Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Não existe o menor risco de o trabalho da agência de desenvolvimento regional acabar, sustenta Paulo Serra

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Órgão deve se tornar diretoria após dificuldades orçamentárias


Fábio Martins

15/12/2019 | 07:18


Perto de deixar a presidência do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, o prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), sustentou que “não há risco de o trabalho da Agência de Desenvolvimento Econômico acabar”, mesmo diante das dificuldades orçamentárias, situação que esbarrou no financiamento do órgão nos últimos exercícios. O tucano ficou no biênio 2017-2018 à frente da entidade, considerada estratégica pela vocação da região e criada, em 1998, como braço do Consórcio nas ações voltadas ao segmento.

Há iniciativa para transformar a agência em diretoria, integrada ao Consórcio – projeto de lei deve ser apreciado pelas Câmaras. “Ela foi criada em era de financiamento de época em que a economia vivia outro momento. Houve soma de enfraquecimento dos sindicatos, ao menos na capacidade financeira com a contribuição sendo desobrigada, com a crise, recessão que passa de cinco anos. Essa somatória gerou, realmente, decréscimo muito significativo. Pensamos na importação da agência pelo Consórcio. Está incluído no orçamento do 0,15% (percentual de rateio). Não há risco de a diretoria e do trabalho da agência acabar.”

A instituição de fomento é composta por quase 30 associados, entre representantes das prefeituras, de empresas privadas e da sociedade civil organizada, a exemplo de sindicatos, universidades e associações comerciais. O orçamento da agência teve redução drástica de cerca de dois terços ao longo dos últimos cinco anos. O cenário se agravou quando o Consórcio interrompeu os repasses diretos – aproximadamente 49% da receita – para a agência, visando adequar-se a questionamentos do TCE (Tribunal de Contas do Estado).

Apesar da mudança, Paulo Serra ponderou que é apenas formato jurídico diferente, sendo custeado pelo Consórcio. Segundo ele, tem a mesma função de fazer projetos, diagnósticos econômicos, de competitividade e interligação entre as forças produtivas da região. “É praticamente o mesmo conceito, só a forma de financiamento e formato jurídico que são outros para a própria sobrevivência. A agência, da forma com que ela foi montada, não sobreviveria.”  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;