Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

É preciso ter mais ação


Do Diário do Grande ABC

20/01/2020 | 09:41


O comércio ilegal nos vagões da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) é prática constante. Passageiros são abordados diariamente por ambulantes que oferecem diversos tipos de produtos de origem duvidosa e que conseguem driblar a ação dos seguranças da empresa.


Dados divulgados pela CPTM indicam que entre os meses de janeiro e novembro do último ano foram realizadas 3.516 apreensões, média de dez por dia, com 114.143 mercadorias recolhidas somente na Linha 10-Turquesa, que liga o Grande ABC à Capital. Em 2018, foram 1.378 pessoas flagradas e 61.566 itens, como alimentos, balas, chocolates, água e eletrônicos apreendidos nas ações.


A companhia destaca a elevação nos números e os condiciona ao aumento na segurança nas composições. A empresa ainda pede a colaboração dos usuários no sentido de não comprar para, dessa forma, desestimular os infratores.

É evidente que houve melhora nos resultados. Entretanto, diante do testemunho da equipe de reportagem deste Diário em poucas viagens e de depoimentos de pessoas que usam os trens diariamente, fica claro que a fiscalização não é tão efetiva assim.


Pela quantidade de vendedores clandestinos visualizados no interior dos vagões e pelo entra e sai a cada parada, dá para afirmar, sem exagero, que em apenas uma viagem da Linha 10-Turquesa seria possível realizar as dez apreensões diárias apresentadas pela CPTM.

O que se espera é que com o convênio firmado com a Polícia Militar para a atuação de agentes em algumas estações no combate a crimes que envolvam furtos, roubos, assédio sexual ou venda de bilhetes ilegais, por exemplo, os seguranças da CPTM possam se dedicar ainda mais a impedir a farra dos ambulantes.


A CPTM tem o dever e a autoridade para fiscalizar, como disse especialista ouvido pela reportagem. É necessário que encontre formas de dar um basta a essa afronta. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

É preciso ter mais ação

Do Diário do Grande ABC

20/01/2020 | 09:41


O comércio ilegal nos vagões da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) é prática constante. Passageiros são abordados diariamente por ambulantes que oferecem diversos tipos de produtos de origem duvidosa e que conseguem driblar a ação dos seguranças da empresa.


Dados divulgados pela CPTM indicam que entre os meses de janeiro e novembro do último ano foram realizadas 3.516 apreensões, média de dez por dia, com 114.143 mercadorias recolhidas somente na Linha 10-Turquesa, que liga o Grande ABC à Capital. Em 2018, foram 1.378 pessoas flagradas e 61.566 itens, como alimentos, balas, chocolates, água e eletrônicos apreendidos nas ações.


A companhia destaca a elevação nos números e os condiciona ao aumento na segurança nas composições. A empresa ainda pede a colaboração dos usuários no sentido de não comprar para, dessa forma, desestimular os infratores.

É evidente que houve melhora nos resultados. Entretanto, diante do testemunho da equipe de reportagem deste Diário em poucas viagens e de depoimentos de pessoas que usam os trens diariamente, fica claro que a fiscalização não é tão efetiva assim.


Pela quantidade de vendedores clandestinos visualizados no interior dos vagões e pelo entra e sai a cada parada, dá para afirmar, sem exagero, que em apenas uma viagem da Linha 10-Turquesa seria possível realizar as dez apreensões diárias apresentadas pela CPTM.

O que se espera é que com o convênio firmado com a Polícia Militar para a atuação de agentes em algumas estações no combate a crimes que envolvam furtos, roubos, assédio sexual ou venda de bilhetes ilegais, por exemplo, os seguranças da CPTM possam se dedicar ainda mais a impedir a farra dos ambulantes.


A CPTM tem o dever e a autoridade para fiscalizar, como disse especialista ouvido pela reportagem. É necessário que encontre formas de dar um basta a essa afronta. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;