Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Superávit da balança comercial brasileira recua em 2019, revela FGV/Icomex



17/01/2020 | 08:55


O superávit da balança comercial brasileira diminuiu de US$ 58 bilhões em 2018 para US$ 46,7 bilhões em 2019. A corrente de comércio recuou 4,6% no ano passado, como consequência de uma redução de 6,4% nas exportações e queda de 2,1% nas importações, em valores. Os dados são do Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado nesta sexta-feira, 17, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Quanto às exportações, houve uma retração de 5,0% nos preços e redução de 1,8% no volume. No caso das importações, os preços caíram 4,4%, mas o volume cresceu 2,4%.

A agropecuária e a indústria extrativa foram as principais fontes de aumento das reservas internacionais via balança comercial em 2019, com superávits de US$ 36,4 bilhões e US$ 35,3 bilhões, respectivamente. Já a indústria de transformação teve um déficit de US$ 25,6 bilhões.

Em 2019, o Brasil aumentou o volume exportado para Estados Unidos (14,4%) e México (8,8%). Por outro lado, houve redução na destinação de produtos para a Argentina (-31,8%), União Europeia (-10,6%) e China (-1,3%).

O volume importado aumentou apenas para os produtos vindos dos Estado Unidos (10,7%) e da China (3,2%). Houve recuos nas importações provenientes do México (-13,0%), União Europeia (-3,5%) e Argentina (-1,8%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Superávit da balança comercial brasileira recua em 2019, revela FGV/Icomex


17/01/2020 | 08:55


O superávit da balança comercial brasileira diminuiu de US$ 58 bilhões em 2018 para US$ 46,7 bilhões em 2019. A corrente de comércio recuou 4,6% no ano passado, como consequência de uma redução de 6,4% nas exportações e queda de 2,1% nas importações, em valores. Os dados são do Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado nesta sexta-feira, 17, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Quanto às exportações, houve uma retração de 5,0% nos preços e redução de 1,8% no volume. No caso das importações, os preços caíram 4,4%, mas o volume cresceu 2,4%.

A agropecuária e a indústria extrativa foram as principais fontes de aumento das reservas internacionais via balança comercial em 2019, com superávits de US$ 36,4 bilhões e US$ 35,3 bilhões, respectivamente. Já a indústria de transformação teve um déficit de US$ 25,6 bilhões.

Em 2019, o Brasil aumentou o volume exportado para Estados Unidos (14,4%) e México (8,8%). Por outro lado, houve redução na destinação de produtos para a Argentina (-31,8%), União Europeia (-10,6%) e China (-1,3%).

O volume importado aumentou apenas para os produtos vindos dos Estado Unidos (10,7%) e da China (3,2%). Houve recuos nas importações provenientes do México (-13,0%), União Europeia (-3,5%) e Argentina (-1,8%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;