Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Vida pós-Ford

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ex-funcionários recorrem a trabalho informal e a franquias, mas não perdem a esperança de obter seus empregos de volta


Yara Ferraz
Diário do Grande ABC

18/01/2020 | 23:59


Diante do encerramento da produção da Ford em São Bernardo, em outubro do ano passado, e da expectativa da venda do parque fabril a outra montadora, o que era aguardado por parte da Caoa – o que não se concretizou e frustrou ex-funcionários –, restou aos metalúrgicos lançar mão de plano B para pagar suas contas. Dentre as atividades desenvolvidas, houve quem passou a atuar como motorista de aplicativo, assim como os que decidiram se arriscar no universo do empreendedorismo. Tudo isso sem perder a esperança de retornar ao trabalho na fábrica do Taboão, mesmo que sob a gestão de outra companhia, e com salários em média 30% menores.

É o caso do morador do Jardim Canhema, em Diadema, Leone Cleber Duarte Cruz, 29 anos, que cresceu vendo o seu pai trabalhar na Ford e sempre teve o sonho de também entrar na montadora, o que ele conseguiu em 2012 na unidade de Taubaté, no Interior. Em 2014, foi transferido para São Bernardo e, desde abril do ano passado, antes mesmo do encerramento das atividades da norte-americana, começou a trabalhar de motorista de aplicativo nos dias em que folgava da linha de montagem de caminhões. “Meu pai se aposentou há quatro anos na Ford. Ele entrou lá em 1992 e tudo o que tivemos devemos à Ford, que era o sustento da nossa família. Eu queria isso para mim também, trabalhar numa multinacional, com bom salário e benefícios. Tínhamos sindicato ativo e ótimo plano médico. Agora sou autônomo, trabalho para uma empresa, mas não tenho nenhum vínculo com ela, somente faço as viagens e recebo por isso”, afirmou.

A notícia do fechamento foi dada aos funcionários e à imprensa em fevereiro do ano passado. Cruz contou que, desde veio para São Bernardo, ficava bastante em casa, já que nem sempre trabalhava todos os dias da semana – isso já começou a ocorrer quando a montadora fez com que todos os operários atuassem tanto na produção de caminhões como na do New Fiesta –, mas nunca pensou na possibilidade de fechamento. Ele saiu da Ford com 1.300 horas negativas, o que equivale a pouco mais de cinco meses em casa.Recém-casado no fim de 2018, foi pego de surpresa, já que tinha acabado de comprar apartamento financiado, além de arcar com os custos de móveis, eletrodomésticos e da festa de casamento. “Eu estava casado não fazia cinco meses, então me pegou de ‘calça arriada’. Foi uma dívida que fiz contando com o dinheiro que recebia, por isso decidi entrar no aplicativo, porque precisava pingar pelo menos um pouco mais. A gente recebeu a rescisão, mas uma hora o dinheiro acaba.”

Desde então, a vida de Cruz mudou radicalmente. Na Ford, ele entrava às 7h e saia às 16h30. Como ponteador, trabalhava na soldagem do assoalho dos caminhões da série F, no início da linha, quando o esqueleto do veículo era estruturado. Seu salário era de R$ 5.400. Agora, dirige das 5h30 às 17h e, em um mês rentável, consegue tirar média de R$ 3.000, ou seja, seu rendimento despencou 44,44%. “Não é o que pretendo ficar fazendo para sempre, mas é dinheiro imediato. Ficamos na expectativa de alguma mudança nas negociações da fábrica, mas, enquanto isso não acontece, vamos nos adaptando.”

Ele não perde a esperança e defende que a fábrica à qual se dedicou nos últimos seis anos tem capacidade para continuar a produzir. “Por mais que a Caoa não vá mais comprar, eu acredito que alguma empresa assuma. É um espaço bom, já tem tudo. A linha de caminhões é moderna e rentável. Por exemplo, nós fechamos enquanto Scania e Mercedes estavam investindo”, disse. Caso a venda da planta do Taboão não se concretize, Cruz pretende conquistar novo emprego na indústria de pesados ou montar um negócio de funilaria, curso que ele inicia nesta semana.

