bairros da capital registram danos à saúde trazidos pela poluição na água, como náuseas e diarreia. A população tem sido obrigada a comprar água mineral em algumas localidades, provocando a alta do produto no mercado.

O governador anunciou também que vai investir R$ 700 milhões em obras na estação de tratamento do Rio Guandu para viabilizar o leilão.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Witzel cita 'muitos interesses envolvidos' e diz suspeitar de sabotagem na Cedae


20/01/2020 | 13:01


O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse nesta segunda-feira, 20, que suspeita que um crime de sabotagem seja responsável pela crise no abastecimento da Companhia Estadual de Água e Esgoto (Cedae), que há cerca de 15 dias tem seu fornecimento prejudicado pela contaminação de uma substância formada por algas chamada geosmina, que confere odor, cheiro e cor à água.

Sem dar detalhes, ele afirmou que a suspeita se deveria ao interesse de "manchar a imagem" da empresa, que deverá ser, em parte, privatizada este ano. A venda da Cedae foi exigência do governo federal, em 2017, para que o Estado entrasse no Regime de Recuperação Fiscal.

"Eu acredito, e está sendo apurado, em uma sabotagem por conta do leilão (da Cedae). Há muitos interesses envolvidos e eu pedi à Polícia que apurasse", disse Witzel a jornalistas em evento nesta segunda-feira, feriado de São Sebastião na cidade do Rio. O governador não deixou claro quem teria interesse em sabotar a empresa.

"Evidente que houve um fato ali, uma imperícia, e vamos apurar se essa imperícia foi dolosa ou culposa. Vamos apurar se quem deveria tomar conta para evitar que o que está acontecendo agora no verão, nas férias, foi simplesmente um fato culposo, incompetência", completou o governador.

A Polícia Civil do Rio já investiga há alguns dias a causa da poluição na água distribuída pela Cedae, depois que moradores de alguns bairros da capital registram danos à saúde trazidos pela poluição na água, como náuseas e diarreia. A população tem sido obrigada a comprar água mineral em algumas localidades, provocando a alta do produto no mercado.

O governador anunciou também que vai investir R$ 700 milhões em obras na estação de tratamento do Rio Guandu para viabilizar o leilão.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;