Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

São Bernardo quer R$ 13,5 mi com concessão do 1º de Maio

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Administração torna público edital, que prevê contrato de até 15 anos e exige investimentos


Raphael Rocha
Do dgabc.com.br

15/01/2020 | 23:20


O governo do prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), estima arrecadar pelo menos R$ 13,5 milhões com a concessão do Estádio 1º de Maio, localizado na região central da cidade, para a iniciativa privada.

O contrato prevê que, desse montante, R$ 10 milhões ao menos sejam de outorga fixa pelo direito de exploração da praça esportiva e o restante em cima do faturamento que a empresa terá ao administrar o espaço.

A concorrência pública foi autorizada na terça-feira pelo governo Morando e as propostas podem ser enviadas até o dia 4 de março. Vence a firma que oferecer o maior valor para a gestão do estádio. O edital só foi tornado público ontem.

A vencedora do contrato – de dez anos, prorrogáveis por mais cinco – ficará responsável por executar obras de reforma das arquibancadas, melhoria nos sanitários, de acessibilidade, construir área de convivência, instalar sistema de ar-condicionado e implementar sala de primeiros socorros – serviços avaliados pela Prefeitura de São Bernardo em R$ 3,5 milhões.

A empresa poderá explorar comercialmente o Estádio 1º de Maio com cobrança de tarifas por seu uso, inclusive para eventos esportivos privados, recreativos, educacionais, de lazer, culturais. Verba com patrocínio em placas de publicidade também irão para a detentora da concessão.

Na avaliação do governo Morando, a terceirização da praça renderá economia de R$ 40 mil mensais aos cofres públicos, além de garantir melhoria na estrutura sem custos ao poder público.

Até o início da gestão, a Prefeitura tinha parceria com o São Bernardo FC para utilização do local. O governo Morando cancelou o contrato e agora cobra aluguel para uso. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Bernardo quer R$ 13,5 mi com concessão do 1º de Maio

Administração torna público edital, que prevê contrato de até 15 anos e exige investimentos

Raphael Rocha
Do dgabc.com.br

15/01/2020 | 23:20


O governo do prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), estima arrecadar pelo menos R$ 13,5 milhões com a concessão do Estádio 1º de Maio, localizado na região central da cidade, para a iniciativa privada.

O contrato prevê que, desse montante, R$ 10 milhões ao menos sejam de outorga fixa pelo direito de exploração da praça esportiva e o restante em cima do faturamento que a empresa terá ao administrar o espaço.

A concorrência pública foi autorizada na terça-feira pelo governo Morando e as propostas podem ser enviadas até o dia 4 de março. Vence a firma que oferecer o maior valor para a gestão do estádio. O edital só foi tornado público ontem.

A vencedora do contrato – de dez anos, prorrogáveis por mais cinco – ficará responsável por executar obras de reforma das arquibancadas, melhoria nos sanitários, de acessibilidade, construir área de convivência, instalar sistema de ar-condicionado e implementar sala de primeiros socorros – serviços avaliados pela Prefeitura de São Bernardo em R$ 3,5 milhões.

A empresa poderá explorar comercialmente o Estádio 1º de Maio com cobrança de tarifas por seu uso, inclusive para eventos esportivos privados, recreativos, educacionais, de lazer, culturais. Verba com patrocínio em placas de publicidade também irão para a detentora da concessão.

Na avaliação do governo Morando, a terceirização da praça renderá economia de R$ 40 mil mensais aos cofres públicos, além de garantir melhoria na estrutura sem custos ao poder público.

Até o início da gestão, a Prefeitura tinha parceria com o São Bernardo FC para utilização do local. O governo Morando cancelou o contrato e agora cobra aluguel para uso. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;