EMPREENDER - Os ex-funcionários também enxergaram no desemprego uma alternativa para montar o negócio próprio, com ajuda do dinheiro da rescisão para a manutenção. O ex-metalúrgico Antonio Carlos Negreiros Januzzi, 43, efetuou a compra de franquia de esmalteria um dia antes de receber a notícia do fechamento da Ford. O intuito era que a sua mulher Ana Paula de Moraes Januzzi, 35, tocasse o negócio, que atualmente é o sustento da família.

“Eu morava em Taubaté e consegui entrar na Ford em processo seletivo em 2012. Com a crise de 2014, como eu tinha contrato temporário de dois anos, me disseram que teria de vir a São Bernardo ou seria demitido. Mudei toda a minha vida para cá, assim como a da minha família. Tive que ficar oito meses sozinho, porque meus filhos estavam no meio do ano letivo. Mas, desde então, sempre quis ter um plano B para não ver a possibilidade de perder o meu emprego desse jeito. Porém, eu vim para cá para não perder meu sustento e, depois de cinco anos, a Ford anunciou o fechamento”, contou.

A franquia Unhas Cariocas foi inaugurada em setembro com quatro funcionárias no Golden Square Shopping, em São Bernardo. Atualmente já são nove. Porém, em vez do horário comercial que fazia na montadora, agora se dedica 100% do tempo à loja, trabalhando das 10h às 22h, todos os dias da semana. Januzzi já conseguiu igualar o salário que recebia (média de R$ 5.000), mas, mesmo assim, deseja voltar para a fábrica.

“A loja se mantém, junto com a minha casa, não me sobra dinheiro. O novo negócio tem caminho árduo para percorrer, então, hoje, por exemplo, eu não consigo pagar a contribuição do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para mim. Aqui eu tenho obrigações e não posso me descuidar da saúde financeira da empresa”, relatou.

A supervisora de produção Eidi Klein Gubica, 51, já tinha 24 anos de Ford em São Bernardo e há três anos chefiava equipe de 72 homens na formação de carroceria de caminhões. Ela decidiu investir em loja de moda íntima, no bairro em que mora (Moema, em São Paulo), que será inaugurada em fevereiro, após mandar vários currículos e não receber resposta. “Tenho duas faculdades (Engenharia Mecânica e Administração de Empresas) e inglês fluente. Acho que por causa da minha idade, não cheguei nem a ser chamada para entrevista”, lamentou.

Ela contou que os últimos dias foram os mais pesados, após o anúncio do fechamento. “Foi terrível. Era um baixo astral. A gente entrava e via aquela fábrica deserta, era assustador”, lembrou. “Gostaria de voltar para esse mercado. Então colocaria um gerente na loja. Gostava do que eu fazia e estava realizada profissionalmente. A gente nunca esperava que essa fábrica em São Bernardo fosse fechar”, disse.

STATUS - No início deste ano, a Caoa, que já tinha assumido interesse na fábrica, desistiu oficialmente da compra. Atualmente há duas montadoras chinesas interessadas na aquisição.

Especialistas alertam para risco de precarização do trabalho

Especialistas avaliam que a solução encontrada pelos trabalhadores é paliativa, e que pode gerar precarização nas novas relações de trabalho. Além disso, ponderam que, por mais que alguns trabalhadores estejam gerando emprego, o impacto do fechamento da Ford dificilmente será superado.

O coordenador de estudos do Observatório Econômico da Universidade Metodista de São Paulo, Sandro Maskio, afirmou que recorrer a aplicativos é solução de curto prazo. “Trata-se de uma forma rápida de obter recursos para quem tem contas a pagar. Mas aqui vale a observação de que o Brasil não está se tornando empreendedor quando isso vem de uma precariedade do mercado de trabalho, e esses profissionais recorrem a uma fonte de renda alternativa, onde não terão benefícios como tempo de previdência”, disse. São exemplos também plano de saúde, FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e vale-alimentação.

