Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

CB 650F é potente estilosa

Francisco Lacerda  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

É modelo altamente desejado pelos fãs de motocicletas de alta cilindrada, e pode, sim, atender aos desejos dos fãs da Hornet


Franscisco Lacerda
Do Diário do Grande ABC

09/01/2020 | 07:42


“É a substituta da Hornet?” A pergunta foi feita diversas vezes por outros motociclistas ao parar a CB 650F, da Honda, nos semáforos na região. A própria marca japonesa, entretanto, nega, sem ser convincente o suficiente para demover dos ‘horneteiros’ essa ideia.
Gostos à parte, as primeiras impressões no período em que a equipe do Diário passou com a motona na chamativa e bonita cor laranja – a outra desta versão é a vermelha – são de que ela é estilosa, potente, fácil de pilotar, esperta na aceleração, equilibrada em curvas, estável em tempos desfavoráveis à pilotagem, ágil e pronta até mesmo para andar, ou ‘desfilar’, no corredor do difícil trânsito da região.
O visual é radical e agressivo. O painel, digital e iluminado por LED, tem dois displays de fácil visualização e leitura. Guidão, esportivo, é baixo e avançado e o farol é também de LED. Nota-se claramente a ‘cara de má’, parecida, inclusive, com Bumblebee, personagem do filme Transformers, o que é negado pela Honda, já que direitos sobre a película pertencem a outra montadora. Abas à frente chamam atenção nas laterais do tanque (17,3 litros) e deixam o motor à vista. Assento é de dois níveis, com rabeta afilada. Câmbio de seis marchas dá força e rapidez à 650F. A velocidade nela cresce de maneira fascinante a partir da segunda marcha até a quinta, tanto na aceleração quanto em retomadas, sejam elas mais fortes ou em baixas e médias rotações. Se é amante de aventura, adrenalina, basta ‘esticar’ um pouquinho mais a marcha e ela responde na mesma proporção, chegando facilmente a altas velocidades.
Na estrada para o Interior, cerca de 850 quilômetros ida e volta, o motor, DOHC (Double Over Head Camshatt – duplo comando no cabeçote), de quatro cilindros quatro tempos e com 649 cilindradas, se mostrou potente e confiável. Responde com rapidez e eficiência, sem precisar ‘esgoelar’. A ‘nossa’ CB chegou segura a 201 km/h, e só não foi mais por extremo medo do condutor. O duplo comando de injeção eletrônica de combustível gera até 88,5 cv a 11 mil rpm e torque de 6,22 kgfm a 8.000 rpm. O sistema de injeção é o PGM-FI (Programmed Fuel Injection), no qual a exaustão dos gases ocorre por meio de escapamento 4 x 1, quatro tubos que se unem à ponteira, que se assemelha a uma obra de arte. O escapamento tem som característico, forte, imponente, agradável aos ouvidos, que urra chamando atenção mesmo não sendo esportivo, como se estivesse dizendo “vejam-me, estou passando”. E o olhos se voltam para ela.

SEGURANÇA
A CB 650F é ágil e segura, muito em razão da suspensão, com chassi de aço Diamont Frame (estrutura ligada de um lado à direção e, do outro, ao motor), garfo telescópico Shouwa de 120 milímetros na dianteira (garante respostas ligeiras ao frear em pisos irregulares); e mono shock de 128 milímetros na traseira (melhora a estabilidade). Esse conjunto facilita sobremaneira manobras curtas e dá a sensação de que se está pilotando motinha de menor cilindrada e comprimento, sem se importar se tem ou não garupa. Com ABS nos freios, os que evitam o travamento das rodas em paradas bruscas, a motona fornece equilíbrio e segurança ao piloto. Tudo isso sobre rodas de alumínio fundido calçadas com pneus 120/70-ZR17 na dianteira e 180/55-ZR17 na traseira. Ainda vem com sistema antifurto HISS (Honda Ignition Security System), que faz com que somente a chave original acione o motor; e garantia de três anos, sem limite de quilometragem.

PERSONALIDADE
A CB 650F tem personalidade tanto na estrada quanto no perímetro urbano. Estilo arrojado tanto nas rodovias ao Interior (muito calor, sol forte), na pista de terra até o sítio, quanto descendo a serra pela tranquila Anchieta (encoberta por neblina) e subindo-a pela congestionada Imigrantes (garoa e neblina) no retorno da época de festas, e mesmo nos corredores do já desesperador trânsito das cidades da região (as quatro estações juntas).
Ao apontar para ultrapassagem, há o respeito dos outros veículos saindo da frente. O consumo de combustível, claro, depende da maneira de pilotar, mas, em média, fez 18 km/l. É modelo altamente desejado pelos fãs de motocicletas de alta cilindrada, e pode, sim, atender aos desejos dos fãs da Hornet, coringa da Honda. A lamentar apenas o preço (sugerido a R$ 36.377) e a falta de indicação da marcha no painel.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

