Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

União Europeia chega a acordo para neutralizar emissões até 2050



13/12/2019 | 20:57


Líderes da União Europeia fecharam acordo nesta sexta-feira, 13, para alcançar a neutralidade das emissões de carbono até 2050, informou a agência Reuters. O acordo foi fechado após horas de conversa com países do leste europeu que demandavam mais recursos para financiar a transição de distanciamento dos combustíveis fósseis.

O compromisso não foi assumido pela Polônia, segundo a Reuters, que concordou em retomar o debate em junho do ano que vem. O país havia sugerido que a data fosse fixada em 2070. A decisão do bloco surge um dia depois da divulgação do plano de 100 bilhões de euros para zerar a emissão de gases-estufa até a metade do século.

A neutralidade do carbono consiste em não emitir mais gases de efeito estufa do que o país consegue absorver. "O acordo em torno da neutralidade climática até 2050 representa um importante objetivo", disse em um tuíte o presidente do conselho europeu, Charles Michel. "Nada que vale a pena vem fácil. Mas conseguimos!", completou.

O primeiro ministro húngaro, Viktor Orban, deu o tom antes das negociações, insistindo que os países do leste europeu deveriam receber garantias financeiras generosas por essa transição de distanciamento dos combustíveis fósseis. "Não podemos permitir que burocratas de Bruxelas façam que o povo pobre e os países pobres paguem o custo da luta contra a mudança climática", disse Orban.

No entanto, os maiores empecilhos foram apresentados pelos tchecos e poloneses. A demanda vinda de Praga era que o dinheiro europeu pudesse ser aplicado na construção de usinas nucleares, o que teve resistência da Áustria, Alemanha e Luxemburgo. Enquanto isso, a Polônia queria garantias que o investimento climático da UE não excluiria a ajuda de desenvolvimento dada pelo bloco às partes mais pobres. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

União Europeia chega a acordo para neutralizar emissões até 2050


13/12/2019 | 20:57


Líderes da União Europeia fecharam acordo nesta sexta-feira, 13, para alcançar a neutralidade das emissões de carbono até 2050, informou a agência Reuters. O acordo foi fechado após horas de conversa com países do leste europeu que demandavam mais recursos para financiar a transição de distanciamento dos combustíveis fósseis.

O compromisso não foi assumido pela Polônia, segundo a Reuters, que concordou em retomar o debate em junho do ano que vem. O país havia sugerido que a data fosse fixada em 2070. A decisão do bloco surge um dia depois da divulgação do plano de 100 bilhões de euros para zerar a emissão de gases-estufa até a metade do século.

A neutralidade do carbono consiste em não emitir mais gases de efeito estufa do que o país consegue absorver. "O acordo em torno da neutralidade climática até 2050 representa um importante objetivo", disse em um tuíte o presidente do conselho europeu, Charles Michel. "Nada que vale a pena vem fácil. Mas conseguimos!", completou.

O primeiro ministro húngaro, Viktor Orban, deu o tom antes das negociações, insistindo que os países do leste europeu deveriam receber garantias financeiras generosas por essa transição de distanciamento dos combustíveis fósseis. "Não podemos permitir que burocratas de Bruxelas façam que o povo pobre e os países pobres paguem o custo da luta contra a mudança climática", disse Orban.

No entanto, os maiores empecilhos foram apresentados pelos tchecos e poloneses. A demanda vinda de Praga era que o dinheiro europeu pudesse ser aplicado na construção de usinas nucleares, o que teve resistência da Áustria, Alemanha e Luxemburgo. Enquanto isso, a Polônia queria garantias que o investimento climático da UE não excluiria a ajuda de desenvolvimento dada pelo bloco às partes mais pobres. (Com agências internacionais)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;