Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Petroleiros protestam contra interesse do Mubadala por refinaria da Petrobras



15/01/2020 | 14:02


A visita da comitiva do fundo de investimento árabe Mubadala, uma das possíveis interessadas na compra da refinaria Landulpho Alves (RLAM), da Petrobras, provocou na terça-feira, 14, a manifestação de trabalhadores da unidade, segundo o Sindipetro Bahia, assim como tinha ocorrido na última segunda-feira na Repar, refinaria da empresa do Paraná também incluída na lista de venda da estatal, e que recebeu a visita de investidores chineses da Sinopec.

O ato vem se somar a reações dos empregados da estatal em outras áreas, como a ameaça de greve nacional feita na terça no Paraná, após a Petrobras informar que pode desativar a fábrica de fertilizantes em Araucária, a Fafen-PR.

Segundo o Sindipetro Bahia, o movimento de terça teve por objetivo mandar um recado para os possíveis futuros donos da unidade, que junto com outras três refinarias da companhia - Abreu e Lima (RNEST) em Pernambuco, Presidente Getúlio Vargas (Repar) no Paraná e Alberto Pasqualini (Refap) - entraram em novembro do ano passado em fase vinculante, ou seja, apta a receber informações da estatal e enviar propostas.

"Nós, trabalhadores da Petrobras, estamos aqui mais uma vez mostrando disposição para luta, dando um recado claro de que não vamos aceitar a privatização da Petrobras, nem mesmo da nossa RLAM", afirmou em nota o coordenador geral do Sindipetro Bahia, Jairo Batista.

A avaliação do sindicato é que a venda da unidade vai trazer prejuízo para a região, argumentando que uma empresa privada não teria o mesmo compromisso social da estatal. Para tentar barrar a venda, o sindicalista afirma que a categoria vai resistir "de todas as formas", mas não deu detalhes.

"Nós resistiremos até às últimas consequências para evitar que a RLAM, que é a primeira da Petrobras no Brasil, seja entregue a outros países. Não faz sentido algum, um governo que se diz patriota, entregar para outros países, uma empresa tão estratégica para o Brasil", afirmou o diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deivid Bacelar, sobre o protesto na Bahia.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Petroleiros protestam contra interesse do Mubadala por refinaria da Petrobras


15/01/2020 | 14:02


A visita da comitiva do fundo de investimento árabe Mubadala, uma das possíveis interessadas na compra da refinaria Landulpho Alves (RLAM), da Petrobras, provocou na terça-feira, 14, a manifestação de trabalhadores da unidade, segundo o Sindipetro Bahia, assim como tinha ocorrido na última segunda-feira na Repar, refinaria da empresa do Paraná também incluída na lista de venda da estatal, e que recebeu a visita de investidores chineses da Sinopec.

O ato vem se somar a reações dos empregados da estatal em outras áreas, como a ameaça de greve nacional feita na terça no Paraná, após a Petrobras informar que pode desativar a fábrica de fertilizantes em Araucária, a Fafen-PR.

Segundo o Sindipetro Bahia, o movimento de terça teve por objetivo mandar um recado para os possíveis futuros donos da unidade, que junto com outras três refinarias da companhia - Abreu e Lima (RNEST) em Pernambuco, Presidente Getúlio Vargas (Repar) no Paraná e Alberto Pasqualini (Refap) - entraram em novembro do ano passado em fase vinculante, ou seja, apta a receber informações da estatal e enviar propostas.

"Nós, trabalhadores da Petrobras, estamos aqui mais uma vez mostrando disposição para luta, dando um recado claro de que não vamos aceitar a privatização da Petrobras, nem mesmo da nossa RLAM", afirmou em nota o coordenador geral do Sindipetro Bahia, Jairo Batista.

A avaliação do sindicato é que a venda da unidade vai trazer prejuízo para a região, argumentando que uma empresa privada não teria o mesmo compromisso social da estatal. Para tentar barrar a venda, o sindicalista afirma que a categoria vai resistir "de todas as formas", mas não deu detalhes.

"Nós resistiremos até às últimas consequências para evitar que a RLAM, que é a primeira da Petrobras no Brasil, seja entregue a outros países. Não faz sentido algum, um governo que se diz patriota, entregar para outros países, uma empresa tão estratégica para o Brasil", afirmou o diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deivid Bacelar, sobre o protesto na Bahia.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;