CB 650F é potente estilosa

É modelo altamente desejado pelos fãs de motocicletas de alta cilindrada, e pode, sim, atender aos desejos dos fãs da Hornet

Franscisco Lacerda
Do Diário do Grande ABC

09/01/2020 | 07:42


“É a substituta da Hornet?” A pergunta foi feita diversas vezes por outros motociclistas ao parar a CB 650F, da Honda, nos semáforos na região. A própria marca japonesa, entretanto, nega, sem ser convincente o suficiente para demover dos ‘horneteiros’ essa ideia.
Gostos à parte, as primeiras impressões no período em que a equipe do Diário passou com a motona na chamativa e bonita cor laranja – a outra desta versão é a vermelha – são de que ela é estilosa, potente, fácil de pilotar, esperta na aceleração, equilibrada em curvas, estável em tempos desfavoráveis à pilotagem, ágil e pronta até mesmo para andar, ou ‘desfilar’, no corredor do difícil trânsito da região.
O visual é radical e agressivo. O painel, digital e iluminado por LED, tem dois displays de fácil visualização e leitura. Guidão, esportivo, é baixo e avançado e o farol é também de LED. Nota-se claramente a ‘cara de má’, parecida, inclusive, com Bumblebee, personagem do filme Transformers, o que é negado pela Honda, já que direitos sobre a película pertencem a outra montadora. Abas à frente chamam atenção nas laterais do tanque (17,3 litros) e deixam o motor à vista. Assento é de dois níveis, com rabeta afilada. Câmbio de seis marchas dá força e rapidez à 650F. A velocidade nela cresce de maneira fascinante a partir da segunda marcha até a quinta, tanto na aceleração quanto em retomadas, sejam elas mais fortes ou em baixas e médias rotações. Se é amante de aventura, adrenalina, basta ‘esticar’ um pouquinho mais a marcha e ela responde na mesma proporção, chegando facilmente a altas velocidades.
Na estrada para o Interior, cerca de 850 quilômetros ida e volta, o motor, DOHC (Double Over Head Camshatt – duplo comando no cabeçote), de quatro cilindros quatro tempos e com 649 cilindradas, se mostrou potente e confiável. Responde com rapidez e eficiência, sem precisar ‘esgoelar’. A ‘nossa’ CB chegou segura a 201 km/h, e só não foi mais por extremo medo do condutor. O duplo comando de injeção eletrônica de combustível gera até 88,5 cv a 11 mil rpm e torque de 6,22 kgfm a 8.000 rpm. O sistema de injeção é o PGM-FI (Programmed Fuel Injection), no qual a exaustão dos gases ocorre por meio de escapamento 4 x 1, quatro tubos que se unem à ponteira, que se assemelha a uma obra de arte. O escapamento tem som característico, forte, imponente, agradável aos ouvidos, que urra chamando atenção mesmo não sendo esportivo, como se estivesse dizendo “vejam-me, estou passando”. E o olhos se voltam para ela.

SEGURANÇA
A CB 650F é ágil e segura, muito em razão da suspensão, com chassi de aço Diamont Frame (estrutura ligada de um lado à direção e, do outro, ao motor), garfo telescópico Shouwa de 120 milímetros na dianteira (garante respostas ligeiras ao frear em pisos irregulares); e mono shock de 128 milímetros na traseira (melhora a estabilidade). Esse conjunto facilita sobremaneira manobras curtas e dá a sensação de que se está pilotando motinha de menor cilindrada e comprimento, sem se importar se tem ou não garupa. Com ABS nos freios, os que evitam o travamento das rodas em paradas bruscas, a motona fornece equilíbrio e segurança ao piloto. Tudo isso sobre rodas de alumínio fundido calçadas com pneus 120/70-ZR17 na dianteira e 180/55-ZR17 na traseira. Ainda vem com sistema antifurto HISS (Honda Ignition Security System), que faz com que somente a chave original acione o motor; e garantia de três anos, sem limite de quilometragem.

PERSONALIDADE
A CB 650F tem personalidade tanto na estrada quanto no perímetro urbano. Estilo arrojado tanto nas rodovias ao Interior (muito calor, sol forte), na pista de terra até o sítio, quanto descendo a serra pela tranquila Anchieta (encoberta por neblina) e subindo-a pela congestionada Imigrantes (garoa e neblina) no retorno da época de festas, e mesmo nos corredores do já desesperador trânsito das cidades da região (as quatro estações juntas).
Ao apontar para ultrapassagem, há o respeito dos outros veículos saindo da frente. O consumo de combustível, claro, depende da maneira de pilotar, mas, em média, fez 18 km/l. É modelo altamente desejado pelos fãs de motocicletas de alta cilindrada, e pode, sim, atender aos desejos dos fãs da Hornet, coringa da Honda. A lamentar apenas o preço (sugerido a R$ 36.377) e a falta de indicação da marcha no painel.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;