O coordenador do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Jefferson José da Conceição, assinalou que não há absorção do impacto de fechamento da empresa. “Pelo contrário, estamos próximos do excesso de oferta de pessoas nos aplicativos, em algum momento isso não vai ser bom nem para o empregado nem para a empresa. Franquias são alternativa para quem está desempregado e alguns trabalhadores têm dinheiro de rescisão para investir. Porém, precisam ficar atentos e fazer estudo de mercado, já que se faz investimento elevado.” Sem contar que a taxa de mortalidade de novos negócios nos primeiros anos costuma ser alta.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vida pós-Ford

Ex-funcionários recorrem a trabalho informal e a franquias, mas não perdem a esperança de obter seus empregos de volta

Yara Ferraz
Diário do Grande ABC

18/01/2020 | 23:59


Diante do encerramento da produção da Ford em São Bernardo, em outubro do ano passado, e da expectativa da venda do parque fabril a outra montadora, o que era aguardado por parte da Caoa – o que não se concretizou e frustrou ex-funcionários –, restou aos metalúrgicos lançar mão de plano B para pagar suas contas. Dentre as atividades desenvolvidas, houve quem passou a atuar como motorista de aplicativo, assim como os que decidiram se arriscar no universo do empreendedorismo. Tudo isso sem perder a esperança de retornar ao trabalho na fábrica do Taboão, mesmo que sob a gestão de outra companhia, e com salários em média 30% menores.

É o caso do morador do Jardim Canhema, em Diadema, Leone Cleber Duarte Cruz, 29 anos, que cresceu vendo o seu pai trabalhar na Ford e sempre teve o sonho de também entrar na montadora, o que ele conseguiu em 2012 na unidade de Taubaté, no Interior. Em 2014, foi transferido para São Bernardo e, desde abril do ano passado, antes mesmo do encerramento das atividades da norte-americana, começou a trabalhar de motorista de aplicativo nos dias em que folgava da linha de montagem de caminhões. “Meu pai se aposentou há quatro anos na Ford. Ele entrou lá em 1992 e tudo o que tivemos devemos à Ford, que era o sustento da nossa família. Eu queria isso para mim também, trabalhar numa multinacional, com bom salário e benefícios. Tínhamos sindicato ativo e ótimo plano médico. Agora sou autônomo, trabalho para uma empresa, mas não tenho nenhum vínculo com ela, somente faço as viagens e recebo por isso”, afirmou.

A notícia do fechamento foi dada aos funcionários e à imprensa em fevereiro do ano passado. Cruz contou que, desde veio para São Bernardo, ficava bastante em casa, já que nem sempre trabalhava todos os dias da semana – isso já começou a ocorrer quando a montadora fez com que todos os operários atuassem tanto na produção de caminhões como na do New Fiesta –, mas nunca pensou na possibilidade de fechamento. Ele saiu da Ford com 1.300 horas negativas, o que equivale a pouco mais de cinco meses em casa.Recém-casado no fim de 2018, foi pego de surpresa, já que tinha acabado de comprar apartamento financiado, além de arcar com os custos de móveis, eletrodomésticos e da festa de casamento. “Eu estava casado não fazia cinco meses, então me pegou de ‘calça arriada’. Foi uma dívida que fiz contando com o dinheiro que recebia, por isso decidi entrar no aplicativo, porque precisava pingar pelo menos um pouco mais. A gente recebeu a rescisão, mas uma hora o dinheiro acaba.”

Desde então, a vida de Cruz mudou radicalmente. Na Ford, ele entrava às 7h e saia às 16h30. Como ponteador, trabalhava na soldagem do assoalho dos caminhões da série F, no início da linha, quando o esqueleto do veículo era estruturado. Seu salário era de R$ 5.400. Agora, dirige das 5h30 às 17h e, em um mês rentável, consegue tirar média de R$ 3.000, ou seja, seu rendimento despencou 44,44%. “Não é o que pretendo ficar fazendo para sempre, mas é dinheiro imediato. Ficamos na expectativa de alguma mudança nas negociações da fábrica, mas, enquanto isso não acontece, vamos nos adaptando.”

Ele não perde a esperança e defende que a fábrica à qual se dedicou nos últimos seis anos tem capacidade para continuar a produzir. “Por mais que a Caoa não vá mais comprar, eu acredito que alguma empresa assuma. É um espaço bom, já tem tudo. A linha de caminhões é moderna e rentável. Por exemplo, nós fechamos enquanto Scania e Mercedes estavam investindo”, disse. Caso a venda da planta do Taboão não se concretize, Cruz pretende conquistar novo emprego na indústria de pesados ou montar um negócio de funilaria, curso que ele inicia nesta semana.

