Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Salles diz que COP25 'não deu em nada'



15/12/2019 | 16:42


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse no Twitter que a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2019 (COP25) "não deu em nada". Segundo ele, países ricos não querem abrir seus mercados de crédito de carbono. "Exigem medidas e apontam o dedo para o resto do mundo, sem cerimônia, mas na hora de colocar a mão no bolso, eles não querem", afirmou. Para Salles, "protecionismo e hipocrisia andaram de mãos dadas o tempo todo".

As negociações internacionais sobre mudanças climáticas terminaram neste domingo em Madri, na Espanha, sem que os participantes tenham chegado a um acordo sobre como regular os mercados globais de carbono. Apesar de manter as mais longas negociações climáticas já realizadas em quase 25 edições anuais, as conversas deixaram uma das questões mais espinhosas para a próxima cúpula, a ser realizada no ano que vem.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Salles diz que COP25 'não deu em nada'


15/12/2019 | 16:42


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse no Twitter que a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2019 (COP25) "não deu em nada". Segundo ele, países ricos não querem abrir seus mercados de crédito de carbono. "Exigem medidas e apontam o dedo para o resto do mundo, sem cerimônia, mas na hora de colocar a mão no bolso, eles não querem", afirmou. Para Salles, "protecionismo e hipocrisia andaram de mãos dadas o tempo todo".

As negociações internacionais sobre mudanças climáticas terminaram neste domingo em Madri, na Espanha, sem que os participantes tenham chegado a um acordo sobre como regular os mercados globais de carbono. Apesar de manter as mais longas negociações climáticas já realizadas em quase 25 edições anuais, as conversas deixaram uma das questões mais espinhosas para a próxima cúpula, a ser realizada no ano que vem.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;