Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Em um ano, o Grande ABC formaliza 28.771 profissionais

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alta é de 20,9%; total de 137,6 mil MEIs indica que 71% dos informais saíram desta condição


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

14/12/2019 | 07:15


O Grande ABC ganhou 28.771 MEIs (Microempreendedores Individuais) em 2019, ano em que a lei que criou a figura jurídica baseada no valor reduzido de impostos celebra dez anos de existência. Em dezembro do ano passado havia 108.830 profissionais com esse tipo de registro e, hoje, são 137.601, um salto de 20,9%. Os números foram levantados pelo Sebrae.

Na região, de acordo com estimativas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), existem cerca de 194 mil trabalhadores informais, portanto, 71% deles já saíram desta condição ao longo da última década.

Os resultados foram impulsionados pela crise econômica, com os então desempregados que passaram a empreender por necessidade, e pela própria desburocratização do sistema, que cobra menos para que o profissional se formalize.

Porém, diferentemente dos anos 2014 e 2015, auge da crise econômica, o Sebrae afirma que o empreendedorismo por oportunidade vem crescendo em proporção ao empreendedorismo por necessidade. Nos últimos três anos, esse número chegou a 62% contra 56% do pico da crise.

Cabeleireiros, manicures e pedicures são os MEIs com mais formalizações na região. Ao todo, estão registrados no momento 12.171 no segmento. Na sequência, vêm profissionais que atuam no setor de comércio varejista de vestuário, somando 8.052 deles.

Para 2019, os valores cobrados por mês para a adesão ao regime variam, dependendo da atividade, de R$ 50,90 a R$ 55,90, e incluem ISS (Imposto Sobre Serviços), ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e contribuição ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Se enquadram na figura aqueles que faturam até R$ 81 mil por ano e tenham até um empregado, no máximo.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em um ano, o Grande ABC formaliza 28.771 profissionais

Alta é de 20,9%; total de 137,6 mil MEIs indica que 71% dos informais saíram desta condição

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

14/12/2019 | 07:15


O Grande ABC ganhou 28.771 MEIs (Microempreendedores Individuais) em 2019, ano em que a lei que criou a figura jurídica baseada no valor reduzido de impostos celebra dez anos de existência. Em dezembro do ano passado havia 108.830 profissionais com esse tipo de registro e, hoje, são 137.601, um salto de 20,9%. Os números foram levantados pelo Sebrae.

Na região, de acordo com estimativas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), existem cerca de 194 mil trabalhadores informais, portanto, 71% deles já saíram desta condição ao longo da última década.

Os resultados foram impulsionados pela crise econômica, com os então desempregados que passaram a empreender por necessidade, e pela própria desburocratização do sistema, que cobra menos para que o profissional se formalize.

Porém, diferentemente dos anos 2014 e 2015, auge da crise econômica, o Sebrae afirma que o empreendedorismo por oportunidade vem crescendo em proporção ao empreendedorismo por necessidade. Nos últimos três anos, esse número chegou a 62% contra 56% do pico da crise.

Cabeleireiros, manicures e pedicures são os MEIs com mais formalizações na região. Ao todo, estão registrados no momento 12.171 no segmento. Na sequência, vêm profissionais que atuam no setor de comércio varejista de vestuário, somando 8.052 deles.

Para 2019, os valores cobrados por mês para a adesão ao regime variam, dependendo da atividade, de R$ 50,90 a R$ 55,90, e incluem ISS (Imposto Sobre Serviços), ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e contribuição ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Se enquadram na figura aqueles que faturam até R$ 81 mil por ano e tenham até um empregado, no máximo.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;