Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Copinha exige partes física e psicológica dos jovens atletas

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Partidas eliminatórias a cada dois dias colocam atletas a grande prova; preparadores opinam


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

13/01/2020 | 23:35


A Copa São Paulo de Futebol Júnior é o ápice da carreira dos jogadores de base no Brasil. Mas, para alcançar a glória na competição, é preciso ultrapassar barreiras, que vão desde a concorrência de milhares de outros jogadores até o torneio em si, contra times de todo o País e, a partir do mata-mata, com jogos eliminatórios a cada dois dias e, por vezes, em horários que os expõem a muito sol ou chuvas torrenciais. Ou seja, exigências física e psicológica pesadas.

Dois times do Grande ABC resistem na Copinha. Aliás, ambos entram em campo hoje, às 16h, exatas 46 horas após conquistarem a classificação para esta etapa: São Bernardo FC e Água Santa. E os respectivos preparadores físicos falaram sobre os desafios para deixar todos os atletas nas melhores condições.

“É uma situação que acaba expondo bastante os atletas a lesões, porque a parte muscular não está 100% recuperada. Um dia só de folga praticamente. Depois que a equipe classifica da primeira fase até a semifinal é sempre assim, praticamente só recupera os atletas”, explicou Gustavo Barretti, do Netuno. “Uma equipe muito bem preparada corre riscos de lesões musculares e articulares. Esse risco aumenta quando a equipe não teve uma preparação tão adequada”, salienta Lucas Moraes, do Tigre.

Tanto são-bernardenses quanto diademenses vêm se preparando há meses para a competição, o que faz diferença em momentos como este de decisão e obrigatoriedade de vitória. “Tentamos fazer carga física pré-temporada, amistosos com pouco descanso entre um e outro, para chegar próximo do que ia acontecer na Copa São Paulo. E investimos pesado na parte de suplementação para a recuperação pós-treino e pós-jogo. Então a gente vem dando carga de suplementação desde outubro. Suplementar, alimentar e dormir bem são importantíssimos”, ressaltou Gustavo Barretti. “Nesse momento, estamos indo para o quinto jogo e até o momento não perdemos nenhum jogador por lesão muscular. Nossa equipe também não vem sofrendo com as famosas cãibras, mesmo jogando em horários pouco adequados, forte calor e grande umidade. Os atletas sabiam que seria competição de superação e até o momento estão se superando”, destacou Lucas Soares. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Copinha exige partes física e psicológica dos jovens atletas

Partidas eliminatórias a cada dois dias colocam atletas a grande prova; preparadores opinam

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

13/01/2020 | 23:35


A Copa São Paulo de Futebol Júnior é o ápice da carreira dos jogadores de base no Brasil. Mas, para alcançar a glória na competição, é preciso ultrapassar barreiras, que vão desde a concorrência de milhares de outros jogadores até o torneio em si, contra times de todo o País e, a partir do mata-mata, com jogos eliminatórios a cada dois dias e, por vezes, em horários que os expõem a muito sol ou chuvas torrenciais. Ou seja, exigências física e psicológica pesadas.

Dois times do Grande ABC resistem na Copinha. Aliás, ambos entram em campo hoje, às 16h, exatas 46 horas após conquistarem a classificação para esta etapa: São Bernardo FC e Água Santa. E os respectivos preparadores físicos falaram sobre os desafios para deixar todos os atletas nas melhores condições.

“É uma situação que acaba expondo bastante os atletas a lesões, porque a parte muscular não está 100% recuperada. Um dia só de folga praticamente. Depois que a equipe classifica da primeira fase até a semifinal é sempre assim, praticamente só recupera os atletas”, explicou Gustavo Barretti, do Netuno. “Uma equipe muito bem preparada corre riscos de lesões musculares e articulares. Esse risco aumenta quando a equipe não teve uma preparação tão adequada”, salienta Lucas Moraes, do Tigre.

Tanto são-bernardenses quanto diademenses vêm se preparando há meses para a competição, o que faz diferença em momentos como este de decisão e obrigatoriedade de vitória. “Tentamos fazer carga física pré-temporada, amistosos com pouco descanso entre um e outro, para chegar próximo do que ia acontecer na Copa São Paulo. E investimos pesado na parte de suplementação para a recuperação pós-treino e pós-jogo. Então a gente vem dando carga de suplementação desde outubro. Suplementar, alimentar e dormir bem são importantíssimos”, ressaltou Gustavo Barretti. “Nesse momento, estamos indo para o quinto jogo e até o momento não perdemos nenhum jogador por lesão muscular. Nossa equipe também não vem sofrendo com as famosas cãibras, mesmo jogando em horários pouco adequados, forte calor e grande umidade. Os atletas sabiam que seria competição de superação e até o momento estão se superando”, destacou Lucas Soares. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;