EMPREENDER - Os ex-funcionários também enxergaram no desemprego uma alternativa para montar o negócio próprio, com ajuda do dinheiro da rescisão para a manutenção. O ex-metalúrgico Antonio Carlos Negreiros Januzzi, 43, efetuou a compra de franquia de esmalteria um dia antes de receber a notícia do fechamento da Ford. O intuito era que a sua mulher Ana Paula de Moraes Januzzi, 35, tocasse o negócio, que atualmente é o sustento da família.

“Eu morava em Taubaté e consegui entrar na Ford em processo seletivo em 2012. Com a crise de 2014, como eu tinha contrato temporário de dois anos, me disseram que teria de vir a São Bernardo ou seria demitido. Mudei toda a minha vida para cá, assim como a da minha família. Tive que ficar oito meses sozinho, porque meus filhos estavam no meio do ano letivo. Mas, desde então, sempre quis ter um plano B para não ver a possibilidade de perder o meu emprego desse jeito. Porém, eu vim para cá para não perder meu sustento e, depois de cinco anos, a Ford anunciou o fechamento”, contou.

A franquia Unhas Cariocas foi inaugurada em setembro com quatro funcionárias no Golden Square Shopping, em São Bernardo. Atualmente já são nove. Porém, em vez do horário comercial que fazia na montadora, agora se dedica 100% do tempo à loja, trabalhando das 10h às 22h, todos os dias da semana. Januzzi já conseguiu igualar o salário que recebia (média de R$ 5.000), mas, mesmo assim, deseja voltar para a fábrica.

“A loja se mantém, junto com a minha casa, não me sobra dinheiro. O novo negócio tem caminho árduo para percorrer, então, hoje, por exemplo, eu não consigo pagar a contribuição do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para mim. Aqui eu tenho obrigações e não posso me descuidar da saúde financeira da empresa”, relatou.

A supervisora de produção Eidi Klein Gubica, 51, já tinha 24 anos de Ford em São Bernardo e há três anos chefiava equipe de 72 homens na formação de carroceria de caminhões. Ela decidiu investir em loja de moda íntima, no bairro em que mora (Moema, em São Paulo), que será inaugurada em fevereiro, após mandar vários currículos e não receber resposta. “Tenho duas faculdades (Engenharia Mecânica e Administração de Empresas) e inglês fluente. Acho que por causa da minha idade, não cheguei nem a ser chamada para entrevista”, lamentou.

Ela contou que os últimos dias foram os mais pesados, após o anúncio do fechamento. “Foi terrível. Era um baixo astral. A gente entrava e via aquela fábrica deserta, era assustador”, lembrou. “Gostaria de voltar para esse mercado. Então colocaria um gerente na loja. Gostava do que eu fazia e estava realizada profissionalmente. A gente nunca esperava que essa fábrica em São Bernardo fosse fechar”, disse.

STATUS - No início deste ano, a Caoa, que já tinha assumido interesse na fábrica, desistiu oficialmente da compra. Atualmente há duas montadoras chinesas interessadas na aquisição.

Especialistas alertam para risco de precarização do trabalho

Especialistas avaliam que a solução encontrada pelos trabalhadores é paliativa, e que pode gerar precarização nas novas relações de trabalho. Além disso, ponderam que, por mais que alguns trabalhadores estejam gerando emprego, o impacto do fechamento da Ford dificilmente será superado.

O coordenador de estudos do Observatório Econômico da Universidade Metodista de São Paulo, Sandro Maskio, afirmou que recorrer a aplicativos é solução de curto prazo. “Trata-se de uma forma rápida de obter recursos para quem tem contas a pagar. Mas aqui vale a observação de que o Brasil não está se tornando empreendedor quando isso vem de uma precariedade do mercado de trabalho, e esses profissionais recorrem a uma fonte de renda alternativa, onde não terão benefícios como tempo de previdência”, disse. São exemplos também plano de saúde, FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e vale-alimentação.

O coordenador do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Jefferson José da Conceição, assinalou que não há absorção do impacto de fechamento da empresa. “Pelo contrário, estamos próximos do excesso de oferta de pessoas nos aplicativos, em algum momento isso não vai ser bom nem para o empregado nem para a empresa. Franquias são alternativa para quem está desempregado e alguns trabalhadores têm dinheiro de rescisão para investir. Porém, precisam ficar atentos e fazer estudo de mercado, já que se faz investimento elevado.” Sem contar que a taxa de mortalidade de novos negócios nos primeiros anos costuma ser alta.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;