Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Fabricantes de caças disputam terra de Lula


Soraia Abreu Pedrozo
do Diário do Grande ABC

11/11/2010 | 07:30


Enquanto o governo federal não decide de qual fabricante quer comprar os 36 aviões-caça para renovar a frota da FAB (Força Aérea Brasileira), a sueca Saab se adiantou e propôs à Prefeitura de São Bernardo a instalação de um centro de desenvolvimento de pesquisa aplicada, que será lançado em dezembro e terá R$ 50 milhões investidos ao longo de cinco anos.


Mesmo que não seja a escolhida pelo governo, a fabricante da aeronave Grippen garante manter o projeto, cujo escritório deverá ser estabelecido no Centro da cidade, com a possibilidade de ser no bairro Nova Petrópolis.
A cidade de Lula se tornou, nos últimos dias, alvo das montadoras que estão na disputa pelo contrato bilionário com o governo. O prefeito Luiz Marinho já foi procurado pela norte-americana Boeing, fabricante dos FA-18 Hornet, e pela francesa Dassault, fabricante do Rafale.

A Dassault afirma que, caso seja eleita, deseja instalar sua linha de montagem na cidade. "Será o governo federal quem vai decidir onde nos instalaremos. Porém, temos grande interesse na região devido à grande concentração industrial e tecnológica existente. Além disso, particularmente em São Bernardo há uma empresa eletrônica, a Omnisys, que tem entre seus acionistas o grupo francês Thales, e se tornou conhecida internacionalmente na área de radares", justifica Jean-Marc Merialdo, representante do Consórcio Rafale International no Brasil.

Ainda de acordo com Merialdo, muitas companhias da região utilizam software de desenvolvimento e gerenciamento de processos da francesa Dassault Sistema, o que já facilitaria o processo de produção devido à intimidade com o programa.

Quanto aos possíveis investimentos na cidade, o representante diz apenas que seria na casa das dezenas de milhões de reais. Até o momento foram firmados 68 acordos com 38 empresas em todo o País que, no caso de a fabricante não ser a escolhida, serão desfeitos. "Se não houver a montagem do Rafale no Brasil, para que vamos transferir a tecnologia da antena do radar, por exemplo? Não vai fazer sentido", diz Merialdo.

A Boeing, segundo Marinho, ainda não foi tão longe. Embora tenha conversado com o prefeito futuras parcerias, não fez planos de se estabelecer no Grande ABC caso seja a escolhida.
A sueca Saab, por sua vez, caso consiga vencer o processo, vai estabelecer linha de montagem em São Bernardo com investimento inicial de US$ 150 milhões. "Se isso acontecer, a Saab não só montará os aviões-caça, mas vai passar a exportá-los também", diz Marinho.

Questionado sobre já ter falado com Lula ou com sua sucessora, Dilma Roussef, sobre a iniciativa da montadora sueca na cidade, o prefeito conta que vai conversar com eles nos próximos dias. "De qualquer forma, imagino que essa decisão só vá ocorrer no período de transição."

CENTRO - O Centro de Desenvolvimento de Alta Tecnologia vai iniciar suas atividades em abril. Como sua sede será composta, em um primeiro momento, apenas por um escritório que terá entre 300 m² e 500 m², as pesquisas devem ser realizadas nas universidades parceiras da região - até o momento foram contatadas a FEI e a UFABC - e nas empresas.

"O centro será uma entidade sem fins lucrativos", aponta o diretor geral da Saab no Brasil, Bengt Janér. "O principal objetivo é fazer com que outros centros de pesquisa e outras indústrias se interessem vir para à região, para realizar um trabalho em conjunto."

A Saab propõe, inclusive, cursos para adaptar os futuros parceiros. "Temos grande interesse em incubar empresas que proponham novas tecnologias, com o auxílio da incubadora de São Bernardo", diz Janér.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;